24 Maio 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioOpiniãoEça de Queiroz, o Afeganistão e os impérios

Eça de Queiroz, o Afeganistão e os impérios

José Maria Eça de Queiroz é um dos meus escritores portugueses favoritos.

- PUB -

 

Um dos livros menos conhecidos é uma compilação de cartas que Eça escreveu quando se encontrava a viver e a trabalhar em Inglaterra, no serviço consular, entre 1874 e 1888, intitulado “Cartas de Inglaterra”. Com a leitura destas “cartas”, ficamos a conhecer uma faceta de analista político, nomeadamente sobre o Afeganistão do século XIX.

 

- PUB -

(…)No nosso tempo, chefes enérgicos vão percorrendo o território e, com os grandes nomes de pátria e de religião, pregam a “guerra santa”: as tribos reúnem-se, as famílias feudais correm com os seus troços de cavalaria, príncipes rivais juntam-se no ódio hereditário contra o estrangeiro, o homem vermelho, e em pouco tempo é todo um rebrilhar de fogos de acampamento nos altos das serranias, dominando os desfiladeiros que são o caminho, a estrada da Índia. E, quando por ali aparecer, enfim, o grosso do Exército inglês, à volta de Cabul, atravancado de artilharia, escoando-se espessamente, por entre as gargantas das serras, no leito seco das torrentes, com as suas longas caravanas de camelos, aquela massa bárbara rola-lhe em cima e aniquila-o. (…)”

Passados quase cento e cinquenta anos sobre estas magníficas reflexões, basta substituir o termo “Inglaterra” por “Estados Unidos“, ou “União Soviética”. O resto da narrativa é igual.

 

- PUB -

A Inglaterra partiu aí os dentes; a União Soviética atolou-se nos seus desfiladeiros abruptos; os Estados Unidos fizeram-nos reviver o Vietnam e a saída apressada de Saigão, no meio daquela confusão de gente apavorada, a tentar trepar para os aviões americanos. Desta vez, em Cabul.

 

As grandes potências utilizam normalmente a mesma cartilha. Primeiro entram, farejam a rivalidades, escolhem um lado e armam-nos, para se combaterem entre si.

 

Quando começam a dar aborrecimentos, enviam tropas para controlar as tensões e cuidar dos próprios interesses.

 

Mais tarde ou mais cedo, abandonam-nos, deixando-os entregues à sua sorte, todos bem armados e odiando-se mutuamente, bem como ao estrangeiro, durante décadas.

 

Alguma da nossa esquerda doméstica exulta com as figuras tristes que os norte-americanos estão a fazer no Afeganistão; “esquecem-se” que os russos invadiram e anexaram a Crimeia e parte da Geórgia e que a China fez o mesmo no Tibete, com fortes restrições à liberdade em Macau e Hong-Kong, estando já a manifestar interesses estratégicos também no Afeganistão.

 

Quanto a mim, prefiro de longe a democracia imperfeita americana, que a ditadura fascista russa ou comunista chinesa. Nestas ocasiões, sintonizo sempre o canal americano CNN, para ter notícias rigorosas e isentas. E perigosas. Que o diga Clarissa Ward, correspondente em Cabul.

 

Assim que ocupam um território, os talibãs obrigam toda a população a uma interpretação muito radical da Sharia, a lei islâmica, sem televisão, rádio, Internet, música, cinema, ou livros, apenas lendo o Corão como único livro autorizado, com a vulgarização de punições e execuções publicas para quem viola a lei, bem como a obrigatoriedade do crescimento da barba para os homens e da burka, para as mulheres.

 

Relativamente aos direitos das mulheres, estes são fortemente restringidos. Proibição de frequentar escolas, conduzir bicicletas, motorizadas e automóveis, usar perfumes, cosméticos, joias, e de entrar em contacto com qualquer homem que não seja o pai, marido ou parente.

 

Sociedades que considerem as mulheres seres inferiores, serão sempre, e em qualquer circunstância, sociedades condenadas ao fracasso.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Cidade perde rede de agentes com chegada da Transportes Metropolitanos de Lisboa

Rede com mais de uma dezena de estabelecimentos, construída pelos TST, desfeita com chegada de nova transportadora, prejudicando utilizadores mais velhos

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -