8 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoAmianto nas escolas do distrito de Setúbal: até quando?

Amianto nas escolas do distrito de Setúbal: até quando?

Nas décadas de 80 e 90 do século XX, com a expansão da escolaridade obrigatória, procedeu-se à construção acelerada de escolas de diferentes ciclos de ensino, com recurso, na maior parte das vezes, a elementos pré-fabricados, com amianto na sua composição (placas de fibrocimento).

- PUB -

A utilização de fibras de amianto foi proibida no quadro normativo nacional em 2005, mas, até ao momento, os investimentos na requalificação e modernização de escolas ainda não permitiram proceder à remoção deste material na totalidade dos estabelecimentos de ensino públicos.

Anunciado em junho, o programa nacional para erradicar o amianto dos equipamentos escolares públicos está longe de estar concluído. De facto, o Governo anunciou um investimento de 60 milhões de euros para a retirada de estruturas com amianto das escolas públicas, totalmente assegurado por fundos comunitários, segundo o Plano de Estabilização Económica e Social (PEES).

De forma a prosseguir este objetivo, os Ministérios da Educação e da Coesão Territorial, em articulação com as Autoridades de Gestão dos cinco Programas Operacionais Regionais do continente e com as Comunidades Intermunicipais e Municípios, realizaram um exercício de diagnóstico e identificação das escolas públicas em que se verifica a existência de coberturas constituídas por placas de fibrocimento, com amianto na sua composição.
Na sequência deste levantamento, no dia 23 de junho foi publicado o Despacho n.º 6573-A/2020, que identifica equipamentos escolares para intervenções de remoção e substituição do amianto, que, no distrito de Setúbal, são 81.

- PUB -

No dia 7 de julho foi publicado o Aviso para apresentação de candidaturas para remoção de amianto dos edifícios escolares da área Metropolitana de Lisboa, na qual se inclui o distrito de Setúbal.

O Despacho n.º 6573-A/2020 prevê acordos de colaboração com os municípios em cujo território existem equipamentos a intervencionar, que não se encontram no âmbito das competências das autarquias locais.

Algumas Câmaras Municipais do distrito de Setúbal recusaram assinar esses acordos, alegando que o preço referência por metro quadrado, proposto pelo Governo, estava abaixo do preço que a maior parte das empresas praticam, e que a remoção das placas de amianto poderia implicar a realização de outros trabalhos não previstos nas candidaturas.
Na Audição da Senhora Ministra da Coesão Territorial, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para 2021, coloquei-lhe algumas questões sobre esta problemática, nomeadamente:

- PUB -

– Se os acordos de colaboração com as Câmaras Municipais não se concretizarem, algumas escolas do distrito de Setúbal vão continuar com amianto?
– Confirma-nos que o Estado vai pagar a totalidade da despesa inerente às intervenções de remoção e substituição de amianto, nas escolas do distrito de Setúbal?
– Quantas escolas do distrito de Setúbal vão, de facto, ser intervencionadas?

A resposta, vaga, foi dada pelo Senhor Secretário de Estado Adjunto e do Desenvolvimento Regional, que referiu: “para as intervenções de remoção e substituição do amianto em estabelecimentos escolares, o preço referência por metro quadrado, proposto pelo Governo, é de 65€, a que acresce mais 10% para outros trabalhos (estaleiros, platibandas, algeroz, …)”. “Trata-se de um valor justo, que corresponde ao que foi praticado pela maioria dos municípios”.

As verbas de Fundos Comunitários, segundo alguns autarcas, são manifestamente insuficientes e todo o trabalho e toda a responsabilidade – financeira, e não só – é remetida para as Câmaras Municipais. Com a agravante de que, no que se refere aos estabelecimentos escolares da responsabilidade do Ministério da Educação, o Governo não assume qualquer encargo.

As obras de remoção e substituição de amianto nas escolas são urgentes e necessárias, a fim de garantir que a escola pública é um lugar seguro e com as melhores condições de aprendizagem para crianças, jovens e adultos. Porém, enquanto se mantiver este braço de ferro entre Governo e municípios, as comunidades educativas vão continuar a sofrer os efeitos nefastos do amianto. Até quando?

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Águas de Moura subiu ao segundo lugar da tabela classificativa

Dos três da frente ninguém conseguiu ganhar e quem tirou partido disso foi a equipa orientada por Gonçalo Cruz que é agora vice-líder da competição.
- PUB -