30 Novembro 2021, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalMontijoAdega de Pegões cresce 10% em vendas e soma 200 prémios até...

Adega de Pegões cresce 10% em vendas e soma 200 prémios até agora

Crescimento regista-se no mercado nacional e internacional, com os mercados maduros à cabeça e alguns países emergentes a querer provar os néctares da região. Por cá, a vindima deverá terminar mais cedo, com qualidade garantida

 

- PUB -

A Cooperativa Agrícola Santo Isidro de Pegões, sediada no concelho do Montijo, na Península de Setúbal, registou um crescimento global de facturação de cerca de 10% até agora, no que respeita ao primeiro semestre do ano, e está próxima de bater um novo recorde de prémios, tendo já conquistado 200, o equivalente ao total conseguido em todo o ano de 2016. Os resultados foram comunicados pelo enólogo e gerente Jaime Quendera ao DIÁRIO DA REGIÃO.

O referido crescimento nas vendas, referente tanto ao mercado interno como ao mercado externo, tem sido especialmente alavancado pelas exportações para países na Europa, Ásia e América do Norte, onde se localizam os 40 mercados onde a Adega de Pegões está presente com os seus vinhos feitos no Montijo. Entretanto, outros têm vindo a destacar-se como países emergentes, caso do Vietname, Uruguai, Colômbia, Peru e México, revelou Jaime Quendera.

O enólogo da Adega de Pegões garante que este é mais um ano com todas as condições para que a cooperativa se supere em resultados. A avaliar pela vindima, que começou este ano duas semanas mais cedo e tem corrido de feição e leva a adega a perspectivar uma qualidade de vinhos “excepcional”. Esta semana, a adega vai começar a colher as uvas da “casta rainha da região, que é o Castelão, que também já se encontra maduro”.

- PUB -

Entretanto, já foi apanhado 30% da uva prevista na Adega de Pegões – o equivalente a mais de três milhões de quilos de uva –, de “praticamente todas as uvas brancas, desde as Fernão Pires ao Chardonnay, Arinto, Antão Vaz e moscatel de Setúbal para vinho branco”. E a meteorologia até agora tem ajudado a que tudo corra dentro do previsto. “Está a correr tudo bem, porque apesar de o ano ser mau com a seca e os incêndios, na região de Setúbal não é assim tão grave, porque nós temos água e regamos a vinha”, explicou o enólogo.

“Vamos iniciar agora a recolha das castas tintas mais precoces, como é o caso do Aragonez, Merlot e outras castas mais precoces”, acrescentou. A previsão é de que no final do mês, ou mesmo antes, a vindima da Adega de Pegões esteja terminada, antecipando-se ao período em que há perigo de chuva. Jaime Quendera prevê então que a qualidade dos vinhos tintos seja igualmente excelente, apesar de ser relativamente cedo para ter certezas. Em matéria de vinhos tintos, o enólogo adiantou ao DIÁRIO DA REGIÃO que a Adega de Pegões irá lançar no final do ano um novo vinho Merlot (casta francesa).

 

- PUB -

Reforçar aposta na qualidade-preço

“Esperamos ter um ano que certamente ficará na história da região em termos de qualidade”, é esta a expectativa do gerente da cooperativa sediada no Montijo e que mantém como prioridade a garantia de uma excelente relação qualidade-preço dos seus produtos. “A nossa estratégia continua a ser a mesma. Queremos que as pessoas olhem para os nossos vinhos com uma boa compra em relação ao preço-qualidade. A nossa intenção é crescermos, sermos mais fortes e sermos maiores. A Adega de Pegões é uma cooperativa e o objetivo é que todos sejam beneficiados, tanto os consumidores como os sócios”, afirmou Jaime Quendera.

A cooperativa, presidida por Mário Figueiredo e com Maria Helena Oliveira e Carlos Pereira como membros da Direcção, trabalha lado a lado com 90 sócios, possuindo uma área vinícola de 1117 hectares que produzem em média 11.000.000 quilos de uva, com uma média de crescimento de 50 hectares por ano, o que representa 700 toneladas a mais nos anos de plena produção.

Produção essa que tem garantido, ano após ano, uma verdadeira colecção de prémios de âmbito nacional e internacional. Nos primeiros seis meses de 2017 a Adega de Pegões já ganhou 200 prémios – o que ultrapassa o total obtido em todo o ano de 2016 –, em importantes certames como o concurso mundial no Canadá, o Berlin Wine Trophy na Alemanha ou o Challenge International do Vin, em Bordeaux, França.

Para Jaime Quendera, o crescimento da empresa “também se deve ao reconhecimento dos prémios”, uma vez que a Adega de Pegões “acaba por ganhar quase sempre em prova cega”, ao contrário do que aconteceria com a crítica especializada, que não costuma atribuir tão altas premiações a vinhos produzidos por cooperativas.

Fundada em 1958, a Adega de Pegões é hoje o maior produtor da Península de Setúbal e uma das adegas mais premiadas na última década, ombreando com tantos outros produtores da região que, também a nível de prémios internacionais, têm dignificado a produção e cultura do vinho da região e do país. A estratégia da cooperativa continua a ser produzir “bons vinhos” e continuar na senda das medalhas obtidas em todo o mundo, deixando uma marca indelével nos mercados aonde está presente.

[Fancy_Facebook_Comments language="pt_PT"]
André Rosa
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Dirigir o Vitória Futebol Clube no feminino: as mulheres nos actuais órgãos sociais do clube sadino

Sara Ribeiro, Ana Cruz, Dulce Soeiro e Helena Parreira partilham as suas vivências no clube, cujo regresso à I Liga tanto anseiam   Quando questionadas sobre...

António Costa anuncia que Portugal vai pedir à União Europeia que Península de Setúbal passe a ser uma NUT II

O primeiro-ministro diz que a Península de Setúbal está a ser fortemente penalizada por estar integrada na estrutura nominal da AML  

Volkswagen anuncia novo investimento de 500 milhões na Autoeuropa nos próximos cinco anos

Valor vai ser aplicado "em produto, equipamento e infra-estruturas", explicou Alexander Seitz
- PUB -