26 Junho 2024, Quarta-feira

- PUB -
Visitar Setúbal pela fotografia de Antero Frederico de Seabra (2)

Visitar Setúbal pela fotografia de Antero Frederico de Seabra (2)

Visitar Setúbal pela fotografia de Antero Frederico de Seabra (2)

, Professor
26 Junho 2024, Quarta-feira
|

Do destino e paradeiro das fotografias feitas por Antero Frederico de Seabra em Setúbal pouco se sabia: conhecia-se uma colecção de 12 fotografias encontrada no sótão de uma residência em Lisboa quando se procedia a obras, série que tem a particularidade de ter pertencido a outro militar que prestou serviço em Setúbal, Henrique das Neves (1841-1915), o homem que catapultou o nome do poeta popular setubalense António Maria Eusébio, o “Calafate”, para vasta divulgação, publicando-o e chamando a atenção de figuras eminentes para a sua obra, colecção que, em 2015, foi considerada “bem de interesse nacional” e “tesouro nacional” pelo Decreto 2/2015, de 14 de Janeiro, da Presidência do Conselho de Ministros; sabia-se existir, no acervo do Museu de Setúbal, um conjunto de 10 destas fotografias, sendo que uma delas (a que mostra o Convento de Brancanes) surge repetida.

A obra “Álbum Fotográfico”, agora publicada pela LASA (Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão), revela-nos mais duas existências: um lote de oito fotografias pertencente a um particular setubalense e a série de 17 fotografias que integram o “Álbum”, peça existente nos fundos da Biblioteca Pública Municipal de Setúbal, que, em 2020, caiu sob o olhar atento do investigador local Diogo Ferreira, dando origem a esta edição.

- PUB -

O livro, primorosa edição fac-similada do acervo constituído pelas 17 vistas da cidade e dos monumentos de Setúbal, contém ainda a colaboração de três autores conhecidos pela sua ligação à história e à cultura local — Francisco Borba, que destaca a técnica usada por Antero Frederico de Seabra, valoriza o contributo da fotografia para a história do mundo e justifica a iniciativa da LASA; Diogo Ferreira, o “descobridor” desta memorável colecção fotográfica, que discorre sobre o contexto vivido em Setúbal na segunda metade do século XIX nos planos político, económico, social e cultural, assim enquadrando o ambiente em que as fotografias foram conseguidas; e António Cunha Bento, que biografa o fotógrafo temporariamente residente em Setúbal, resultado de aturada busca nos arquivos, relata a génese desta colecção e dá conta das existências conhecidas das fotografias de Antero de Seabra sobre Setúbal.

Se é desconhecida a história do trajecto deste “Álbum” até à sua entrada nos fundos da Biblioteca Pública Municipal, há, porém, a certeza da data em que o bibliotecário Arronches Junqueiro o registou, pois deixou exarada na última folha a seguinte menção: “Contém este Álbum 17 (dezassete) fotografias de Setúbal e arredores. — Setúbal, Biblioteca Municipal, em 4 de Outubro de 1930.”

Olhar estas fotografias implica demorar a vista, a tentar descobrir o que se mantém de toda aquela fisionomia da cidade e a construir as pontes necessárias para espaços que, hoje, apresentam outras configurações. Olhar estas fotografias constitui um desafio para a descoberta de pormenores, tão nítidos nos aparecem os espaços mostrados, absolutamente a descoberto, sem obstáculos à atenção do detalhe, quadros quase integralmente limpos do que possa afectar a nossa absorção do mundo fotografado. Olhar estas fotografias é também ver que a preocupação foi mostrar o património monumental e paisagístico da cidade, não insistindo sobre as figuras humanas, que aparecem em restrita quantidade – ainda assim, sempre há lugar para os aguadeiros e para figuras ligadas à pesca e à agricultura, ao mesmo tempo que diversos espaços são povoados por pessoas que parecem posar, em quantidade diminuta, sejam elas burgueses de cartola, agentes de polícia ou curiosos contemplativos do quase de certeza impressionante equipamento do fotógrafo…

- PUB -

Nesta imersão num passado que já tem quase 160 anos, descobrimos a Praça de Bocage em três fotografias, uma insistindo sobre o edifício dos Paços do Concelho, outra sobre a Igreja de S. Julião e a última sobre um grande espaço da praça — aqui, olhamos aguadeiros a encher as barricas na fonte do Sapal, enquanto os burros aguardam a carga ali mesmo ao lado; vemos o edifício camarário com linhas semelhantes às actuais, mas com menos arcos e menos janelas e uma escada lateral que conduz a um primeiro piso de janelas gradeadas onde funcionava a prisão; contemplamos a decoração manuelina da entrada principal da igreja (hoje, difícil de ver ao longe) e verificamos que a Praça de Bocage mantém a sua configuração, ainda que com a substituição de alguns edifícios entretanto ocorrida.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

, Médico
26/06/2024
, Ex-bancário, Corroios
25/06/2024
- PUB -
- PUB -