26 Junho 2022, Domingo
- PUB -
InícioLocalSetúbalMarchas Populares voltam a desfilar "tradição bairrista" após dois anos "pesados" de...

Marchas Populares voltam a desfilar “tradição bairrista” após dois anos “pesados” de pandemia

Presidente da autarquia realça importância do certame para o município e para a cidade sadina

 

- PUB -

São seis as colectividades que estão em contagem decrescente para a realização das Marchas Populares de Setúbal, a acontecer este ano em duas ocasiões, com o primeiro momento, de apresentação, a realizar-se no dia 25 na Avenida Luísa Todi.

O tradicional certame setubalense, reduzido em 2022 a meia dúzia de colectividades – contabilizando com a participação da APPACDM de Setúbal, que é extraconcurso –, é “muito importante” para o presidente da autarquia sadina.

“Passados dois anos de pandemia, temos de reconhecer que as colectividades têm uma responsabilidade a dobrar. Algumas pessoas já não são as mesmas que conhecemos. Estes dois anos pesaram muito na nossa vida”, referiu André Martins na sessão de apresentação das Marchas Populares, realizada quarta-feira na Casa da Cultura.

- PUB -

Sobre as colectividades, disse serem “a cara das Marchas Populares”, uma vez que estas “desenvolvem-se fundamentalmente lá”. “No município o papel das colectividades é fundamental e determinante na dinamização e mobilização das populações. Esta questão das Marchas é muito identitária. As pessoas envolvem-se e motivam-se e por isso é necessário que as marchas continuem”, sublinhou.

Com “apenas seis marchas” a participar no certame, nomeadamente o Clube Recreativo Palhavã, o Grupo Desportivo Independente, o Núcleo dos Amigos do Bairro Santos Nicolau, o Grupo Desportivo Setubalense “Os 13” e a União Desportiva e Recreativa das Pontes, o autarca frisou que “é o resultado da situação vivida” e que “as colectividades sabem da dificuldade que foi conseguir criar as condições para apresentar o evento”.

No que diz respeito aos locais escolhidos, o edil explicou existirem algumas “dificuldades em realizar este tipo de eventos” e que “a Praça de Touros era uma salvaguarda porque permitia acolher um número alargado de pessoas”.

- PUB -

“A avaliação que nós temos vindo a fazer é que as instalações não são recomendadas e não quisemos arriscar ali o evento. Portanto temos esta alternativa nas Manteigadas, que é uma experiência, mas temos de saber que não é a mesma coisa e fazer um esforço para que corra bem”.

A concluir, revelou “o compromisso de que a Câmara Municipal tudo fará para que no mais breve espaço de tempo se possa tornar a Praça de Touros num centro multicultural, com melhores condições para a realização das Marchas e de outros eventos com uma dimensão que naturalmente a cidade e o concelho merecem”.

Marchas orgulham autarquia, bairros e colectividades

Na sessão esteve igualmente presente Pedro Pina, vereador da Cultura, que afirmou ter “expectativas de que seja um grande espectáculo”. “As Marchas, independente do seu número e pelas circunstâncias que conhecemos, pela sua qualidade e empenho dos seus dirigentes, deixam-nos cheios de orgulho e aos seus bairros, as colectividades e as freguesias”.

Para a Madrinha das Madrinhas, Carla Lança, eleita em 2019, deixou um especial agradecimento “por ter aguentado e suportado esta possibilidade que a covid-19 trouxe”. Já a fadista disse ser “um privilégio assumir este papel”.

“Quero agradecer ao município pelo esforço e por realizar as marchas este ano. Espero representar bem o município e irei fazer o meu papel o melhor que sei e com muita alegria”, expressou.

Também Piedade Fernandes, escolhida para presidente do júri, agradeceu à autarquia a escolha e sublinhou tratar-se de “uma actividade que não pode deixar de acontecer numa cidade como Setúbal”.

“Para mim é um evento que sempre teve grande significado. Já na altura dizia que era uma actividade importante para fomentar o convívio pós-laboral e social. É um evento que ocupa as pessoas, num aspecto positivo e colaborativo”, referiu.

Além disso, é um momento de “muita alegria, onde nascem amores e casamentos e há todo um espírito bairrista e de amizade que perdura ao longo de gerações”. “É uma coisa de se fomentar e aplaudir e de se tentar que não desapareça”, sublinhou, a terminar.

Depois do momento de apresentação no dia 25, o desfile a concurso está marcado para 2 de Julho no Pavilhão Municipal das Manteigadas, com capacidade para 1 400 pessoas.

 

Marchas arrancam do cruzamento com a Rua Teotónio Banha

É junto do cruzamento com a Rua Teotónio Banha que as Marchas Populares vão arrancar, para em seguida seguirem pela faixa norte da avenida, com a primeira apresentação a acontecer frente da glorieta de Luísa Todi, virando depois para a faixa sul da avenida para fazerem uma segunda apresentação em frente ao coreto, onde está o júri.

Em comunicado, a autarquia dá conta de que “com a Marcha n.º 1, o Núcleo dos Amigos do Bairro Santos Nicolau apresenta o tema “Bairro Santos… Pérola do Rio”, tem como madrinha Ivone Vieira Dias e faz desfilar um total de 63 elementos”. “A Marcha n.º 2 é a do Grupo Desportivo Setubalense “Os 13”, que tem como madrinha Íris Cruz e cujos 65 elementos desfilam ao som do tema “Parabéns, Os 13 está em festa!”.

Tendo Joana Lança como madrinha, a União Desportiva e Recreativa das Pontes é responsável pela Marcha n.º 3, com o tema “A Rosa e o Chico, num perfeito Amor ao Fado” e um total de 60 elementos. Já a Marcha n.º 4 é a do Grupo Desportivo Independente, que escolheu Sara Margarida para madrinha e vai ter 59 elementos a desfilarem ao som do tema “Um Brinde a ti… Querida Paula Costa!”

A última a concurso, a Marcha n.º 5 “faz desfilar 64 elementos pelo Clube Recreativo Palhavã, com o tema “Feira de Sant’Iago, um mundo de emoção, sabor e tradição!” e tendo Inês Pereira como madrinha”. Extraconcurso, a marcha da APPACDM apresenta o tema “Setúbal terra de peixe!”, tem como madrinha Maria do Céu Freitas e como padrinho Miguel Assis e conta com um total de 46 elementos no desfile.

O júri, presidido por Piedade Fernandes, é ainda composto por Joana Gomes (cenografia), Marina Sacramento (coreografia), José Nova (figurino), Inês Duarte (letra) e Délio Gonçalves (música).

Comentários

- PUB -

Mais populares

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -