12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoUma homenagem singela aos Bombeiros Portugueses

Uma homenagem singela aos Bombeiros Portugueses

“Quem salva uma vida, salva o mundo inteiro”, Talmude

- PUB -

 

No dia 13 de Julho, Palmela, Aires e Setúbal estremeceram com um fogo imenso que varreu a Serra do Louro, o Vale dos Barris e a Serra dos Gaiteiros, locais preferenciais das minhas caminhadas habituais.

 

- PUB -

Eu próprio tive de me deslocar à quinta de um familiar em Palmela, onde as chamas também por lá andaram, com muita vegetação queimada, mas sem consequências de maior.

 

Inesperadamente uma árvore incendiou-se com uma rapidez impressionante e se não fosse a nossa intervenção rápida, as consequências teriam sido desastrosas, tendo em conta o local, a densidade arbórea e a proximidade de habitações.

- PUB -

 

Bombeiros, auto-tanques, sirenes, Canadair, etc.

 

Mas sempre, sempre os Bombeiros. Os Soldados da Paz desempenham uma acção corajosa, perigosa e determinada contra o fogo, esse agente tão temido e que tantas vidas inocentes tem ceifado, ao longo dos anos.

 

Neste verão de 2022 tivemos mais incêndios, muitas vezes perpetrados através de mão criminosa.

 

Incêndios um pouco por todo o lado em que a área ardida em Julho é o dobro da área total do resto do ano.

 

Hoje vamos centrar-nos na figura do Bombeiro. A primeira e mais importante pergunta que se deve fazer é a seguinte: o que faz correr esta gente, que arrisca a vida diariamente, no combate aos fogos florestais, muitas vezes ganhando uma miséria (e às vezes nem isso), em condições operacionais e logísticas muito aquém daquilo que seria desejável e expectável?

 

A resposta é muito simples: são pessoas com um enorme coração, uma dimensão pessoal que ultrapassa os limites da normal humanidade.

 

São, portanto, pessoas especiais sempre prontas a ajudar o próximo, seja em que circunstância for. São fortes, corajosos, destemidos, possuindo uma Alma do tamanho do Mundo.

 

Muitas vezes, esquecemo-nos de lhes dizer um simples Obrigado. Mas isso não os impede de continuar a trabalhar, continuando a salvar vidas onde quer que seja.

São merecedores do nosso respeito, carinho, admiração e apoio.

 

Quando um Bombeiro entra em qualquer lugar, o espírito das restantes pessoas eleva-se através da força que constitui o seu magnífico exemplo.

 

É para isso que lá estão e o que os motiva: salvar vidas. E preservar a floresta.

 

Um dia, conversando com um Bombeiro, ele disse uma frase que eu nunca esqueci: se o Inferno existe, então o Bombeiro já lá esteve. Os fogos são o que mais se aproxima dessa alegoria.

 

Quando temos conhecimento que uma grande parte da área total ardida da União Europeia continua a ser em Portugal, ficamos perplexos e indignados.

 

Sabendo-se que grande parte dos fogos é perpetrado por mão criminosa, entendo que, quem pega fogo à floresta, quer individualmente, quer obedecendo a uma lógica perversa de negociata, com terrenos e madeira à mistura, deve ser punido através de prisão efectiva, com serviço cívico diário que consiste em limpar as matas e plantar árvores, durante o todo o cumprimento da respectiva pena.

 

E portanto, relativamente a todos os Bombeiros Portugueses, parece-me importante dar-lhes referir que nunca lhes seremos suficientemente gratos por tudo aquilo que fizeram, que fazem e que continuarão a fazer, para bem de todos.

 

Um grande Bem Hajam, meus amigos.

 

Estou a pensar elaborar um projecto simples no qual os alunos sejam levados a plantar árvores autóctones, se possível com o apoio das Câmaras de Setúbal e Palmela e sob supervisão do Parque Natural da Arrábida, a fim de recuperar pelo menos alguma desta área ardida.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -