11 Agosto 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoPelo direito à dignidade profissional das amas

Pelo direito à dignidade profissional das amas

Muito se fala pelo direito ao trabalho digno e muito pouco se dignifica o trabalho. Especialmente quando se trata de trabalhadores qualificados de curta expressão quantitativa (dão poucos votos).

- PUB -

Uma ama não é uma pessoa que tem em casa uma criança que não é do seu agregado familiar. Todos sabemos isto, mas, quando dá jeito, desconhecemos.

Uma ama é certificada pela segurança social (não só pessoalmente como em termos do espaço de acolhimento disponibilizado em sua casa), só pode acolher no máximo quatro crianças até os 3 anos, é acompanhada pela segurança social com regularidade. Existe, depois, a creche familiar que é um conjunto de amas pedagogicamente apoiadas por uma IPSS e acompanhadas pela segurança social.

Em Setúbal ‘O Sonho’ é a IPSS com essa resposta social.

- PUB -

Estamos todos habituados a ver nos filmes as “amas” serem diabolizadas impunemente. Por cá, quando algo acontece, nunca de verifica se é de facto uma ama. Quando se trata de um menor que está ao cuidado de alguém exterior à família, à falta de designação adequada, os media promovem o cuidador a ama.

O que, além de falso, demonstra desconhecimento das respostas sociais e do enorme profissionalismo das amas, até mesmo da sua existência enquanto profissionais certificados.

Por cá, maus tratos por uma ama certificada, desconheço exemplos, atrevo-me a afirmar que não existem.

- PUB -

Não existem porquê? Porque existe certificação, acompanhamento, horários, declarações de idoneidade, relatórios pedagógicos, avaliação pelos pais etc.

É totalmente impossível uma criança ficar numa ama certificada de um dia para o outro, é totalmente impossível uma criança em ama ter um incidente e não ser automaticamente comunicado à família, à técnica da IPSS que acompanha a ama diariamente ou à Segurança Social e à companhia de seguros, e se necessário ao INEM.

Dito isto, a pergunta será, o que leva a comunicação social a chamar de ama quem não o é? Certamente não se pretende denegrir uma das repostas sociais que mais apoiam a família, quer pela proximidade quer pela familiaridade e relações de afeição que se geram ao longo de 3 anos de cuidado e, no caso d ‘O Sonho’, a amas com mais de 20 anos de profissão imaculada.

Meus senhores, deixem-se de sensacionalismos e chamem os bois pelos nomes, entregar uma criança aos cuidados de quem não está licenciado para o efeito torna-nos, no mínimo cúmplices do que possa acontecer.

Noticiar que uma “ama” pode ser culpada de maus-tratos torna-vos culpados pelo sentimento público de suspeita em relação a uma profissão, a de ama.

 

No contexto das respostas sociais para a infância (até aos 3 anos) as poucas amas que existem têm um trabalho mal pago, muito dignificante, muito reconhecido pelos pais, mas, pelos vistos, necessitam que a tribo da comunicação social as conheça e seja promotor da sua dignificação profissional.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae
- PUB -