9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoEm Setúbal o acesso à saúde não é para todos

Em Setúbal o acesso à saúde não é para todos

O Serviço Nacional de Saúde há muito que adoeceu e não se prevê que possa recuperar, antes pelo contrário, está cada vez mais doente. Setúbal infelizmente é um exemplo claro daquilo em que se transformou o SNS – um verdadeiro caos.

- PUB -

Nos últimos meses temos assistido a constrangimentos cada vez mais frequentes no Centro Hospitalar de Setúbal (CHS), quer no serviço de urgência geral, quer no serviço de urgência pediátrica. O serviço de urgência pediátrica tem estado encerrado por falta de recursos humanos com frequência, aconteceu em novembro, repetiu-se pelo período de uma semana neste mês de dezembro – reabriu dia 12 dezembro e voltou a encerrar dia 18 de dezembro por mais um dia – os encerramentos são sucessivos.

As crianças residentes na área de abrangência do CHS terão de percorrer cerca de 40 km até ao Hospital Garcia de Orta, em Almada, e muitas vezes têm de ir para Lisboa. E os pais que não têm forma de se deslocar com os seus filhos? Como fazem? Recorrem aos cuidados de saúde primários? Onde conseguem agendar uma consulta para dois meses depois? Ou vão às 4h da manhã para a porta de um centro de saúde tentar a sua sorte numa consulta do dia? O que está a acontecer neste momento em Setúbal é que as pessoas, principalmente, as crianças estão privadas do acesso à saúde, é a degradação do SNS.

O PS assume que os problemas estruturais estão identificados e em processo de resolução, mas a verdade é que ouvimos estes argumentos há anos e nada foi feito. O que se vive no CHS não é o reflexo de situações temporárias, nem do agravamento fora de tempo das doenças respiratórias. É antes o resultado de 7 anos de políticas erradas.

- PUB -

Ora atentemos neste exemplo, uma consulta de pediatria programada no CHS para as 9h15. Define a Ordem dos Médicos que o tempo médio de consulta em Pediatria varia entre os 30 e os 45 minutos se for uma primeira consulta, se for uma consulta subsequente varia entre os 20 e os 30 minutos. Esta semana realizaram-se consultas de Pediatria, primeira consulta num intervalo de tempo de 15 minutos, mais grave, estavam agendados dois utentes em simultâneo para o mesmo período de consulta, o que significa que a consulta agendada para as 9h15 aconteceu às 10h15 – uma hora de espera em consulta programada.

É assim que o Governo quer fazer face a listas de espera? Quem é o profissional de saúde que consegue prestar um serviço de qualidade nestas condições? É assim que queremos tratar as nossas crianças?

Nestes 7 anos de governação socialista tivemos três Ministros da Saúde e nenhum deles conseguiu resolver o problema do SNS, antes pelo contrário, os serviços de saúde por todo o país deterioraram-se. O problema não está nas pessoas com responsabilidades governativas nesta área, mas sim na ação política.

- PUB -

O PS por preconceito ideológico abandonou as parcerias público-privadas neste setor que na esmagadora maioria dos casos funcionava bem, veja-se a título de exemplo, os casos do Hospital de Vila Franca de Xira e do Hospital de Braga – esta posição do Governo só prejudicou os utentes.

Se perguntarmos aos portugueses se a gestão hospitalar deve ser pública, privada ou público-privada, a resposta da esmagadora maioria será que lhes é indiferente, pois, o que verdadeiramente interessa é que tenham um serviço de saúde de qualidade e tendencialmente gratuito, aberto 24h/por dia, todos os dias do ano e que não tenham de percorrer quilómetros para ter assistência.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -