5 Dezembro 2021, Domingo
- PUB -
InícioLocalPalmela“Festival do Queijo, Pão e Vinho também pode realizar-se mas as ovelhas...

“Festival do Queijo, Pão e Vinho também pode realizar-se mas as ovelhas é que mandam nisto”

Francisco Macheta, presidente da ARCOLSA, lembra que tudo depende dos ovinos. Para já, o mercado é solução para escoar produtos

 

- PUB -

 

Os melhores produtos e doçaria regionais vão poder ser adquiridos e degustados, nos dias 27 e 28 de Junho e 4 e 5 de Julho, no Mercado do Queijo, Pão e Vinho, em S. Gonçalo, Quinta do Anjo. A iniciativa tem o objectivo de apoiar os produtores, mas não inviabiliza a realização do festival anual da especialidade, que pode vir a acontecer ainda este ano, se os ovinos deixarem.

“A 26.a edição do Festival do Queijo, Pão e Vinho poderá realizar-se em Outubro. Mas aí temos outro problema: não deverá haver tanto queijo. As ovelhas é que mandam nisto”, afirma Francisco Macheta, 48 anos, que preside à Associação Regional de Criadores de Ovinos Leiteiros da Serra da Arrábida (ARCOLSA), entidade responsável pela organização de ambos os certames, com o apoio da Câmara de Palmela e da Junta de Freguesia da Quinta do Anjo. “Ao contrário das outras actividades, estes eventos dependem do leite da ovelha e a produção de queijo ocorre na Primavera, sendo que o processo decorre entre Fevereiro e Junho, período quando há queijos. Em Outubro dependerá da existência de produtos, já que nessa altura costuma haver ruptura do stock de queijos”, explica o responsável que leva 22 anos de ligação à associação, os últimos três como presidente.

- PUB -

Luís Calha, vereador com o pelouro dos mercados e feiras, confirma que “está em cima da mesa a realização do festival em Outubro ou Novembro, caso as condições o permitam”.

Mas para já vem aí o Mercado do Queijo , Pão e Vinho. “Não vamos ter restauração nem espectáculos, daí o certame funcionar como mercado e não como festival”, sublinha Francisco Macheta, apontando o objectivo principal desta iniciativa: “Dar escoamento aos produtos. Tivemos de continuar a produzir por razões sanitárias, de saúde animal, só que não se conseguiu vender”.

Já Luís Calha reforça que esta solução “visa proteger e apoiar sectores de referência, de grande qualidade, pérolas da região” e revela que a iniciativa nasceu na sequência de “um diagnóstico sobre o tecido empresarial” feito pelo município. “Este sector foi também contactado, para percebermos as dificuldades e podermos ajudar. Face a este período difícil e à necessidade de escoar produtos, decidimos em conjunto avançar neste formato que não contará com exposição de animais, tendas de gastronomia e animação cultural.”

- PUB -

Medidas de segurança e produtores

Este Mercado do Queijo, Pão e Vinho, com entradas livres, vai juntar “25 a 30 produtores” divididos entre o pavilhão da ARCOLSA e o espaço exterior”, avança o presidente da ARCOLSA, admitindo que houve necessidade de reduzir o número de expositores.
No interior das instalações, Francisco Macheta estima que possam permanecer em simultâneo “cerca de 400 pessoas”, já que o pavilhão que tem à volta de “150 metros de comprimento por 20 e tal de largura”. Ou seja, a lotação do espaço “é reduzida em 50%, por normas de segurança”.

As entradas vão fazer-se por “um corredor central, depois há o acesso ao expositor e um acesso lateral onde se fazem as compras”, faz notar o responsável. As saídas vão fazer-se “por dois corredores, de forma a evitar que as pessoas se cruzem”.

Tudo acautelado ao ínfimo pormenor, sob o olhar atento do município, garante Luís Calha. “Queremos que as pessoas se sintam em segurança para encontrar os melhores produtos e vamos ter grande atenção com o cumprimento integral de todas as orientações da Direcção-Geral da Saúde. Não iremos facilitar um milímetro”, vinca o autarca.

Tal como sucede habitualmente no Festival do Queijo , Pão e Vinho, o mercado vai também ter “um espaço com mesas, separadas por cinco a seis metros, para que os visitantes possam consumir na hora os produtos que adquirirem”, acrescenta Francisco Macheta, revelando ainda que o sector “teve uma quebra de 50% nas vendas este ano”, quando a facturação de 2019 ascendeu “a cinco milhões de euros”.

Por isso deixa um apelo : “Comprar queijo de Azeitão é ajudar a alimentar as nossas ovelhas.”

Entre os principais produtores vão participar neste mercado: Fernando & Simões (Queijaria Artesanal), Victor Fernandes (Queijaria Artesanal), Queijaria da São e JD Setúbal (Queijos Santiago); no sector dos vinhos estão garantidas as presenças de Sivipa, Casa Venâncio Costa Lima, Casa Agrícola Horácio Simões, a Assis Lobo e a Fernando Pó Adega.

Município com acções na forja para proteger economia local

Agarrar “todas as oportunidades possíveis para proteger a economia e ajudar os produtores locais” é uma das principais preocupações do município de Palmela nesta fase. E na forja, anuncia o vereador Luís Calha, estão outras acções.

“O município integra a Rede Europe Enterprise Network e nesse âmbito tem estado a trabalhar com os produtores para encontrar formas de comercializar os produtos a nível nacional e internacional”, observa o autarca, adiantando uma das acções em curso. “Estamos a trabalhar para construir uma iniciativa de escoamento de vinhos em Fernando Pó, já que a habitual mostra não se realizou. À semelhança do Mercado do Queijo, Pão e Vinho”.

Paralelamente, desvendou ainda que a autarquia prepara-se para lançar dentro de um mês “uma grande campanha de marketing”, para destacar os produtos do território.
“Permitirá que os turistas venham visitar o território e desfrutar em segurança dos nossos produtos, nos domínios da Natureza, Ambiente, Património Cultural e Gastronomia”. “Estamos empenhados na retoma da actividade turística em parceria com todos os agentes económicos do sector”, concluiu.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
- PUB -

Mais populares

Tribunal reconhece direito de retenção de casas a famílias de Azeitão após falência de cooperativa

Decisão reconhece que famílias têm os seus créditos "garantidos" e "reconhecidos" pelos montantes que já pagaram, e que, como “consumidores” e por "tradição", têm...

Caso de gripe das aves detectado em Palmela

A DGAV lembrou que não existem evidências de que a gripe aviária seja transmitida para os humanos através do consumo de alimentos, como carne de aves de capoeira ou ovos

Novas máquinas permitem emitir ou carregar cartão Navegante em apenas “um minuto”

Para já, encontra-se disponível um equipamento em cada um dos nove concelhos do Distrito que integram a AML   Os passes de transportes públicos Navegante podem...
- PUB -