18 Maio 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroAntiga directora e ex-psicólogo da Rumo em tribunal por maus-tratos a jovens

Antiga directora e ex-psicólogo da Rumo em tribunal por maus-tratos a jovens

Acusações do Ministério Público relatam espancamento a dois rapazes de 15 anos que estavam institucionalizados

 

- PUB -

A antiga directora técnica e o ex-psicólogo da casa de acolhimento de jovens em risco Rumo, no Barreiro, vão responder em tribunal por crimes de maus-tratos infligidos a dois rapazes de 15 anos, institucionalizados nesta casa.

As vítimas foram sujeitas a espancamentos, sovas e insultos ao longo de um ano, entre 2016 e 2017. Num momento em que um dos jovens dirigiu-se à esquadra da PSP para apresentar queixa, foi surpreendido pelos arguidos na esquadra.

Acabou por não apresentar queixa. Viria a ser levado para o mato pelos dois arguidos e, alegadamente, agredido a soco. O Ministério Público descreve vários episódios em que Carla Santos, directora técnica, e Vladimir Pérez, psicólogo, infligiram maus-tratos aos dois rapazes menores, então com 15 anos.

- PUB -

Num dos episódios, em Novembro de 2017, os dois jovens visados portaram-se mal na escola que frequentavam. Quando os arguidos foram informados levaram os rapazes para um quarto para os agredir.

Vladimir, de acordo com a acusação, “desferiu socos com uma luva de boxe nos dois e pontapeou um enquanto estava agachado junto à porta. Ao outro deu um murro no peito. Depois entregou as luvas de boxe aos dois e disse-lhes para lutarem”. Carla Santos, presente naquele momento, incitou à luta entre os dois jovens.

Vladimir é descrito na acusação como o mais activo nas agressões. Um dos jovens foi agredido a murro por ter faltado às aulas e outro foi insultado por não ter tido uma aula de luta olímpica na escola. “Queres luta? Eu dou-te a luta em casa”, terá dito o psicólogo.

- PUB -

Carla Santos é identificada num episódio em que terá esbofeteado um dos jovens quando este disse um palavrão depois de se ter magoado a jogar futebol. Ao Ministério Público (MP), a visada defendeu que estava de férias nesse dia.

Despedidos com justa causa

A denúncia chegou ao MP em Janeiro de 2018 pela direcção da Rumo. Foi uma funcionária da casa que decidiu denunciar o que se passava na casa do Lavradio junto da direcção da cooperativa.

Os dois suspeitos foram suspensos no início de Janeiro de 2018 quando a instituição abriu um inquérito interno, findo em Maio desse ano com o despedimento por justa causa. As conclusões foram remetidas ao MP.

Os arguidos pediram a abertura de instrução perante a acusação, mas o Juiz de Instrução Criminal do Barreiro decidiu pronunciá-los pelos crimes. No requerimento de abertura de instrução de Carla Santos, a sua advogada alertou que “para a descoberta da verdade impõe-se ter em conta a personalidade dos jovens”.

Estes são descritos como tendo “uma natureza pessoal e perfil problemático”, com processos disciplinares e criminais e por isso devia ser “ordenada uma perícia à sua personalidade”.

O juiz considerou que a personalidade dos jovens, conhecida pelo tribunal, e descrita por testemunhas dos arguidos, não foi suficiente para “abalar os fundamentos da acusação quanto à imputação que é feita aos arguidos” e por isso decidiu levar Carla Santos e Vladimir Pérez a tribunal por maus-tratos a menores.

O MP considera que os arguidos agiram com sentimento de impunidade resultante da quase ausência de testemunhas e fazendo-se valer da ascendência e superior força física que tinham sobre as vítimas. Para o MP, os dois molestaram física e psicologicamente as vítimas, com o propósito de atingir a dignidade humana e saúde física e mental.

O MP arquivou um episódio que podia ser considerado crime de injúrias por falta de queixa das vítimas. Em causa estava o momento em que Vladimir Pérez se terá dirigido a duas jovens institucionalizadas e dito: “Isto não é um bordel de vacas onde as vacas fazem o que querem”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Igor Khashin e Yulia Khashina: “O nosso trabalho de 20 anos foi destruído num dia”

Casal russo que está no centro da polémica com o acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal responde a todas as perguntas

“A Judiciária que investigue, não temos nada a esconder”

Igor Khashin e Yulia Khashina falam pela primeira vez após o inicio da polémica

Matias Damásio a abrir com The Gift pelo meio e Dulce Pontes a fechar as Festas de São Pedro

Calendário das três actuações está definido. Depois de dois anos de interregno, a tradição volta a ser o que era
- PUB -