9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoQuem adormece em liberdade, acorda em ditadura

Quem adormece em liberdade, acorda em ditadura

A última sessão plenária da Assembleia da República deste mês de julho ficou marcada pelo insulto, por parte do Partido Chega, a todos aqueles que escolhem Portugal para fazer as suas vidas, que cá trabalham, estudam e contribuem para o avanço económico, cultural e social do nosso país.

- PUB -

Seguiu-se uma pertinente afirmação por parte Augusto Santos Silva, Presidente da Assembleia da República, salientando o papel fundamental que os emigrantes tiveram, e têm, na construção e no desenvolvimento do nosso país. Portugal é, desde sempre, um país de emigrantes e de imigrantes.

Na Casa da Democracia o discurso xenófobo e racista não pode ter lugar e ao Presidente da Assembleia da República não cabe apenas ser um inerte árbitro: cabe-lhe também defender a Constituição da República Portuguesa e impedir a normalização de narrativas que atentam contra os mais básicos direitos humanos.

Seguindo o guião da vitimização costumeira, o Grupo Parlamentar do Partido Chega deu seguimento à sua rábula e abandonou o hemiciclo. Pelo meio, um Deputado do Partido Chega, não alinhado com a encenação, entrou no hemiciclo para ocupar o seu lugar, não percebendo que a bancada se havia retirado, tornando este episódio ainda mais anedótico.

- PUB -

Este abandono, curiosamente, permitiu que, pela primeira vez em alguns meses, discussões importantes para o futuro do país pudessem sem feitas como deveriam ser sempre: de forma civilizada, sem explicações simplistas para problemas complexos e sem aproveitamento dos mais básicos medos e receios que florescem em qualquer sociedade.

Entre a IL, o PSD, o PAN, o PS, o Livre, o BE e o PCP existe um mundo de ideias diferentes, de visões de sociedade alternativas – mas é possível encontrar um chão comum que passa pelo respeito pelas instituições, pela democracia, pela liberdade e pelo igual tratamento de todos os cidadãos perante a lei. Para o Partido Chega, nem todos merecem ter os mesmos direitos, independentemente de terem os mesmos deveres.

Deste episódio ficam ainda os relatos, veiculados por diversos órgãos de comunicação social, de insultos e até ameaças de agressões proferidas nos corredores do Parlamento por elementos do Partido Chega. A criação de instituições onde a Política pode ser debatida foi também uma forma que a humanidade encontrou de resolver disputas sem recorrer à violência, pelo que esta é apenas mais uma deplorável cena desta triste novela.

- PUB -

Condescender com o Partido Chega não é apenas pôr em causa um caminho de civilidade construído com o sacrifício de muitos e que hoje nos permite viver em liberdade e em paz. É também condescender com quem importa uma cultura inaceitável de “hooliganismo” para o debate político.

A moral da história – desta e de outras, do passado e do presente – é que quem adormece em democracia, acorda em ditadura. Cumpre aos democratas trabalhar para que movimentos deste tipo, que promovem o ódio e envergonham a nação portuguesa e o seu passado, não tenham adesão popular e, como consequência, não tenham lugar na Assembleia da República.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -