15 Abril 2024, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalParlamento recorda Odete Santos “uma das deputadas mais marcantes da democracia”

Parlamento recorda Odete Santos “uma das deputadas mais marcantes da democracia”

Documento aprovado por unanimidade lembra “elevada qualificação e combatividade” da antiga eleita por Setúbal

 

- PUB -

O parlamento aprovou esta sexta-feira, por unanimidade, um voto de pesar pela morte da comunista Odete Santos, aos 82 anos, recordando-a como “uma das deputadas mais marcantes da democracia portuguesa” e lembrando a sua “elevada qualificação e combatividade”.

No projecto, apresentado pelo Grupo Parlamentar do PCP, lê-se que Maria Odete dos Santos, que morreu no passado dia 27 de Dezembro, foi deputada à Assembleia da República “de Novembro de 1980 a Abril de 2007”, destacando-se pela sua “intervenção na área dos Direitos, Liberdades e Garantias, na defesa dos direitos dos trabalhadores e dos direitos das mulheres”.

O PCP lembra que a intervenção de Odete Santos “teve particular significado pela despenalização da Interrupção Voluntária da Gravidez e na criação dos Julgados de Paz, sendo reconhecida como a sua principal impulsionadora”.

- PUB -

“A sua intervenção parlamentar, marcada pela elevada qualificação e pela combatividade com que defendia os seus pontos de vista, fazem com que Odete Santos seja reconhecida como uma das deputadas mais marcantes da democracia portuguesa”, lê-se no texto.

O projecto de voto refere que Odete Santos “desde muito jovem teve intervenção cultural e antifascista em associações de cultura e recreio do distrito de Setúbal, o que suscitou a sua perseguição pela PIDE/DGS”, a polícia política da ditadura.

Odete Santos aderiu ao Partido Comunista Português em 1974, “tendo sido membro do seu Comité Central entre 2000 e 2012”.

- PUB -

No texto é recordado que a comunista foi vereadora da Câmara Municipal de Setúbal e membro da Assembleia Municipal Setúbal de 1979 a 2009, órgão a que presidiu entre Janeiro de 2002 e Novembro de 2009, e integrou “o Conselho Nacional do Movimento Democrático de Mulheres e a Associação de Amizade Portugal-Cuba”.

“Dotada de uma grande capacidade de trabalho, Odete Santos desenvolveu, a par da sua intensa actividade política, uma relevante intervenção cultural, na escrita, com a autoria dos livros ‘Em Maio há cerejas’ de 2003 e ‘A Bruxa Hipátia – o cérebro tem sexo?’ de 2010, e na representação, com a sua participação no Teatro Animação de Setúbal, a cuja criação esteve ligada, e no Teatro de Revista em 2004 e 2005”, lê-se no texto.

O projecto refere também que Odete Santos “foi agraciada pelo Presidente da República com o Grau de Grande Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique e pela Câmara Municipal de Setúbal com a Medalha de Honra da Cidade”.

Nascida em 26 de Abril de 1941, na freguesia de Pêga, concelho da Guarda, Maria Odete Santos era advogada.

- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Desaparecido no mar esteve no sábado à pesca de choco no Sado

Ricardo Neves esteve no dia anterior à tragédia em embarcação turística. Mestre de embarcação critica quem se aventura na zona do naufrágio

Lisnave distribui mais de três milhões de euros pelos trabalhadores

Prémio é justificado com resultado obtido no ano passado, descrito o "melhor desempenho de sempre"
- PUB -