2 Fevereiro 2023, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalMontijoCâmara do Montijo atribui 11 fogos em regime de renda apoiada

Câmara do Montijo atribui 11 fogos em regime de renda apoiada

Processo contou com 27 reclamações, mas apenas 14 tiveram provimento. Aprovação por unanimidade

 

- PUB -

Onze fogos do parque de habitação social do Montijo vão ser disponibilizados a igual número de famílias em regime de arrendamento apoiado, nos bairros de Caneira, Esteval, Esteval Novo e Lançada. A atribuição das habitações foi aprovada, por unanimidade, pelo executivo municipal na reunião pública descentralizada realizada na última quarta-feira em Alto Estanqueiro, na delegação da junta de freguesia.

O processo ficou definido, depois de terem sido apreciadas “27 reclamações” da lista provisória de candidaturas previamente aprovada, “na sua maioria por dívidas dos candidatos à Câmara”, sendo que dessas “14 tiveram provimento”, explicou Maria Clara Silva, vereadora socialista responsável pelo respectivo pelouro.

Durante a discussão da proposta, o vereador social-democrata João Afonso salientou que o problema da habitação no Montijo “é enorme” e que deveria merecer outra prioridade da parte da autarquia. “Basta olhar para o número de candidatos. É para aqui que o dinheiro tem de ser afecto. Mas as prioridades do PS estão invertidas”, criticou o autarca do PSD, ao mesmo tempo que considerou que a habitação a construir ao abrigo do PRR não estará pronta a tempo de dar resposta “ao problema gigante” que a cidade sentirá dentro “de dois ou três anos”.

- PUB -

“Qualquer discurso no sentido de dizer que as pessoas estão a passar dificuldades é aceite imediatamente por essas pessoas. A isto chama-se populismo. O problema da habitação está a afectar todo o País. Montijo é dos municípios com mais casas de habitação social por habitante na região de Setúbal”, retorquiu Nuno Canta, presidente da Câmara, para lembrar de seguida: “Dos 500 fogos que temos, 20 e às vezes 30 habitações por ano são libertadas e atribuídas de novo a famílias necessitadas”.

E quanto ao número de pessoas que mostraram interesse nos 11 fogos agora atribuídos, o autarca socialista lembrou que se cifrou em mais de cem. Já Joaquim Correia, vereador da CDU, sublinhou que existem problemas no concelho “como em Odemira”, com casas [habitadas]por 20 ou 30 pessoas”. “Se a Câmara não quer olhar para este problema, nós denunciamos”, atirou, com Nuno Canta a responder que a autarquia tem vindo a fazer “várias fiscalizações” e a actuar em conformidade, juntamente com as autoridades competentes.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Novo 10 de portas fechadas após polémica que envolve dívida de 700 mil euros

Empresário apresentou proposta ‘promissora’, que acabou por deixar proprietário do espaço de mãos a abanar

Autoeuropa anuncia unidade 1 milhão do T-Roc que vai rodar noutro continente

Número redondo foi anunciado pela direcção da fábrica de Palmela. Automóvel já tem destino traçado

O sangue e o oxigénio dos Tribunais

Ninguém duvida que os oficiais de justiça são essenciais para a Administração da Justiça.
- PUB -