3 Março 2024, Domingo
- PUB -
InícioLocalAlmadaBloco de Esquerda quer "sarar as feridas da maioria absoluta"

Bloco de Esquerda quer “sarar as feridas da maioria absoluta”

Mariana Mortágua visitou vários pontos da cidade e defendeu a extensão do metro até à Costa da Caparica

 

- PUB -

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, disse esta segunda-feira que o seu partido quer “sarar as feridas da maioria absoluta” socialista, olhar para os problemas e dar soluções.

“A maioria absoluta fechou hospitais e urgências, deixou Portugal numa crise de habitação e foi responsável pelo empobrecimento de uma vasta camada da população que perdeu poder de conta”, frisou Mariana Mortágua em declarações aos jornalistas em Almada.

Questionada sobre a possibilidade de o BE integrar uma nova geringonça, a líder do BE disse que a solução encontrada em 2015 foi boa, mas teve o seu contexto e o seu momento, admitindo contudo poder vir a determinar e a impor soluções tendo força eleitoral para o fazer.

- PUB -

“Vínhamos de um país de direita e de uma troika. Foi essa maioria que permitiu ao país olhar-se com dignidade e recuperar salários e pensões. O momento em que vivemos agora é de saída de uma maioria absoluta socialista que deixou os hospitais num caos, a habitação como uma impossibilidade para a maioria da população e determinou que muita gente que trabalho tenha perdido poder de compra”, disse.

Mariana Mórtagua afirmou ainda que o BE é a garantia de que não haverá uma maioria de direita em Portugal e frisou a importância de agora serem feitas as contas à maioria absoluta socialista.

O candidato à liderança do PS Pedro Nuno Santos disse no domingo em Lisboa que “o que aconteceu em 2015 [a geringonça]” teve todo o seu apoio e que se houver condições para liderar uma maioria assim acontecerá.

- PUB -

Numa crítica aos candidatos à liderança socialista Pedro Nuno Santos e José Luís Carneiro, a líder do BE disse que ambos estão mais preocupados em reivindicar a herança da maioria absoluta do que em discutir os problemas.

“Para encontrar soluções é preciso compreender o que correu mal na maioria absoluta, de que forma degradou os serviços públicos e dificultou a vida das pessoas. O que vejo em vez deste balanço sério é uma disputa pela herança de um Governo que deixou os hospitais numa situação alarmante”, disse.

A coordenadora do Bloco de Esquerda fez hoje uma viagem no Metro Sul do Tejo entre o Pragal e a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, no Monte da Caparica, em defesa do reforço dos transportes públicos.

Em declarações aos jornalistas, Mariana Mortágua defendeu a extensão do metro até à Costa da Caparica, criticando a não concretização dessa promessa por parte do Governo.

“Estamos na estação da universidade que é o fim de linha do metro sul do Tejo, deixando milhares de pessoas sem transporte alternativo. O Governo tinha prometido estender o metro de superfície até Costa da Caparica e essa promessa não foi cumprida”, criticou.

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Pedro Catarino já é goleador-mor dos sadinos na 1.ª Divisão da AF Setúbal

Com cinco golos no Vitória B, avançado do plantel principal volta a ser decisivo
- PUB -