14 Abril 2024, Domingo
- PUB -
InícioLocalMontijoPopulação de Canha vai lutar para manter o único banco existente

População de Canha vai lutar para manter o único banco existente

A população de Canha, no Montijo, vai lutar contra o encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos (CGD), disse a Associação dos Agricultores do Distrito de Setúbal, referindo que é o único banco existente no local.

A Associação dos Agricultores do Distrito de Setúbal realizou hoje, 20, uma concentração contra o encerramento do balcão da Caixa Geral de Depósitos em Canha junto à instituição bancária, que contou com a presença de várias dezenas de pessoas.

- PUB -

“Já tínhamos feito uma marcha de protesto e realizámos agora esta concentração contra o encerramento do balcão da CGD em Canha. Este é o único banco que existe em Canha e que serve uma população rural e idosa, que está numa zona já desertificada, e que para ir ao banco, sem a CGD, tem que apanhar um dos poucos autocarros existentes e perder quase um dia inteiro”, disse Avelino Antunes, da Associação dos Agricultores do Distrito de Setúbal.

O responsável referiu que a população está unida na luta contra o encerramento do balcão.

“A população não aceita e está unida na luta contra esta decisão. Na marcha de protesto contámos com a presença de mais de 70 viaturas e hoje estiveram aqui cerca de 85 pessoas, num dia de semana. Existe união nesta luta e muito descontentamento”, defendeu.

- PUB -

Os presidentes das juntas de freguesia do distrito de Setúbal afetadas pelo encerramento de agências da Caixa Geral de Depósitos (CGD) vão realizar uma manifestação no dia 27 de abril, junto à sede da instituição bancária.

Avelino Antunes garantiu que a Associação dos Agricultores do Distrito de Setúbal se vai associar a esta manifestação.

“Informámos a população e só hoje tivemos mais de três dezenas de inscritos para participarem na manifestação. Lamentamos que a Câmara do Montijo e a Junta de Freguesia de Canha não participem e nem disponibilizem o autocarro, estão submissas ao governo, mas vamos conseguir levar as pessoas de Canha à manifestação”, afirmou.

- PUB -

Sobre a possível solução de um serviço móvel para a população de Canha, o responsável referiu que seria apenas um remendo.

“Um carro móvel, que não sabemos em que moldes iria funcionar, não resolve o problema, seria apenas um remendo. O que queremos é serviços públicos de qualidade para a população”, concluiu.

A CGD tem previsto encerrar 61 agências, sendo 18 na área da Grande Lisboa, 15 a norte, 15 a sul e nas regiões autónomas e 13 na zona centro, segundo a lista revista divulgada em Março.

O fecho de agências foi negociado com Bruxelas e é uma das contrapartidas acordadas para que a recapitalização da CGD que está a decorrer, num montante superior a 5.000 milhões de euros, não seja considerada ajuda de Estado.

- PUB -

Mais populares

José Mourinho: “Dá-me prazer que as pessoas conheçam as minhas origens”

Técnico sadino em Setúbal para gravar com a Adidas e “mostrar ao mundo” a cidade onde nasceu e cresceu

Sobrevivente de naufrágio chamou por vítimas agarrado a boia

Buscas por desaparecidos em naufrágio em Troia alargadas amanhã

Passeio de barco termina em tragédia com duas mortes confirmadas e dois desaparecidos

Corpos de menino de 13 anos e de um adulto foram resgatados ontem. Dois outros adultos continuam desaparecidos
- PUB -