27 Junho 2024, Quinta-feira

- PUB -
Câmara elogia moradores e recusa “empolamento” do ataque à esquadra da Bela Vista

Câmara elogia moradores e recusa “empolamento” do ataque à esquadra da Bela Vista

Câmara elogia moradores e recusa “empolamento” do ataque à esquadra da Bela Vista

CDU temperou o texto de Nuno Carvalho, recordando trabalho feito pela Câmara e Junta que, com envolvimento dos moradores, tem transformado o bairro

 

A Câmara de Setúbal tomou ontem posição sobre os “incidentes” no Bairro da Bela Vista, “especialmente com engenhos explosivos atirados à esquadra da PSP”, que a moção apresentada pelo vereador do PSD classificou como “actos condenáveis”.

- PUB -

“Setúbal é uma cidade segura e convidativa, qualquer ideia contrária é incorreta e afecta injustamente um concelho onde as famílias não têm razão para se sentirem inseguras por actos isolados de vandalismo.”, refere o texto, onde são feitos elogios ao “mérito” dos moradores do bairro “por ajudarem a construir o concelho de Setúbal e participarem no seu desenvolvimento social e económica”, e à PSP pelo “trabalho que faz em todo o concelho” e pelo “profissionalismo dos agentes”.

Os eleitos dos outros partidos concordaram com a posição proposta por Nuno de Carvalho, mas a CDU chamou a atenção para o trabalho que a Câmara Municipal e a junta de Freguesia de S. Sebastião têm feito, em colaboração com os moradores, na requalificação dos bairros da Bela Vista e que têm como face mais visível o projecto “Nosso Bairro, Nossa Cidade”.

O papel das autarquias no envolvimento dos moradores começou por ser referido por Pedro Pina (CDU), que apontou essa “lacuna” na moção apresentada por Nuno Carvalho, acabando o vereador do PSD por concordar com o elogio à Câmara e às IPSS que tem trabalhado pelo desenvolvimento da Bela Vista.

- PUB -

 

Dores Meira contra “aproveitamento deplorável” e “aparato exagerado”

A presidente da Câmara criticou o que considerou o “aproveitamento deplorável” e o “aparato propagandístico” por parte de “alguns partidos” e comunicação social. Relativamente à actuação da PSP, a autarca também fez reparos.

- PUB -

“As forças policiais fizeram um aparato exagerado, desenquadrado, sem nexo, para proteger a esquadra, que hoje tem dois ou três agentes, fruto do desinvestimento do Governo. O aparato não é para a protecção dos moradores.”, disse Dores Meira que aproveitou para elogiar o trabalho que o vereador Carlos Rabaçal fez na Bela Vista nos dois dias seguintes aos incidentes. “Actividade importantíssima no terreno”, junto aos moradores.

Carlos Rabaçal explicou que a estratégia do município foi de combate ao empolamento do incidente.

“A presidente da Câmara e o vereador não apareceram na televisão, de propósito, porque aquilo teve a importância que teve, foi um episódio pequeno, fortuito e isolado, em reação àquilo que aconteceu na Jamaica.”, afirmou Carlos Rabaçal.

O vereador comunista invocou o mais recente relatório de Segurança Interna, que mostra redução da criminalidade do país, para destacar que a maior redução foi no distrito, no concelho de Setúbal, e que, dentro do concelho a esquadra que mais melhorou nos indicadores de segurança foi a da Bela Vista. “É nesse quadro que surge esse evento fortuito que tem um valor residual na vida da população daqueles bairros”, vincou.

 

 

PSD denuncia assessor do BE

Nuno Carvalho, do PSD, informou que apresentou ao Ministério Público as recentes declarações do assessor do Bloco de esquerda na Assembleia da República, para eventual inquérito.

“Este senhor não tem juízo nenhum e o BE devia demiti-lo porque está a ser pago com dinheiros públicos”, disse sobre o assessor que se referiu à PSP como “a bosta da bófia”.

 

Fábrica das Artes à espera de dinheiro

O vereador do PS questionou quando poderá ser inaugurada a Fábrica das Artes, prevista para a zona ribeirinha, num imóvel que o município recebeu em troca dos terrenos onde foi construído o Burger King do Monte Belo.

A presidente da Câmara respondeu que o projecto está feito e que a construção está á espera de financiamento. “Houve outras prioridades e não houve ainda dinheiro para a Fábrica das Artes. Pensamos que será feita ainda este mandato, logo que possível.”, informou Dores Meira.

 

Maioria CDU recusa transferência de competências

Na reunião de ontem, a Câmara Municipal aprovou a rejeição da descentralização de competências. A posição foi aprovada pela maioria CDU, com votos contra do PS e abstenção do PSD. A questão vai ainda ser votada pela Assembleia Municipal.

Carlos Rabaçal leu declaração informando que votou contra novas competências para que Setúbal “se possa juntar a todas os municípios da CDU, PS e PSD que já o fizeram” em defesa de “uma descentralização responsável”.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -