25 Fevereiro 2024, Domingo
- PUB -
InícioLocalHistoriador setubalense lança livro sobre Setúbal no tempo da I Guerra Mundial

Historiador setubalense lança livro sobre Setúbal no tempo da I Guerra Mundial

Em “Setúbal e a Primeira Guerra Mundial”, o jovem historiador Diogo Ferreira mostra qual foi o impacto político, económico e social da I Guerra Mundial (1914-1918) em Setúbal, revelando novos dados importantes para compreender aquele período da 1ª República

 

- PUB -

A obra “Setúbal e a Primeira Guerra Mundial”, resultante da tese de mestrado em História Contemporânea defendida pelo setubalense Diogo Ferreira em 2015, foi lançada publicamente em livro, sábado à tarde no auditório da Escola de Hotelaria e Turismo, como um contributo para se compreender melhor o impacto político, social e económico que Setúbal sofreu durante a I Guerra Mundial (1914-1918), durante o período da 1ª República.

O livro, que vem “contribuir com estudos inéditos obtidos com base em arquivos e documentação que ainda não tinha sido consultada pelos historiadores”, resulta de um ano de investigação académica desenvolvida na Faculdade de Ciências Socias e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, onde Diogo Ferreira se encontra a tirar doutoramento em História Contemporânea e é historiador na respectiva unidade de investigação.

A economia agrícola da região, assente nos vinhos, laranjais e explorações de cortiça também foi severamente afectada, uma dimensão paralela ao sector industrial que Diogo Ferreira resume com especial enfoque na evolução da indústria conserveira. “As necessidades externas de Inglaterra e França para alimentarem as tropas nas trincheiras levaram a um boom na indústria conserveira, que cresceu de cerca de 40 para mais de 120 fábricas, mas ao contrário do que se pensava – que tinha havido um crescimento nas pequenas e médias fábricas e não na exportação – eu apresento a hipótese de que esse crescimento não se verificou na exportação porque a maior parte dela ia por Lisboa e não pelo Porto de Setúbal. É um contributo muito importante para se perceber a verdadeira dimensão do sector conserveiro setubalense no contexto nacional”, explicou o autor.

- PUB -

O impacto da I Guerra Mundial na vida social do dia-a-dia dos setubalenses é o último tópico analisado na obra. Diogo Ferreira lembra que “Setúbal era o terceiro maior concelho do país, depois de Lisboa e Porto, tendo 55 mil habitantes” e as farinhas e cereais, bem como outros alimentos, “não chegavam aos trabalhadores operários”, havendo relatos de fome e crises de subsistência. Um cenário agravado pelas investidas de diversas greves motivadas por uma “solidariedade operária que não se vê nos dias de hoje” e pela gripe pneumónica que assolou o país e matou 672 setubalenses entre Outubro e Dezembro de 1918, no cessar da I Guerra Mundial.

DIOGO FERREIRA. Jovem setubalense é historiador no Instituto de História Contemporânea da FCSH-UNL, em Lisboa

Na apresentação do livro, Maria Fernanda Rollo, docente orientadora da tese de mestrado de Diogo Ferreira e actual Secretária de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, considerou que a obra agora lançada conseguiu trazer “muitas novidades” para “uma leitura mais ampla e fundamentada daquilo que foi o impacto da I Guerra em Portugal e a posição relativa de Setúbal face a outros contextos geográficos”.

Esta é primeira obra a solo do jovem setubalense de 26 anos, que já publicou outras três em co-autoria e que desde a licenciatura em História, tirada em 2013, tem vindo a especializar-se no estudo da história de Setúbal e da região no contexto da I e II Guerras Mundiais. “É uma área de investigação científica que me permite contribuir muito e de forma inovadora”, justificou.

- PUB -

Diogo Ferreira, cuja paixão pela história de Setúbal advém do trabalho de muitos historiadores locais, espera com este livro preservar a memória do município, uma missão que no seu entender cabe também à Câmara Municipal de Setúbal, que custeou parte do livro. A edição é da Estuário e o design da DDLX – Design Comunicação Lisboa, representada no lançamento pelo editor José Teófilo Duarte. Presente esteve também Ricardo Oliveira, vereador da Educação da autarquia.

O livro – que tem na capa a reprodução de uma fotografia de Américo Ribeiro mostrando um comboio na Avenida Luísa Todi, em 1914 – será agora colocado à venda nas principais livrarias independentes da cidade. Contou com o apoio do Gabinete da Juventude e da Divisão de Cultura da câmara municipal, que em 2016 distinguiu Diogo Ferreira como um dos 14 jovens revelação “pelo seu contributo para a investigação na área da História Contemporânea”.

 

Fotografias: Diário da Região
André Rosa
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Menino de sete anos morre após ser baleado em Setúbal

Neto e avó foram atingidos a tiro de caçadeira no Bairro da Bela Vista. Disparo veio de carro em andamento. Alvo seria o pai da criança

Imagens mostram momentos após menino e avó serem baleados no Bairro da Bela Vista (vídeo)

Homem é visto a empunhar uma caçadeira correndo em várias direcções até que entra numa viatura que sai depois do local

Suspeito de morte de menino em Setúbal será tio da criança

Homem está identificado pelas autoridades e colocou-se em fuga. Disparo de caçadeira terá sido feito para assustar rival
- PUB -