13 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioOpiniãoO mistério da Estrada do Vale de Mulatas

O mistério da Estrada do Vale de Mulatas

Caro leitor, a ideia do título veio do romance (policial) de Eça de Queirós (de parceria com Ramalho Ortigão), O Mistério da Estrada de Sintra. Não irei falar de cenas policiais ou de grande mistério, mas, como diziam Eça e Ramalho no prefácio, de «claras realidades»: da Estrada do Vale de Mulatas e do troço da M-534 (da Estação velha da CP ao cruzamento de Pontes / Quinta do Cantador / Vale de Mulatas). E do seu abandono há, pelo menos, 14 anos, o tempo que levo de Palmela (depois de 11 em Setúbal e de 7 anteriores em Palmela).

- PUB -

Abandono que é igual ao da restante rede viária do concelho, tal como se passa noutros do distrito, em especial nos da Península de Setúbal ─ excepto no de Setúbal, que atacou desde 2013 este martírio diário dos munícipes: circular por Setúbal e Azeitão não é um pesadelo e dá prazer, à funcionalidade das vias junta-se o seu embelezamento.

Já falei da rede viária noutros artigos: com os Fundos Estruturais-FEDER optou-se pelo transporte individual (e autoestradas) em vez do colectivo ─ em especial, o comboio. Erro crasso, mais grave nas áreas metropolitanas: poluição; perda de horas de trabalho nas filas; acidentes diários; desperdício de energia (importada); stresse das pessoas; alto custo económico; etc. Acresce ainda o desprezo de alguns autarcas pela rede viária: ao inferno do carro particular juntam o dos caminhos de cabras por onde nos põem a circular.

Volto à M-534 e à Estrada do Vale de Mulatas, que ligam a Estação da CP às Pontes (e Alentejo), ao Cemitério da Paz e ao Vale de Mulatas (e Setúbal). Ganhou importância devido à saturação da N-252, à nova ligação da A12 (nas portagens) ao Porto de Setúbal (por Manteigadas), à área de logística em torno da Estação de Palmela / Algeruz, à nova Estação Ferroviária (com muitíssimos passageiros, alguns de Setúbal por ser fácil estacionar) e ao desenvolvimento do maior centro comercial e de serviços de Setúbal (à volta do Monte Belo: Decathlon, Atlântic Park, Media Markt, Alegro, hotéis, empresas Auto, etc.)

- PUB -

Esta via, com um tráfego intenso (e muitos camiões), é hoje crucial na mobilidade local e regional: E não exige grande investimento: os 800 metros do troço da Estrada do Vale de Mulatas requerem limpeza do mato nas bermas (nalguns pontos entra 50 cm na faixa de rodagem); marcações no piso; reparações pontuais; abate de 2 ou 3 pinheiros. Maior é o problema dos 700 metros da M-534, da Estação ao cruzamento, piso e bermas miseráveis e placa central do cruzamento (deslocada do eixo) com o lancil destruído (e restos de para-choques e farolins dos acidentes): uma autêntica vergonha.

Caro leitor, acha que exagero? Veja as fotos: www.dropbox.com/s/1iyankttxqu45wm/EVM.docx?dl=0 Faixas estreitas, piso superdegradado, buracos nas bermas (até há pouco tempo, ao chover formava-se uma piscina que parava o trânsito: publiquei as fotos, foram logo abrir valas de escoar nas bermas). Quer passar por lá? Não vá a 90 Km/h, vá só a 40: a sua coluna, a suspensão e a direcção do carro agradecem. Afinal, mais de 900 funcionários não vêem isto? Servem só para derreter 50% do orçamento em ordenados (sem contar com horas extra, não há muitos anos foi-se um milhão só num ano). Autarcas, do poder e oposição, visitem, para verem se o que digo é verdade, se as fotos são uma montagem.

Espero que a nova realidade política na Câmara (com maioria da oposição: PS, PSD/CDS e MIM) imponha outras opções, em especial nas desprezadas funções básicas das autarquias, para se acabar com coisas como esta. Senão, em 2021 o eleitorado «premiará» quem manteve este marasmo: que é hoje o principal factor de desânimo e mal-estar dos munícipes.

- PUB -

Caro leitor, o mistério da Estrada do Vale de Mulatas é, afinal, saber a razão deste desleixo. Não é mistério, é o resultado de opções erradas de política autárquica: metade do orçamento para a máquina burocrática; festarolas e fogachos em vez do essencial; decisões erradas que hipotecaram as finanças no passado, no presente e no futuro (600 mil euros/ano de rendas de edifícios: e já foi 725 mil; compra do Espaço Fortuna; etc.)

Comentários

- PUB -

Mais populares

PSP de Setúbal sem meios para se deslocar a atropelamento em frente à esquadra

Acidente na Avenida Luísa Tody fez uma vítima de 88 anos

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae
- PUB -