9 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalSantiago do CacémFalta de apoio da Direcção-Geral das Artes “pode implicar” fim do ‘Terras...

Falta de apoio da Direcção-Geral das Artes “pode implicar” fim do ‘Terras Sem Sombra’

Candidatura do festival foi aprovada, mas evento não será financiado por “ter sido esgotado o montante disponível”

 

- PUB -

A exclusão do festival de música ‘Terras Sem Sombra’, no Alentejo, dos apoios bienais à programação da Direcção-Geral das Artes (DGArtes) “pode implicar a descontinuidade e, provavelmente, o fim” do evento, disse a directora executiva do mesmo.

A falta de apoio da DGArtes “pode implicar a descontinuidade e, provavelmente, o fim do festival”, privando o Alentejo “da única temporada musical que abrange o território como um todo”, afirmou à agência Lusa a directora executiva do evento, Sara Fonseca.

O festival ‘Terras Sem Sombra’, que é organizado há 18 anos pela associação Pedra Angular, sediada em Santiago do Cacém, viu a candidatura ao Programa de Apoio Sustentado – Programação, na área da Música, para 2023-2024 da DGArtes ser aprovada.

- PUB -

Contudo, o evento, que concilia música com a promoção do património cultural e a salvaguarda da biodiversidade, não será financiado pelo programa por “ter sido esgotado o montante global disponível”, no valor de 4,9 milhões de euros.

“A decisão de considerar o festival ‘Terras Sem Sombra’ elegível, inclusivamente atribuindo-lhe uma pontuação considerável, e depois não o financiar, por falta de verbas, é uma inconsequência grave”, criticou Sara Fonseca.

A directora executiva do evento acrescentou que “não se pode aceitar que as regras do financiamento, nomeadamente quanto a patamares disponíveis, tenham sido alteradas depois de findo o prazo para candidaturas”.

- PUB -

“Esta injustiça precisa de ser resolvida”, reforçou. Para Sara Fonseca, sem o apoio da DGArtes “fica em causa um projecto pelo qual o Alentejo se bateu muitos anos”, com “um nível artístico internacional e reconhecido ao nível europeu”.

Ainda assim, e enquanto espera “pelo desfecho do recurso hierárquico”, a Pedra Angular continua a trabalhar “com os parceiros, a começar pelos municípios, para encontrar alternativas”.

“Para já, verifica-se um atraso considerável”, pois “estava tudo preparado para a apresentação do festival em Portugal, na Áustria e em Espanha”, revelou Sara Fonseca. A directora executiva do festival disse ainda que, “num sector, como o da música, em que é tudo planeado com antecedência e rigor, a incerteza agora lançada, a partir de Lisboa, constitui um descalabro e penaliza fortemente” a região.

Sara Fonseca criticou igualmente o facto de o Alentejo não ter nenhum projecto de música apoiado pela DGArtes no próximo biénio. “O Alentejo é, mais uma vez, escorraçado, agravando-se o fosso entre a nossa região e os territórios mais favorecidos. Será que temos portugueses de primeira e de segunda?”, questionou.

A responsável pelo ‘Terras Sem Sombra’ concluiu que “esta discriminação negativa do acesso a uma programação qualificada, repartida por mais de 20 concelhos, representa um entrave ao próprio desenvolvimento da região”.

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, rejeitou, na quarta-feira, numa audição parlamentar, um aumento de financiamento dos apoios sustentados às artes só para responder à contestação do sector, mas admitiu discutir o modelo dos próximos concursos.

Quando abriram as candidaturas aos apoios sustentados, em Maio de 2022, os seis concursos tinham um montante global de 81,3 milhões de euros. Em Setembro, o ministro da Cultura anunciou que esse valor aumentaria para 148 milhões de euros, mas esse reforço teve maior relevância na modalidade quadrienal.

Em Novembro, quando a DGArtes começou a divulgar os resultados provisórios, surgiu a contestação do sector, por haver uma assimetria entre as modalidades quadrienal e bienal e porque foram excluídas candidaturas consideradas elegíveis.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Estação de combustível da Repsol assaltada esta tarde em Setúbal

Indivíduo fugiu com o dinheiro da caixa. Ameaçou os funcionários com uma faca. Já são três os assaltos registados nos últimos quatro dias

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Café na baixa de Setúbal assaltado esta manhã

Crime decorreu por volta das 10h30, com a proprietária a pedir ajuda a comerciantes e pessoas que transitavam perto do local
- PUB -