16 Maio 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioOpinião500 palavras : Pedro Tamen entre Bocage e a Rua de Nenhures

500 palavras : Pedro Tamen entre Bocage e a Rua de Nenhures

Numa entrevista a Carlos Vaz Marques na revista “Ler” (nº 99, Fevereiro.2011), Pedro Tamen (1934-2021) definiu a importância da poesia: “é, para mim, um permanente arranhar o mundo, com unhas na cal, para tentar encontrar coisas que se pressentem por detrás do branco uniforme do mundo e da vida.”

- PUB -

Era isso, então, que andava a fazer desde que, em 1956, saiu o seu primeiro livro, “Poema para todos os dias” (ed. Autor), obra em que haveria de registar marcas que pontuariam os seus títulos subsequentes: a escrita da poesia como elemento fixador (“Ontem / (ainda ontem) / aconteciam verdadeiras coisas, / aconteciam muitas e sérias coisas. / E, agora, neste seco papel, / tudo volta, e eu vejo.”), a força da palavra (“Não há montanhas se não há palavras”), a capacidade de surpreender o leitor pela palavra intrometida (“Não penso, faço, / não estrada, sigo”), o apelo aos jogos de sonoridades (“e o dia perto, porto, parto ferido”), o engenho de (re)inventar significados (“aleluia-se um gesto”), o amor (“em ti não busco mais do que pensar-te”), o tempo (“o tempo todo corre num cigarro, / no suor a cair, e no ficar.”), as marcas autorais (“formado em direito e em solidão” ou “Sentidos frios de pesadas frases / Ai Pedro, Pedro, tu que frases fazes?”), a subtileza na forma de apresentar, de visitar e de escrever a poesia (“Em segredo, como quem vai ao armário de si próprio, / rodo a fechadura (range) e abro.”).

O jogo de palavras será constante em Tamen, ajudado por alguns mestres, como Bocage, que puxou para um poema no livro “Analogia e Dedos” (Oceanos, 2006), conjunto que quase configura uma mitologia do poeta: “Já não sou. Já não serei / se fui. Agora à cova / além dos ossos e caroços / muito mais descerá. / O verso, o riso, o vinho, / a mão ladina sobre a carne morna, / tantas coisas sentidas, ressentidas, / intenções, bolandas, entreactos, / entradas por saídas, choros finos: / muito mais descerá. // Não sou, é certo, e não serei, / mas no descer de tudo / já nem fui.”

Quando passou a viver em Palmela, Pedro Tamen por lá encontrou uma Rua de Nenhures, nome estranho sugerindo um não-lugar, que deu título para livro (Publicações Dom Quixote, 2013), com 64 curtos poemas centrados num “tu”, por onde passam referências associadas à luz, ao mar e ao fogo, na procura do momento desejado – “Cheguei do fundo das ravinas, / (…) / e o coração, / salvei-o, essencial e concentrado, / para que, chegado ao lar do milho, / to pudesse entregar nas mãos iluminadas / ao sol incandescente dos teus olhos.” Desde este poema, quase no início, até ao último (“Sentas-te no muro, lá no alto, / nem me vês tropeçar nas pedras desta rua.”), o amor intensifica-se pela voz (“Cotovia perto / cantas. / (…) / cotovia perto, / meu amor, meu amor.”) ou pelo tacto (“Deixo os dedos enrugados navegar / no mar de leite”), ajudado pelos jogos de palavras – “Troco-me por ti. / Na brasa da fogueira mal ardida / renovo o fogo que perdi, / acendo, ascendo, ao lume, ao leme, à vida.” O “tu”, procurado e incorporado, surge transformador – “sinto (…) / que a lanterna de bolso que tu és / me devolve a paisagem de largueza / que a ti devo, deverei ou deveria, / a inconstante chuva de alegria.”

- PUB -

“Tentar encontrar coisas que se pressentem”, o desafio que Pedro Tamen legou.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Igor Khashin e Yulia Khashina: “O nosso trabalho de 20 anos foi destruído num dia”

Casal russo que está no centro da polémica com o acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal responde a todas as perguntas

“A Judiciária que investigue, não temos nada a esconder”

Igor Khashin e Yulia Khashina falam pela primeira vez após o inicio da polémica

Matias Damásio a abrir com The Gift pelo meio e Dulce Pontes a fechar as Festas de São Pedro

Calendário das três actuações está definido. Depois de dois anos de interregno, a tradição volta a ser o que era
- PUB -