29 Fevereiro 2024, Quinta-feira
- PUB -
InícioLocalBarreiroBaía do Tejo reafirma-se como casa de excelência para as artes e...

Baía do Tejo reafirma-se como casa de excelência para as artes e negoceia chegada de novo arquivo

Jornadas Europeias do Património levaram centenas de visitantes ao parque empresarial para apreciar o rosto da arte

 

- PUB -

Em negociações para receber mais um espólio na sua “Cidade dos Arquivos”, a Baía do Tejo reafirma-se como espaço privilegiado “para a cultura e artes”. Segundo Sérgio Saraiva, administrador deste parque empresarial sediado no Barreiro, “as actividades deste território tendem a ser cada vez mais diversificadas, com o objectivo de o tornar um espaço de acolhimento não só para a indústria pura e dura, mas também para as indústrias criativas”.

E, para Sérgio Saraiva, é precisamente esta “diversidade” que permite ter “mais actividade económica na Baía do Tejo”, actualmente com 238 empresas sediadas. Uma dinâmica que permite abrir o território a novos públicos, “que sem esta diversidade não visitariam o espaço”.

Exemplo da nova “reinterpretação do território” é mais um empresário das artes que se pretende fixar na Baía do Tejo. “Alguém que já trabalhava com o artista plástico Vhils e que decidiu também mudar-se para o parque”.

- PUB -

Outros exemplos de diferenciação são a PADA STUDIOS, as apresentações da OUT.RA – Associação Cultural e do Colectivo Sul e Sueste, assim como o Museu Industrial da Baía do Tejo. Um edifício que marcou a última década pela forma como leva o público em viagem ao passado da CUF, “e desde 2010 já recebeu 20 mil visitantes”.

Sérgio Saraiva afirma mesmo que “haverá poucos espaços no país com esta dinâmica, industrial e cultural, a interligar áreas do conhecimento, residências artísticas e arquivos”.
Um papel de cicerone das artes, que a Baía do Tejo voltou a assumir nos dias 25, 26 e 27 de Setembro, enquanto entidade facilitadora de espaços para centenas de artistas exporem as suas obras, no âmbito das Jornadas Europeias do Património.

O desafio da folha A4 no edifício AQUATRO

- PUB -

Frederico Vicente, membro do Colectivo Sul e Sueste que participou nas Jornadas Europeias do Património com a exposição “Quantos ÁQUATRO cabem no ÁQUATRO”, afirma que “a permeabilidade do parque ao mundo artístico torna-o um espaço de excelência”. Local com “todas as condições para empresas das indústrias criativas se fixarem na margem sul do Tejo”.

E foi com esta faceta multidisciplinar que as Jornadas Europeias do Património movimentaram centenas de visitas. Só a mostra do Sul e Sueste, “Quantos ÁQUATRO cabem no ÁQUATRO”, “recebeu 300 pessoas nos dias 26 e 27”, revela Frederico Vicente.
A exposição esteve patente no edifício AQUATRO e representou o desafiou lançado a 100 artistas, para produziram uma obra em formato A4, “confrontando-os com este limite”. O resultado foram “100 peças únicas, algumas da quais foram vendidas por 20,00 Euros”. Outras o colectivo espera “em breve” colocar à venda online.

Momento de simultaneidade foi único

As Jornadas Europeias do Património, que em Portugal foram promovidas pela Direcção-Geral do Património Cultural, foram ainda o momento para mais seis entidades apresentaram a sua produção artística e cultural, em simultâneo, na Baía do Tejo. “Aliás o parque recebe com frequência dinâmicas associadas às artes, mas nunca tinha recebido uma com esta dimensão e simultaneidade”, destaca Sérgio Saraiva.

A PADA STUDIOS apresentou a exposição colectiva de artistas nacionais e internacionais, sobre o tema “O que não temos podemos criar”, numa alusão à mensagem pela qual ficou conhecido Alfredo da Silva, homem da CUF: “o que o país não tem a CUF cria”.

Já pela mão da OUT.RA – Associação Cultural, esteve em apresentação a exposição “Aerossol”, de Joana da Conceição.

E no edifício AQUATRO, além da mostra do Colectivo Sul e Sueste, brilhou a mostra do Instituto Universitário de Lisboa sobre contributos que resultaram da conferência internacional “TUR – Techonopolitics in Urban Regeneration”.

A Ephemera marcou um dos pontos altos das jornadas, com a exposição “Cartazes Políticos, Património da Democracia” e uma tertúlia sobre o mesmo tema com lotação esgotada.

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Grupo distrai funcionários de banco em Palmela e furta dinheiro em caixa

Seis estrangeiros, cinco homens e uma mulher, são procurados pela GNR depois de crime que decorreu pelas 13h30
- PUB -