30 Novembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalFuturo da Arrábida está “mais seguro e resiliente” com planos locais de...

Futuro da Arrábida está “mais seguro e resiliente” com planos locais de adaptação

Município de Setúbal, em conjunto com Palmela e Sesimbra, propôs “224 medidas e 520 acções”

 

- PUB -

O município de Setúbal, em conjunto com Palmela e Sesimbra, está empenhado na criação de estratégias que tornem o futuro da Arrábida “mais seguro e resiliente” aos impactos das alterações climáticas, sendo que através dos respectivos planos locais propõem “224 medidas e 520 acções” para o efeito.

Os Planos Locais de Adaptação às Alterações Climáticas (PLAAC) da Arrábida “são únicos no País, não só pela metodologia inovadora que o Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) usou, com uma abordagem à escala municipal, mas porque grande parte das medidas e acções foi desenvolvida junto da comunidade”, afirmou José Carlos Ferreira, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.

Durante uma apresentação dos três planos locais, realizada quinta- -feira, em Setúbal, nas instalações da Agência de Energia e Ambiente da Arrábida (ENA), o professor revelou que “isto só foi possível fazer através de um processo de envolvimento activo da comunidade, ou seja, de cada um dos grupos de actores, desde o empresário, agricultor, o pescador, enfim, quem quis participar, além das equipas técnicas de cada um dos municípios”.

- PUB -

O PLAAC Arrábida, financiado pelo EEA Grants, é um programa ambiental financiado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega e que, entre outros objectivos, visa promover uma maior resiliência às alterações climáticas.

Elaborado ao longo dos últimos 19 meses, representa um trabalho conjunto da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova, Instituto de Geografia e Ordenamento do Território (IGOT) e equipas técnicas dos municípios de Palmela, Sesimbra e Setúbal.

O perigo de inundações e galgamento da zona costeira, erosão costeira e recuo das arribas, calor excessivo, seca, tempestades de vento e outras situações resultantes das alterações climáticas foram alguns dos cenários equacionados no âmbito dos três planos locais que foram discutidos com as populações.

- PUB -

Segundo José Carlos Ferreira, houve sempre a preocupação de “envolver as populações e de as ouvir sobre as soluções que apresentavam para os problemas”.

Já a directora executiva da ENA, Cristina Daniel, explicou que “a ideia [dos PLAAC Arrábida] é as pessoas começarem a adaptar-se, começarem a adquirir competências para conseguirem ser mais resilientes e recuperarem os territórios dos efeitos das alterações climáticas, que já estão a acontecer”.

“A ENA lançou o desafio aos municípios, que aceitaram de imediato. E envolveu no consórcio duas entidades muito importantes e que têm muita experiência, trabalho e competência nesta matéria: o IGOT e a FCT da Universidade Nova”, sublinhou. Com Lusa

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Corpo do chefe dos Bombeiros Sapadores de Setúbal encontrado na Praia da Torre em Grândola

Identificação do corpo terá sido feita por familiares na morgue, onde será realizada a autópsia, não havendo, até ao momento, indícios de crime 

Acidente na A2 junto a Palmela faz um morto e dois feridos ligeiros

Colisão entre dois veículos ligeiros ocorreu ao quilómetro 24.9 da Autoestrada 2. Vítima mortal tinha 42 anos
- PUB -