29 Setembro 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSeixalSupressão dos transportes fluviais no Tejo leva a pedido de “reunião urgente”

Supressão dos transportes fluviais no Tejo leva a pedido de “reunião urgente”

Sindicatos, autarquias e comissões de utentes anunciaram que vão solicitar uma reunião urgente para discutir as supressões de carreiras nas empresas Transtejo e Soflusa, responsáveis pelas ligações fluviais no rio Tejo.

“A supressão de cinco carreiras na Soflusa leva à degradação da oferta do serviço público de transporte fluvial para os utentes no Barreiro, em conjunto com as avarias registadas em embarcações da Transtejo e que levou à supressão de várias carreiras para os utentes do Montijo e do Seixal”, referem várias entidades num comunicado conjunto.

- PUB -

Acrescentando que estas situações “põem em causa o serviço público de transporte fluvial e reforça as reivindicações apresentadas pelas organizações representativas dos trabalhadores e comissões de utentes, quando afirmaram que o 2º semestre iria trazer problemas tortuosos para a utilização do transporte público”.

A União Sindicatos de Setúbal, a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (Fectrans), o Sindicato dos Fluviais, o Sindicato da Marinha Mercante, o Sindicato dos Ferroviários, a Comissão de Utentes da Margem Sul e Cais do Seixalinho e as Câmaras Municipais de Almada, Barreiro e Seixal são os assinantes deste comunicado.

Que pedem que o Ministério do Ambiente e a administração das empresas tomem medidas, nomeadamente, uma recomposição dos quadros das empresas, a reconstrução dos serviços de manutenção e a adopção urgente de um plano de modernização da frota da Transtejo e Soflusa.

- PUB -

A Transtejo é a empresa responsável pelas ligações do Seixal, Montijo, Cacilhas e Trafaria/Porto Brandão com Lisboa, enquanto a Soflusa faz a ligação entre o Barreiro e Lisboa.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Autoeuropa com legionella não pára produção nem avisa trabalhadores

Empresa diz que nenhuma pessoa foi infectada e que está a cumprir a lei

“Reunião” dos bombeiros acaba à chapada e ao pontapé com a PSP a ser chamada ao quartel [corrigida]

Demissões na direcção culminaram com agressões físicas entre bombeiros, entre directores, e entre bombeiros e dirigentes
- PUB -