13 Abril 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Local Setúbal IPS coloca vulnerabilidades sociais e saúde em debate internacional

IPS coloca vulnerabilidades sociais e saúde em debate internacional

O encontro está marcado para Março nesta que é a sua terceira edição

 

- PUB -

“Vulnerabilidades Sociais e Saúde” é o mote para o seminário internacional que o Instituto Politécnico de Setúbal (IPS) está a preparar para os próximos dias 11, 12 e 13 de Março. Esta terceira edição, que é também a primeira internacional, subordinada ao tema “Epidemias: uma análise multidisciplinar”, será transmitida por videoconferência.

Ana Paula Gato, professora na Escola Superior de Saúde do IPS e membro da comissão organizadora e da comissão científica, começa por explicar que “neste terceiro seminário serão abordadas as problemáticas associadas às epidemias. Dado o actual contexto de pandemia Covid-19, com impactos económicos, políticos e sociais a nível mundial tão significativos, pareceu-nos muito pertinente, o tema”.

Neste sentido, foram constituídos painéis temáticos com oradores nacionais e internacionais, de modo a dar uma perspectiva internacional ao encontro, tendo em vista a expansão da participação a novos autores com comunicações livres nas áreas temáticas do evento. Em discussão estarão os impactos socioeconómicos, através das repercussões económicas e sociais das epidemias, nomeadamente nas populações mais vulneráveis; as perspectivas da História, trazendo a reflexão sobre as respostas políticas, económicas e sociais que ao longo do tempo têm sido dadas às epidemias; os desafios para a saúde, através do debate sobre os efeitos das epidemias na saúde humana e os desafios que a esse nível se têm colocado aos sistemas de saúde; e as respostas de apoio social, propondo analisar políticas e práticas de apoio social face ao actual contexto pandémico da Covid-19. Serão estas as áreas temáticas do seminário e que norteiam os momentos de partilha de “várias áreas do saber, investigação e práticas de intervenção” que terão lugar entre os dias 11 e 13 de Março. Será, assim, um espaço de debate interdisciplinar, entre a História, outras Ciências Sociais e a Saúde.

- PUB -

Este ano, devido à pandemia, o modelo da iniciativa teve de ser alterado, o que permitiu integrar oradores internacionais nos painéis

Um dos objectivos é “discutir com historiadores o impacto de epidemias anteriores, visto que o passado contribui para iluminar o presente, analisar as consequências socioeconómicas da actual pandemia, os desafios colocados aos serviços de saúde, assim como conhecer as redes de apoio criadas para responder a esta crise sanitária e social”, esclarece a professora. “Por considerarmos, enquanto equipa organizadora, que estudar, discutir e compreender nos torna mais capazes de enfrentar esta situação, que é desafiadora para todos nós, interessa-nos que a preocupação com o cuidar das pessoas seja central neste momento e a nossa expectativa é que possamos também contribuir para isso”, adianta. Em nome da equipa, Ana Paula Gato partilha ainda o sentimento conjunto de que “este seminário ganharia com a partilha de experiência e saberes de académicos e profissionais de outros países. Trata-se de um tema vasto que ganha com a diversidade de olhares, pois ajuda-nos a reflectir melhor sobre as respostas possíveis. Permite-nos também construir visões mais abrangentes, tolerantes e diversificadas sobre os problemas”.

Pedro Dominguinhos, presidente do

- PUB -

 Várias áreas científicas e várias instituições juntas na mesma programação

Com o objectivo de discutir temas relacionados com as vulnerabilidades sociais e de saúde, tal como o próprio nome indica, este seminário é organizado pela Escola Superior de Saúde e pela Escola Superior de Ciências Empresariais do Instituto Politécnico de Setúbal e pelo Centro Interdisciplinar de História, Cultura e Humanidades da Universidade de Évora. Da comissão organizadora fazem parte seis docentes, três de cada uma das escolas, sendo dois deles também membros integrados do CIDEHUS. Ana Paula Gato, José Rebelo, Edgar Canais, Sandrina Moreira, Vítor Barbosa e Andreia Cerqueira integram a equipa que nas palavras da docente Ana Paula Gato se pauta por ser “um grupo coeso e que gosta de trabalhar em conjunto. Tem sido uma experiência muito positiva e inovadora para todos. Considero que a interdisciplinaridade, que é uma das mais valias do seminário e da equipa, tem contribuído para o diálogo, para a criatividade e é promissora para nós”.

“Sete Séculos Curtos – Revisitar a Peste Negra no Tempo da Covid-19”, “O combate às epidemias de cólera no século XIX: decisão política e acção militar”, “The Short-Term Economic Impact of the Covid-19 Pandemic in the EU”, “Impacto de la pandemia y desafíos para la salud y las enfermeras en un contexto de cuidados”, “Pandemia: vamos estar preparados para próxima?”, ”Respostas de apoio social”, “COVID-19 Pandemic in Portugal: a sociodemographic point of view” são alguns dos títulos que preenchem a programação. “Com certeza, todos estes temas despertarão muito interesse e permitirão um trabalho bastante profícuo nos próximos dias 11, 12 e 13 de Março”, remata.

O Seminário sobre Vulnerabilidades Sociais e Saúde realiza-se habitualmente nas instalações do Campus do Instituto Politécnico de Setúbal, no edifício que acolhe as escolas que o organizam (ESCE e ESS). Esta edição, devido ao contexto pandémico que vivemos, vai ser totalmente online, recorrendo à utilização da plataforma Colibri Zoom.

- PUB -

Mais populares

Mercadona confirma supermercado no Montijo igual ao de Setúbal

Marca vai investir milhões de euros nos dois concelhos. Futuras superfícies comerciais vão ter 1 900 metros quadrados de área de venda   A expansão da...

Jovem setubalense morre em acidente de moto

Fábio Silva, conhecido por Pigóita, despistou-se junto ao cruzamento para Aldeia de Irmãos

Bateria da Raposa vai passar para o município para vigiar praias e reforçar combate a incêndios

O entendimento entre a Câmara de Almada e o Estado está a ser traçado para a bateria de costa na Mata Nacional dos Medos passar para a gestão da autarquia. Esta antiga estrutura militar vai ter novo uso estratégico de defesa