27 Junho 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioOpinião“À Flor das Águas”, pelo Teatro Estúdio Fontenova

“À Flor das Águas”, pelo Teatro Estúdio Fontenova

Na semana passada, uns amigos coralistas do nosso Coro Setúbal Voz, juntámo-nos e fomos assistir à actuação da nossa querida amiga Sara Túbio Costa.

- PUB -

 

A Sara é uma distinta, categorizada e talentosa actriz, com uma presença em palco muito forte, emotiva e intensa, tal como os restantes membros que compõem o elenco do Teatro Estúdio Fontenova.

 

- PUB -

O Teatro Estúdio Fontenova é uma prestigiada companhia de teatro setubalense, formada oficialmente a 15 de Setembro de 1985.

 

Esta companhia é responsável pelo “Festival Internacional de Teatro de Setúbal – Festa do Teatro”, em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal e a Escola Secundária Sebastião da Gama.

- PUB -

 

A 15 de Setembro de 2004, recebeu a “Medalha de Honra da Cidade” de Setúbal, por mérito cultural na área das “Actividades Culturais”.

 

O Teatro Estúdio Fontenova é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Ministério da Cultura / Direcção-Geral das Artes e pelo Município de Setúbal.

 

Para quem é setubalense como eu, não pode deixar de se sentir seduzido e fascinado com a última peça da referida companhia de teatro, intitulada “À Flor das Águas”.

 

Segundo a coordenadora do projecto, Patrícia Paixão, “é uma criação colectiva que parte das memórias e vivências da cidade de Setúbal para falar sobre os espaços públicos e o direito à cidade”.

 

E, de facto, assim é. Somos levados desde a ancestralidade possível do burgo setubalense, plasmada em fotos muito antigas que surgem por trás dos actores, até uma contemporaneidade nem sempre muito bem conseguida em termos daquilo que deve ser a essência de uma urbanidade coerente e harmoniosa que em determinados locais anda um pouco arredia.

 

Tal leva-nos a reflectir sobre a tipologia de algum do tecido urbano setubalense.

 

Percorremos toda uma toponímia formal, através do nome e da localização das ruas, até uma outra informal e até afectiva, com nomes de pessoas, restaurantes, cafés e actividades comerciais diversas.

 

Para mim, o momento mais bem conseguido, é precisamente aquele em que todos estão sentados na mesa do “café”, onde os diálogos “setubalenses” surgem em catadupa e onde se pode constatar o enorme virtuosismo e qualidade interpretativa dos actores.

 

Surgem, por trás, imagens do funeral de Zeca Afonso, ocorrido em 1987, onde um mar de gente prestou a derradeira homenagem a um dos génios da música portuguesa.

 

Conheci-o pessoalmente; era um homem invulgar, no melhor e mais nobre sentido que a palavra pode ter.

 

A companhia aborda os problemas sócio-políticos numa perspectiva “canhota”, em detrimento de outras mais abrangentes.

 

 

Voltando à peça, e ainda segundo os autores, “Ao longo de três meses tivemos oito momentos de contacto com o público, traduzidos em seis caminhadas e conversas que foram das Praias do Sado à Bela Vista, do Casal das Figueiras à Baixa e à Frente Ribeirinha.”

 

O evoluir da narrativa transpõe-nos para o nosso roteiro afectivo e emocional, às vivências, às memórias dos locais que conhecemos bem, às pessoas, cheiros, aromas desta nossa magnífica cidade, virada em leque para o rio Sado.

 

No fundo, a nossa cartografia corporal.

 

O espectáculo de estreia no Fórum Municipal Luísa Todi foi acompanhado do lançamento de um livro que faz um resumo sobre as conversas com as pessoas que contribuíram para a criação de “À Flor das Águas”.

A peça do Teatro Estúdio Fontenova conta com as interpretações de Clara Passarinho, João Mota, Patrícia Pereira Paixão, Rafaela Bidarra e Sara Túbio Costa. A narração em voz-off é de Graziela Dias.

 

À Companhia de Teatro Estúdio Fontenova e aos actores, os meus sinceros parabéns.

 

Setúbal, terra de Cultura.

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -