13 Abril 2021, Terça-feira
- PUB -
Início Local Barreiro Rumo assinala quatro décadas com ‘estórias’ nas redes sociais

Rumo assinala quatro décadas com ‘estórias’ nas redes sociais

Instituição recorda inicio de actividade em 1981, com vídeos nas redes sociais

 

- PUB -

A Rumo – Cooperativa de Solidariedade Social, que este ano celebra 40 anos desde a sua data de fundação, apesar do actual contexto de pandemia e de forma a comemorar este momento da história da instituição, continua a assinalar as suas quatro décadas de actividade, nas redes sociais, através da publicação de vídeos que contam “40 anos… de estórias” de forma “simbólica” e que terão continuidade ao longo do presente ano.

“Iniciamos agora esta partilha de testemunhos na primeira pessoa” com “mensagem que assinalam a passagem pela Rumo de alguns/algumas dos que, representam um colectivo de antigos trabalhadores, formandos, utentes, parceiros e amigos da Cooperativa”, refere a instituição, através de um conjunto de ‘estórias’ que ajudam a contar um percurso iniciado em 1981.

Como primeira convidada esteve Manuela Reis, coordenadora do projecto “Formar” ao longo de 25 anos, altura em que integrou também os órgãos sociais da Cooperativa. “Foi com muito orgulho que participei convosco numa etapa de vida do caminho da Rumo, que recordo com muita saudade”, disse. Na altura, a ex-responsável desejou aos membros actuais força, coragem e resiliência, para “a continuação de um bom trabalho visando a defesa e promoção dos direitos individuais e de cidadania activa das pessoas em situação de desvantagem”.

- PUB -

No dia 26, coube a Hélder Martins, da Associação Mellitus Criança desejar os parabéns, tendo o mesmo salientado a importância de a Rumo estar a ajudar quem mais precisa desde há quatro décadas e “a criar rumos na vida das pessoas”. Para o responsável, o seu papel tem sido marcado por um trabalho fundamental na orientação e “encaminhamento de seres humanos que têm os mesmos direitos”, ajudando a “integrá-los na sociedade”.

Hélder Martins destacou o facto da Rumo dar a possibilidade a várias pessoas de “terem um emprego e serem autónomos”, algo que tem conseguido e que considera ser “muito importante”, tendo afirmado ainda que a Associação que representa só tem a agradecer à instituição por “ter acreditado em nós e no nosso projecto, e naquilo que ele representa para muitas famílias em Portugal”. Por este motivo, agradeceu pela força, dedicação e pela motivação que a cooperativa tem conseguido transmitir às pessoas que necessitam do seu apoio.

Esta segunda-feira, foi partilhada uma nova página do livro de “estórias”, com o testemunho da intérprete de Língua Gestual e antiga dirigente da Associação Cultural de Surdos do Barreiro, Rosa Lencastre, que lembrou a parceria que aquela associação teve em tempos com a Rumo para a realização de vários projectos. “Uns anos mais tarde, participei como intérprete de língua gestual em diversas formações”, apoiando os formandos surdos, tanto em sala de aula como na sua apresentação às entidades empregadoras.

- PUB -

“Observei os procedimentos dos diferentes formadores, em diversas situações, a sua paciência, a capacidade de adaptação e forma de reagir”, realçou, tendo destacado que se tratam de “óptimos profissionais, alguns dos quais já reformados”.

Recorde-se que a Rumo, situada no parque empresarial Baía do Tejo, é uma cooperativa sem fins lucrativos que tem como missão “a promoção da inclusão educativa, social e profissional de pessoas em situação de desvantagem”, na perspectiva do Movimento de Emprego Apoiado.

- PUB -

Mais populares

Mercadona confirma supermercado no Montijo igual ao de Setúbal

Marca vai investir milhões de euros nos dois concelhos. Futuras superfícies comerciais vão ter 1 900 metros quadrados de área de venda   A expansão da...

Jovem setubalense morre em acidente de moto

Fábio Silva, conhecido por Pigóita, despistou-se junto ao cruzamento para Aldeia de Irmãos

Bateria da Raposa vai passar para o município para vigiar praias e reforçar combate a incêndios

O entendimento entre a Câmara de Almada e o Estado está a ser traçado para a bateria de costa na Mata Nacional dos Medos passar para a gestão da autarquia. Esta antiga estrutura militar vai ter novo uso estratégico de defesa
- PUB -