1 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalProprietário de embarcação sinistrada no Portinho da Arrábida exige que a Câmara...

Proprietário de embarcação sinistrada no Portinho da Arrábida exige que a Câmara assuma responsabilidades

O proprietário do barco Vallnord diz estar sem resposta sobre se a Câmara tem seguro para defender barcos no Portinho da Arrábida

 

- PUB -

O proprietário da embarcação de recreio Vallnord, que utiliza um dos 50 pontos de amarração fixa individual na Ponte-Cais no Portinho da Arrábida, em Setúbal, viu o seu barco ali ancorado praticamente destruído durante uma temporal em Setembro e, pelo que afirma, não “consegue resposta da Câmara de Setúbal”, entidade gestora das amarrações/poitas, sobre se tem apólice de seguro para reparação da mesma.

Ausência de resposta que, diz Paulo de Matos, ser tanto da parte da Câmara, como da Associação Baía de Setúbal – ABS, com quem a autarquia estabeleceu um protocolo de colaboração para a gestão da utilização da Ponte-Cais do Portinho da Arrábida, e que lhe alugou o direito de usar a poita 41 para o período de Agosto a Setembro.

“Fizemos uma exposição, sobre a questão do seguro, à Câmara Municipal de Setúbal e à ABS, no dia 28 de Setembro, contudo sem resposta até à data”, lamenta. Anteriormente, no dia 22, “solicitámos por escrito à ABS, no âmbito do dever legal de participação do sinistro dentro dos timings exigíveis, informação sobre a participação feita à Companhia de Seguros, e respectiva apólice, e não obtivemos qualquer resposta à data”.

- PUB -

Os danos na Vallnord, e em duas outras embarcações de recreio, aconteceram durante o dia de 18 de Setembro, quando se levantaram fortes ventos de sul e formaram-se ondas com cerca de três metros que atingiram a praia. Com esta intempérie, conta Paulo de Matos, que “as amarrações da poita rebentaram, o que resultou na perda total da embarcação”. Pelo que constatou, a instalação destas amarrações “não se verificou em condições de segurança para o efeito”, ou seja, para “o qual foi usada e vendida pela ABS, e resultou neste acidente”.

Aliás, segundo diz, a “29 de Agosto” deste ano, “outro barco foi parar à praia por rompimento das poitas, e nesse dia não havia vento”, portanto, conclui que com bom tempo ou mau tempo, as instalações das poitas no Portinho da Arrábida é deficiente”.
Perante o que aconteceu no dia do vendaval, responsabiliza tanto a Câmara de Setúbal como a ABS, pela “ruptura das amarrações a bombordo e estibordo da poita 41, à qual estava amarrado o Vallnord, tendo deixado à deriva a minha embarcação, até embater nas rochas e aí ficar”. No caso do barqueiro da Vela Passeios, empresa que tem a missão de assegurar o vai-vem de pessoas entre as embarcações e terra, considera que poderia ter agido de melhor forma.

Foca Paulo de Matos, que a ABS foi “negligente por não emitir qualquer aviso”, sobre a intempérie, de modo a que “pudéssemos deslocar e salvar a embarcação de ser arrastada e prevenir que outros acidentes mais graves pudessem acontecer”, os quais “poderiam envolver o risco de pessoas ou danos ambientais pela libertação de gasolina das embarcações”´. À Câmara de Setúbal e também à ABS, aponta a responsabilidade das “poitas terem rebentado, e ao barqueiro, da Vela Passeios”, por não ter “avisado” das esperadas condições de mar para que “fosse feito o transfere da embarcação”.

- PUB -

Perante estas acuações, e sobre se a autarquia tem seguro e se assume responsabilidades nestes acidentes, a Câmara de Setúbal deu a saber a O SETUBALENSE que “não faz quaisquer comentários”, e a ABS não respondeu às mesmas questões. Já pelo lado da Vela Passeios, o responsável da empresa, Pierre Sousa, diz que os proprietários das embarcações “não se acautelaram” perante à intempérie, e que “o barqueiro nada pode fazer perante o temporal”.

Quanto a matéria de seguros, explica que a sua empresa, responsável pelo vai-vem, “tem o seguro que lhe compete para o transporte de pessoas das embarcações para terra”, pelo que se existir problemas nas poitas ou por intempéries, “não é da nossa responsabilidade”.

Para Pierre Sousa, a questão do seguro “é algo que tem de ser visto entre a Câmara de Setúbal, responsável pelas gestão das amarrações, [o que envolve a ABS por protocolo] e os proprietários das embarcações”.

Com a Vallnord apenas com seguro contra terceiros, Paulo de Matos insiste que o acidente ocorreu “por desgaste dos cabos de amarração”, e sendo a Câmara de Setúbal responsável pela gestão das poitas “tem de assegurar a sua eficiência”. Portanto “tem de accionar o seguro”.

Mas quanto à possibilidade existir um seguro por parte da autarquia para a reparação da sua embarcação, que neste momento tem valor de mercado na ordem dos 60 mil euros, apenas sabe que o processo foi enviado para uma firma de advogados. Isto enquanto o seu barco está “no estaleiro da Setamar a aguardar orçamento para a reparação”.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -