8 Dezembro 2021, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSetúbalPenínsula de Setúbal inserida na região do País que registou mais casos...

Península de Setúbal inserida na região do País que registou mais casos de hepatite A

Dados da Direcção-Geral da Saúde revelam que a região de Lisboa e Vale do Tejo registou 70% dos casos. Maioria dos infectados são homens (87%). Relações sexuais apontadas como principal causa de contágio

A região de Lisboa e Vale do Tejo, onde se integram os nove municípios que compõem a península de Setúbal, registou a esmagadora maioria (70%) de casos notificados de hepatite A no País desde o início deste ano.

- PUB -

Segundo o mais recente balanço divulgado esta quinta-feira pela Direcção-Geral da Saúde (DGS), Portugal tem 471 casos confirmados de hepatite A, num total de 493 notificados, desde 1 de Janeiro de 2017, o que significa que cerca de 345 dos casos notificados foram registados na região de Lisboa e Vale do Tejo.

De acordo com os dados da DGS, disponíveis no ‘site’ daquela entidade, dos 493 casos notificados, a grande maioria (87%) diz respeito a homens e em mais de metade (52%) o contágio deu-se por contacto sexual, tendo em 26% dos casos a doença “sido adquirida por via desconhecida”.

Há um mês, Portugal tinha 435 casos confirmados de hepatite A, num total de 454 notificados desde o início deste ano.

- PUB -

A DGS, tendo em conta o surto de hepatite A, reforçou da vacinação antes dos grandes festivais de Verão e aconselhou a adopção de medidas de prevenção durante estes eventos e, após, a vigilância de sintomas compatíveis com os da hepatite A. Em Maio, a DGS actualizou a norma sobre a hepatite A e os viajantes deixaram de precisar de submeter o pedido de vacinação à referida entidade, bastando ter a prescrição do médico. Em Abril, com o País em pleno surto de hepatite A, os viajantes com destino a países endémicos para a doença só eram elegíveis para vacinação a título excepcional e o médico prescritor da vacina tinha de contactar previamente a autoridade de saúde.

Esta medida prendeu-se, na altura, com uma necessidade de controlar o ‘stock’ de vacinas, de modo a que chegassem aos grupos prioritários, como contactos íntimos ou familiares de infectados e homens que têm sexo com homens de forma desprotegida. No que respeita a estes grupos prioritários continua a não ser necessária qualquer validação da vacina por parte da DGS, sendo a imunização gratuita, a cargo do Serviço Nacional de Saúde.

Segundo a DGS, desde 3 de Abril foram administradas cerca de três mil vacinas, das quais 80% na região de Lisboa e Vale do Tejo, a quase totalidade em contexto de pré-exposição.

- PUB -

A hepatite A é, geralmente, benigna e a letalidade é inferior 0,6% dos casos. A gravidade da doença aumenta com a idade, a infecção não se torna crónica e dá imunidade para o resto da vida.

DIÁRIO DA REGIÃO com Lusa

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Águas de Moura subiu ao segundo lugar da tabela classificativa

Dos três da frente ninguém conseguiu ganhar e quem tirou partido disso foi a equipa orientada por Gonçalo Cruz que é agora vice-líder da competição.
- PUB -