20 Maio 2022, Sexta-feira
- PUB -
InícioLocalPalmelaAutoeuropa propõe rescisões a trabalhadores e vai desenvolver componentes para sucessor do...

Autoeuropa propõe rescisões a trabalhadores e vai desenvolver componentes para sucessor do “Pão de Forma”

A fábrica de Palmela quer reduzir o número de funcionários até 2023, face a quebras de produção registadas. À margem deste plano, anunciou a participação no furgão eléctrico que vai ser construído em Hannover, Alemanha

 

- PUB -

A quebra de produção de veículos, estimada em 53 mil unidades abaixo do total alcançado em 2021, levou a Autoeuropa a propor um plano de rescisões voluntárias aos trabalhadores. A expectativa da fábrica de Palmela é reduzir cerca de 900 postos de trabalho até 2023.

A notícia foi avançada esta sexta-feira por o Eco, que adianta que a medida da maior exportadora do Distrito de Setúbal – e uma das maiores de Portugal – começou a ser proposta aos trabalhadores em Novembro passado, tendo também em consideração o previsível final da produção do modelo Sharan ainda no decorrer de 2022.

De acordo com a mesma publicação, o plano de rescisões contempla uma indemnização correspondente a um salário e meio por cada ano de trabalho, com tecto máximo de 10 anos. Mas para os trabalhadores com 55 ou mais anos existe, além desta, uma outra possibilidade programada: optar por uma redução de 50% do trabalho semanal, trabalhar a tempo parcial em conjugação com outro trabalhador ou ainda passar a trabalhar apenas dois ou três dias por semana, sofrendo um corte de 40% no salário.

- PUB -

O SETUBALENSE tentou o contacto telefónico e enviou um conjunto de questões à empresa, mas até ao momento não obteve resposta.

A produção na fábrica de Palmela tem estado parada aos fins-de-semana, situação que deve prolongar-se até Março.

Participação no sucessor do furgão “Pão de Forma”

- PUB -

À margem desta situação, a Autoeuropa anunciou que vai participar no desenvolvimento de alguns componentes do novo furgão eléctrico da Volkswagen, sucessor do conhecido como “Pão de Forma”, que será construído em Hannover, na Alemanha.

“ID. Buzz, a lenda retorna com cunho português”, é o slogan escolhido pela Autoeuropa no comunicado em que anuncia a participação da fábrica de Palmela no desenvolvimento de alguns componentes do novo veículo eléctrico, sucessor do furgão lançado nos anos 50 do século passado.

Segundo a fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela, “a unidade de negócio de cunhos e cortantes da Volkswagen Autoeuropa faz parte do conjunto de parceiros que contribuiu para a finalização de ferramentas que irão dar origem à carroçaria do ID. Buzz”.

“Esta unidade realizou trabalhos de ajuste e testes aos conjuntos de ferramentas novos que foram construídos pela Skoda e que foram enviados para Hannover, onde as peças serão estampadas e onde o ID. Buzz será construído”, explica a empresa do grupo alemão Volkswagen.

“Do conjunto de 12 ferramentas, a unidade de cunhos e cortantes realizou o ajuste completo a seis que irão dar origem às laterais exteriores esquerda e direita do modelo ID. Buzz (três para cada um dos lados e que têm a função de corte e calibração), as maiores com que a equipa da Volkswagen Autoeuropa já trabalhou”, adianta a empresa.

De acordo com o director de produção e responsável pela unidade de cunhos e cortantes, João Melo, citado no comunicado da Autoeuropa, “o projecto é particularmente importante, não só pela dimensão da peça e das ferramentas, mas também por ser o primeiro em colaboração com a Skoda”.

Com Lusa

Comentários

- PUB -

Mais populares

Dez dias de música em vários palcos da cidade de Setúbal com os melhores sons e vozes

O festival arranca com Pedro Abrunhosa, atravessa vários artistas e termina com Cuca Roseta

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Igor Khashin e Yulia Khashina: “O nosso trabalho de 20 anos foi destruído num dia”

Casal russo que está no centro da polémica com o acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal responde a todas as perguntas
- PUB -