2 Dezembro 2021, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalJorge Gama: "A meta da Global Brands Solutions para os próximos três...

Jorge Gama: “A meta da Global Brands Solutions para os próximos três anos é a diversificação”

Jorge Gama, sócio e responsável comercial da empresa, sediada no Distrito há dois anos, aponta as razões para um trajecto de crescimento

 

- PUB -

A empresa Global Brands Solutions (GBSO) , sediada no Seixal, passou a figurar no ranking das maiores empresas do distrito de Setúbal com uma entrada directa para o top 400.

“Obviamente que nos deixa orgulhosos, pese embora um ranking não passar disso mesmo”, reagiu a O SETUBALENSE Jorge Gama, sócio e responsável pela área comercial da empresa.

“O que realmente nos motiva, é a evolução da empresa no seu sector, a sua solidez, e claro, acima de tudo o bem-estar de todos os colaboradores. Os motivos são vários, empenho, objectividade e capacidade de adaptação aos desafios. Vivemos na empresa um sentimento constante de inconformismo, queremos sempre ser melhores e acreditamos sempre que podemos ir mais além”, acrescenta.

- PUB -

No mercado desde 2014, e em Setúbal desde 2019, os números falam por si. A GBSO representa, actualmente 14 empresas estrangeiras em exclusividade, 24 marcas e gere mais de 900 produtos.

Representa marcas estrangeiras em 13 categorias na área da beleza e bem-estar. Em 2017 lançou a sua própria marca de higiene corporal, a Soft&Co.

A marca 100% produzida em Portugal, já ganhou, entretanto, o prémio de Produto do Ano como melhor de linha de corpo vegan. Com estes dados, Jorge Gama frisa que os objectivos traçados de início estão plenamente cumpridos.

- PUB -

“A GBSO tornou-se, efectivamente, naquilo que era o nosso objectivo na sua criação: uma empresa reconhecida no sector e empenhada em ser vista como um exemplo de boas práticas, sólida e capaz de abraçar os projectos e desafios que nos aparecem. Conseguimos atingir uma posição bem consolidada, o que contribui também para outra capacidade de inovação e desenvolvimento”.

O que diferencia a GBSO dos restantes players?

Mais do que nos diferenciarmos dos nossos concorrentes estamos sobretudo focados em nós e no nosso trabalho. A diferenciação, se surgir, será consequência das estratégias implementadas a nível comercial, marketing e inovação. A base da nossa organização é sobretudo a transparência e o foco nos objectivos traçados. Com a criação da nossa marca Soft&Co, iniciámos um novo caminho, e está para breve uma nova área de negócio distinta da que tem sido a nossa actividade central até agora. Não nos vamos afastar, evidentemente, do que nos trouxe até aqui, pois esse é o nosso ADN, mas a diversificação do negócio é uma das metas para os próximos três anos.

Em que ponto de desenvolvimento e implantação está a linha de produtos Soft&Co?

A marca Soft&Co é um enorme sucesso! Resulta de uma adaptação perfeita aos gostos e necessidades dos consumidores portugueses, e é a demonstração de que os portugueses cada vez mais consomem produtos nacionais. A aposta foi na seriedade, na medida em que os produtos da gama, sem excepção, têm todos elevados parâmetros de qualidade. Todos os produtos são produzidos em Portugal e desde que a marca foi lançada, já foi duas vezes galardoada com prémios do sector e cresce a dois dígitos, anos após ano, sendo que o futuro é risonho. Temos vários projectos para a marca a serem desenvolvidos, com lançamento previsto em 2022.

A GBSO apostou recentemente na região de Setúbal. O que motivou esta mudança?

A decisão pela deslocalização da empresa para o distrito de Setúbal teve vários motivos. A zona industrial onde nos encontramos está bem servida de acessos, a proximidade ao que, tudo indica, será o futuro aeroporto de Lisboa também teve o seu peso. Contudo, a relação qualidade/ custo foi a principal razão, sendo que, de resto, creio que a região tem ainda um longo caminho a percorrer. Estamos aqui há dois anos e nunca fomos contactados em termos de serviços públicos. Creio que as empresas devem ter uma comunicação mais próxima com o poder local de forma a dar a conhecer a sua sensibilidade para o que se pode e deve melhorar.

É um mercado ainda com muito por explorar?

A região tem obviamente um enorme potencial de crescimento. Pode tornar-se numa zona de forte captação de empresas, porém, muita coisa tem que mudar sendo que os municípios têm de perceber as necessidades das empresas. Não se podem continuar a criar zonas industriais com pracetas, e ruas estreitas onde não se manobra um camião como acontece, por exemplo, na zona onde estamos. Isso não faz sentido e não é possível. Outro exemplo: não se pode limitar, numa zona industrial, a altura de construção de um armazém como acontece onde estamos. Os armazéns na nossa zona industrial não podem ter mais de 7 metros de altura, sem se perceber bem a razão. Para termos uma ideia; se pudermos ter 9 metros (e metros a mais) estamos a falar de mais 20% adicionais de capacidade de armazenagem. Este facto, para uma empresa como a nossa, que precisa de capacidade de armazenagem é fundamental. Estes são alguns exemplos práticos e básicos de constrangimentos com impacto numa decisão de localização de uma empresa como a nossa pois influenciam a competitividade das empresas.

Ser uma referência no sector da cosmética e beleza é o vosso objectivo?

Podemos afirmar com convicção que esse objectivo já foi alcançado, agora pretendemos manter-nos como referência, e muitas vezes é mais difícil manter-nos como referência do que chegar a este nível. A GBSO opera num sector altamente competitivo e exigente, compete em mercados de FMCG (Fast Moving Consummer Goods) e muitos dos nossos concorrentes são as grandes multinacionais de referência, olhamos para isso com inspiração e fonte de injecção motivacional e essa é a melhor e única maneira de evoluirmos. Não temos as mesmas armas que esses concorrentes, mas temos algumas que eles não têm, temos que trabalhar a dobrar, sermos mais rápidos, trabalhar cada vez melhor, sermos mais ágeis e camaleónicos.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -