12 Agosto 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioOpiniãoRacismo e Homofobia

Racismo e Homofobia

Racismo. Substantivo masculino. Vocábulo que, segundo o Dicionário Priberam, qualifica a teoria que defende a superioridade de um grupo sobre outros, baseada num conceito de raça, preconizando, particularmente, a separação destes dentro de um país (segregação social) ou mesmo visando o extermínio de uma minoria. A atitude hostil ou discriminatória em relação a um grupo de pessoas com caraterísticas diferentes, nomeadamente etnia, religião, cultura, etc.
A atitude hostil que ainda continua em voga para lá do mundo. A disposição discriminatória que nunca chumba na inspeção dos ignorantes, dos incorretos, dos incertos. A palavra que inúmeras vezes adquire a forma de ação social, crença ou sistema político que considera que raças diferentes devem ser, indubitavelmente, classificadas como inferiores ou superiores. O monstro idiota baseado em estereótipos culturais, associado ao poder soberbo que alimenta o preconceito.
O preconceito existe porque a palavra existe. Ponto. É admitir que devemos julgar alguém pela cor da pele, por exemplo. Observar e trutinar o comportamento em função da orientação sexual. A aclamada homofobia.
O racismo e a homofobia. Conceitos que percorrem a mesma estrada, lado a lado. Quase iguais. A homofobia define o ódio, a relutância que alguns seres alentam contra os homossexuais. A inconsciência dos energúmenos. Ou seja, continuamos na mesma linha da palermice pegada. Não existe uma orientação sexual superior. Existe a igualdade. Existe o mesmo patamar de prestígio. O amor é muito mais que meras palavras ou declarações ambiciosas. O amor também é liberdade. Liberdade de expressão. O amor não pode ser uma distração. Não te deixes afetar. Por dentro de todos os lugares, comporta-te naturalmente perante o preconceito. Os ´outros` apenas querem magoar-te. Recai para não te tornares igual, inalterado. Ignora os caminhos velhos. Os atalhos que ainda persistem. Não te anules. Não pares a tua vida. Emprega a naturalidade como prova do teu amor-próprio. Mostra-te superior às palavras menos saborosas. Não te apouques. A vida é um peito aberto à imensidão do mundo.
Despeço-me com um pequeno excerto do meu livro “Nem todos os amores crescem”: “Assevero o amor. Assume-te. Se és homossexual, encarrega-te de ti mesmo. Aceita a tua orientação sexual. E nunca a opção. Anula o desditoso preconceito. Acarinha-te da melhor forma. A cegueira moral é apenas uma questão de valores sociais. Recebe-te com agrado para que os abraços dos outros consigam beijar-te com o devido respeito, com a real consideração. Exibe a paciência. Adota a demora. O tempo que for necessário, ou essencial. Não deixes de ser quem és, nunca. A culpa não existe. O erro não subsiste. Persiste a vida, o respeito e a felicidade. Os dias sôfregos por haver. Não percas tempo, ou o tempo. Inclui-te. Não te excluas. Não te anules perante o estereótipo. És o único responsável por aquilo que vives, existes. Os outros são apenas os outros. A responsabilidade é tua. Adquire a liberdade, e assim serás livre para respirar, amar, ter, dar e receber. Assume-te. É fundamental para a tua vida. Sê feliz como eu.”
A melhor queda é a queda para o amor. A queda para o livre arbítrio.

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -