4 Agosto 2021, Quarta-feira
- PUB -
Início Local Montijo Quentinhas e boas na luta pela sobrevivência

Quentinhas e boas na luta pela sobrevivência

O negócio saltava de terra em terra. A pandemia travou-o. Mas há quem se tenha adaptado para continuar a viver

 

- PUB -

Até à chegada do “bicho”, a gulodice só podia ser satisfeita em festas populares, nas feiras. Agora, quem as quiser quentinhas e boas pode encontrá-las na Praça da República. Todos os dias, em pleno centro da cidade montijense. Vai para um ano, que a rulote “Germano das Farturas” ali está instalada.

Susana Brás, 48 anos, e o companheiro, André Pereira, 37, tiveram de adaptar o negócio à realidade dos novos tempos para sobreviverem.

“Pedimos ajuda à Câmara, face à situação que todos estamos a viver. Fizemos um requerimento para podermos estar aqui e trabalharmos alguma coisa. Para não estarmos parados porque este é o nosso meio de sobrevivência. Estamos aqui desde Agosto do ano passado”, diz Susana, que leva “33 anos” de ligação à arte de fazer “farturas à Montijo” e que assegurou a continuidade do negócio após o falecimento de quem deu nome e fama à “casa”.

- PUB -

“Trabalhei anos com o senhor Germano e ele deixou-me isto. O que ele deixou foi o que a gente continuou”, conta.

Hoje, a labuta apenas vai dando para os gastos. “O negócio está muito fraquinho, muito difícil”, lamenta Susana. Por esta altura, lembra sobre um horizonte não muito longínquo mas que pesa como uma eternidade, “era andar com a rulote nas feiras”. “Com a barraca às costas, como se costuma dizer”, junta André Pereira, que começou há três anos a dedicar-se ao negócio ao lado da mulher. Abrangiam então, além de Montijo, territórios nas redondezas. “Samouco, Alcochete, Santo António, Atalaia…”, aponta André. Mas o Germano das Farturas ainda chegou a adoçar bocas a muitos mais quilómetros de distância, interrompe Susana. “Deixámos [de fazer] o Algarve e ficámos só com isto aqui [pelos concelhos limítrofes].”

As vendas, o movimento e o segredo

- PUB -

O número médio de farturas que vendem por dia não está contabilizado. Porém, as contas são possíveis de fazer de outra forma. “A gente faz uma média de três a quatro massas por dia e cada massa tem dois quilos”, indica Susana. Muito pouco quando comparado com a fartura que saía, em períodos homólogos, antes da pandemia. “Antes, oh, nem tem conta! Não tem mesmo!”, exclama Susana. “Não tem porque elas nem eram massas de dois quilos. Antes eram alguidares cheios, de 10 a 12 quilos”, complementa André.

O impacte é grande por força das circunstâncias. E André resume: “O negócio está fraco? Está! Mas tem dado para pagarmos as despesas daqui e as de casa. Para juntar dinheiro, que era o que se conseguia fazer durante as feiras, é que está fora de questão.”

Com “arraiais” assentados na principal praça montijense, notam que o movimento é mais forte “durante os dias de semana”. Mas “só a partir das seis e meia da tarde”, aponta Susana. E a explicação é simples: “As pessoas vêm do trabalho e param aqui. Quando vão jantar, nós aguentamos sempre um bocadinho até mais tarde. Depois, a malta vem beber o café e come uma fartura.” Nos fins-de-semana é que “fraquejou muito”, afirma. “A malta durante o dia vai para a praia. Depois à tarde é que aperta um bocadinho, mas não é aquilo que gente queria”, revela Susana. Ainda assim, confidencia, “sempre vai dando alguma coisa”. “Vai dando para se sobreviver”, reforça André.

Além das farturas, os clientes procuram “os churros, os waffles…”, todavia as preferências recaem mais nas tradicionais farturas. “É o que as pessoas mais procuram”, admite Susana, sobre a saída das iguarias que até “podem ser encomendadas por telefone ou WhatsApp”. Mas não só. “Temos uma página no Facebook onde normalmente as pessoas vão fazer as encomendas ou buscar o contacto telefónico para ligarem”, realça André. E quanto ao segredo das farturas à Montijo? “Não tem. As farturas levam água, sal, farinha e mais nada. O amassar é que conta um bocadinho. A maneira de amassar, antes de ir ao óleo a fritar”, confessa Susana.

De regresso à actualidade do negócio, o casal frisa a concluir que, além da presença na Praça da República, vai levando o sabor dos doces aos mercados de Pinhal Novo e Atalaia. É a luta pela sobrevivência ditada pelo “bicho”, nefasto para a saúde e a economia global.

Farturas adoçam a boca e alegram o coração

Alzinda, que hoje festeja 68 anos, é cliente e amiga. E apreciadora confessa dos doces. Logo, ter farturas à mão de semear em plena Praça da República “é óptimo”, admite.

“É óptimo termos aqui alguma coisa que nos adoce a boca. Queremos comer um docinho, olhe vamos comer uma fartura. Vê-se aqui mais alguma coisa que nos alegre o coração?”, interroga, antes de destacar uma preferência.

“Gosto de tudo e prefiro as farturas. Mas também adoro as bolas, os churros…”, atira, para de seguida elogiar o serviço oferecido pelo casal na rulote “Germano das Farturas”. “Têm muita simpatia, têm sempre um carinho e estão sempre bem-dispostos para os clientes, mesmos que às vezes alguns sejam malcriados. Não posso dizer melhor. Tenho pessoas amigas que também têm a mesma opinião”, vincou, a finalizar.

- PUB -

Mais populares

Chega apresenta candidatos a Setúbal com vontade de fazer história

Cláudio Fonseca, negro e oriundo da Bela Vista, é cabeça-de-lista à Freguesia de São Sebastião. "Prova que no Chega não há racismo"

Moradores na Quinta da Amizade contestam fogos municipais, mas vereador Carlos Rabaçal promete valorização

Na calha pode estar a construção de 268 fogos. Os residentes temem densidade populacional e perderem conforto   Os moradores na Quinta da Amizade, na freguesia...

Península de Setúbal com mais 29 mil pessoas e Litoral Alentejano perde pouco em dez anos

Censos de 2021 indicam que Palmela é o concelho da península que registou maior aumento da população residente. Odemira é o que mais cresce...
- PUB -