23 Maio 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiro'Moeda do futuro' chega à região

‘Moeda do futuro’ chega à região

Este activo digital é aceite, pelo menos, num espaço da região como forma de pagamento de serviços

 

- PUB -

O investimento em criptomoedas é cada vez mais recorrente e, no Distrito de Setúbal, a moeda digital já marca presença. O SETUBALENSE foi à procura, na região, deste sinal dos “novos tempos”. E encontrou um espaço, no Barreiro, que olha sem desconfiança para aquilo que alguns consideram como moeda do futuro.

Dadas as valorizações ao longo dos últimos anos, já existem ‘sites’ que tornam possível o mapeamento de negócios que aceitam activos digitais com forma de transacção. ‘CoinMap.org’, um dos exemplos, identifica oito espaços na região setubalense que utilizam este recurso como meio de pagamento.

Contudo, a informação não está actualizada, uma vez que sete desses estabelecimentos já não se encontram activos ou deixaram de aceitar a transferência de moedas digitais. Subsiste um: a agência terapêutica Qualia, no Barreiro, onde o casal de terapeutas Cláudia Russo e Bruno Lavos implementou, em 2020, o pagamento de serviços através de criptomoedas.

- PUB -

Mas, mais do que querer inovar, para Bruno Lavos, terapeuta expressivo, tudo se resume a “criar novas relações entre as pessoas e o mundo” e foi a pensar num futuro inclusivo e igualitário que as moedas digitais passaram a fazer parte da lista de métodos de pagamento aceites pela Qualia.

“Pelo sistema do dinheiro há pessoas que são muito ricas e outras que não têm nada”, comenta Bruno Lavos. “Percebemos isso quando alguém nos pede ajuda, mas não tem meio de pagar as sessões, então quisemos encontrar uma forma de melhorar a vida das pessoas que não tinham rendimentos”.

Após um ano a receber um rendimento extra com o investimento em criptomoedas, o casal quis partilhar o que sabia, organizando sessões de esclarecimento junto dos pacientes.

- PUB -

“Ainda não recebemos nenhum pagamento com moedas digitais”, confirma Cláudia Russo. “Mas muitas das pessoas já têm uma carteira digital e chegaram mesmo a tirar o dinheiro do banco por sentirem que está mais seguro guardado na ‘Blockchain’”.

Tecnologia aliada a valores humanitários

Em relação ao acto de pagamento, o terapeuta explica que “é mais simples do que se pensa”. Instalada a aplicação da carteira digital, o valor em euros a pagar pelo utilizador é automaticamente convertido em criptomoedas e, através do ‘QR Code’ gerado no dispositivo da Qualia, o paciente só tem de apontar o telemóvel para que o valor seja transferido.

Recebida a quantia, Cláudia e Bruno têm a opção de ficar com as criptomoedas na sua carteira digital ou converter para euros, mas parte do valor já tem um destino assegurado: uma conta electrónica para a filha de dois anos que terá um futuro “muito mais digital”.

“É como uma conta poupança, mas em criptomoedas”, afirma a psicoterapeuta. “A diferença é que o dinheiro não sofre cortes por parte de instituições. Está ali como o deixámos”.

Das 10 700 criptomoedas existentes, não é em vão que a Qualia aceite somente uma em específico. ‘Cardano ADA’, uma das maiores moedas digitais do mundo em valor de mercado, está associada a projectos de melhoria da qualidade de vida da população na África Subsariana através da inovação tecnológica no continente.

“Cada criptomoeda tem uma função associada e os valores da ‘Cardano’ contrariam a filosofia degradante do dinheiro. É verdade que a Bitcoin é a moeda mais corrente e talvez seja por isso que ainda não temos transferências, mas aqui na agência só podemos aceitar algo que vá ao encontro do que acreditamos”, conta o investidor.

Embora entenda o receio em investir em algo “que ainda é novidade”, Bruno Lavos ambiciona um futuro transparente e justo que acredita ser apenas atingível longe do sistema financeiro actual. “Corrupção, fraudes, burlas, isso não existe no mundo das criptomoedas. É tudo o mais transparente e imparcial que existe”, conclui.

Moedas digitais O que são e como funcionam

O que para muitos não passa de uma dor de cabeça, para outros já se tornou na forma preferencial de pagamento. Apesar de, à semelhança das moedas tradicionais, poderem ser utilizadas em transacções comerciais, as características das criptomoedas diferenciam-nas de qualquer outra moeda.

Além de serem exclusivamente virtuais, as moedas digitais são descentralizadas, o que significa que não estão dependentes de uma entidade reguladora para verificar e aprovar as transacções.

Neste sentido, o custo de transacção é zero, pois ao não existir um intermediário a interferir, não são aplicadas taxas às criptomoedas. A transparência é uma das características mais apreciadas pelos utilizadores de moedas virtuais, uma vez que a tecnologia ‘Blockchain’ utilizada permite consultar os registos das transacções efectuadas a qualquer hora, em qualquer parte do mundo.

Apesar da adesão cada vez mais recorrente, o investimento em criptomoedas ainda tem uma percentagem de risco associada, sendo que a oscilação do preço destes activos digitais está dependente da própria economia por trás da moeda, o que a torna num investimento especulativo.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Piscina na urbanização dos Fidalguinhos está quase a sair do papel

Obra de 3,5 milhões de euros já tem projecto e concurso pode avançar ainda este ano. Futuro equipamento terá capacidade para cerca de 700...

Cidade perde rede de agentes com chegada da Transportes Metropolitanos de Lisboa

Rede com mais de uma dezena de estabelecimentos, construída pelos TST, desfeita com chegada de nova transportadora, prejudicando utilizadores mais velhos

Jovem sequestrado e violado em casa de banho da estação de comboios de Coina

Rapaz de 16 anos foi abusado por homem de 43. Violador está agora em prisão preventiva
- PUB -