1 Fevereiro 2023, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalOdemiraICNF detecta quase 100 infracções em explorações agrícolas

ICNF detecta quase 100 infracções em explorações agrícolas

Foi realizada uma acção de fiscalização de “grande dimensão” em 110 explorações agrícolas em Odemira, Aljezur e Sines

 

- PUB -

Quase 100 infracções foram detectadas pelo Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) na “acção musculada” efectuada, nos últimos dias, em 110 explorações agrícolas em Odemira, Aljezur e Sines, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o ICNF divulgou ter realizado “uma acção de fiscalização de grande dimensão” na área do Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina (PNSACV), a qual arrancou na terça-feira e terminou hoje.

A operação abrangeu 110 explorações agrícolas situadas na área do PNSACV, nos concelhos de Odemira, no distrito de Beja, Aljezur, no distrito de Faro, e Sines, no distrito de Setúbal, precisou à agência Lusa fonte do ICNF.

- PUB -

Da acção, “resultaram 82 participações, 12 autos de notícia e uma apreensão”, acrescentou o organismo, no comunicado divulgado.

Contactado pela agência Lusa, o director regional do ICNF no Algarve, Castelão Rodrigues, explicou que a apreensão “foi de uma planta exótica, um tipo de cacto, cuja produção não está autorizada na área do parque natural”.

Contactado pela Lusa, o presidente da AHSA – Associação dos Horticultores, Fruticultores e Floricultores dos Concelhos de Odemira e Aljezur, Luís Mesquita Dias, disse ter conhecimento da operação, mas não saber ainda quais os resultados.

- PUB -

Mas é “sempre favorável a que o território seja inspeccionado, desde que seja de boa-fé e com transparência. O que não queremos é maus exemplos neste território e ficamos satisfeitos quando as várias entidades o fazem correctamente”, acrescentou.

De acordo com o ICNF, entre as quase 100 infracções detectadas, estão incluídos furos e charcas ilegais, agricultura intensiva, vedações ou edificações para cuja edificação não foram pedidos pareceres ao instituto, como era obrigatório.

Estufas fora do perímetro de rega, corte não autorizado de sobreiros (espécie protegida) e resíduos fitofármacos indevidamente acondicionados constam também da lista de infracções, entre outras.

Esta “acção mais musculada” no PNSACV, como a denominou Castelão Rodrigues, envolveu cerca de 100 vigilantes da natureza e 20 técnicos superiores e dirigentes das cinco direcções regionais do ICNF, disse o organismo.

Os alvos foram previamente identificados e a operação visou a verificar o cumprimento das normas legais e regulamentares do Plano de Ordenamento do PNSACV e dissuasão de práticas ilícitas.

Os 12 autos de notícia “seguem directamente para contra-ordenações”, disse Castelão Rodrigues, acrescentando que, no que toca às 82 participações, uma vez que o ICNF não viu a infracção a ser cometida, o processo obedece a outros moldes.

Segundo o director do ICNF no Algarve, a operação abrangeu “explorações agrícolas de pequenos frutos, hortícolas, florícolas, de várias tipologias existentes, incluindo estufas e viveiros de plantas”.

No comunicado, o ICNF divulgou ainda que o Tribunal da Relação de Évora, num acórdão datado desta segunda-feira e “não passível de recurso”, considerou improcedente o recurso da empresa Eurocitros.

O tribunal manteve, assim, “a decisão do ICNF que aplicou uma coima única de 50 mil euros, pela prática de três contra-ordenações ambientais muito graves por violação do Regulamento do Plano de Ordenamento do PNSACV e do Regime Jurídico da Conservação da Natureza e da Biodiversidade”, pode ler-se.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Autoeuropa anuncia unidade 1 milhão do T-Roc que vai rodar noutro continente

Número redondo foi anunciado pela direcção da fábrica de Palmela. Automóvel já tem destino traçado

O sangue e o oxigénio dos Tribunais

Ninguém duvida que os oficiais de justiça são essenciais para a Administração da Justiça.
- PUB -