1 Março 2024, Sexta-feira
- PUB -
InícioEdição 1000Especial 165 AnosCarnaval de Sines desfila desde que meninas organizavam récitas a favor dos...

Carnaval de Sines desfila desde que meninas organizavam récitas a favor dos pobres

Para Rui Encarnação, presidente da Associação do Carnaval de Sines, a festa sineense distingue-se pela tradição e proximidade ao público, que também é parte do desfile

 

- PUB -

O Entrudo é uma festa de raízes pagãs celebrada em todo o país. A partir do século XIX, o Carnaval ganha um tom mais polido, ao ser apropriado pela burguesia em ascensão na Europa e em Portugal. Os bailes de máscaras, as récitas e os cortejos tornam-se momentos de requinte. O carnaval da cidade francesa de Nice, com os seus corsos, batalhas de flores e carros alegóricos impõe-se em vários locais, incluindo em Sines, e é assim que tudo começa.

Sines é hoje uma das cidades portuguesas com maior tradição carnavalesca. De acordo com a Câmara Municipal, “o Jornal de Sines, em 1901, refere-se a récitas organizadas por um grupo de meninas para obter receitas para os ‘pobres de Sines’, mas também a máscaras criticadas pelo seu ‘aborrecimento’. Nesta altura, o Carnaval tinha já bailes e declamações de poesia. Mais tarde, em 1926, A Folha de Sines, o jornal local da época, anunciava “A Grande Festa Carnavalesca”, com elementos que o Carnaval de Sines mantém até hoje. A partir dos anos 50/60, o Carnaval torna-se uma festa comunitária que traz gente de outros concelhos. Nas ruas do centro histórico desfilavam carros alegóricos, elaborados pelos moradores e decorados com flores e outros elementos em papel, e muitos mascarados.

Do centro histórico para a avenida

Quando se iniciaram as obras do Complexo Industrial de Sines, a partir de 1970, a vila tornou-se uma cidade industrial. Os festejos de Carnaval estiveram parados durante alguns anos. Regressaram na década de 80 e, a partir de 1988, o corso passou do centro histórico para a Avenida General Humberto Delgado.

- PUB -

“A mudança do coração da cidade para uma zona também central, mas que é uma avenida grande, fez com que lá coubesse carros alegóricos muito maiores e se pudesse dar outro brilho à festa”, considera Rui Encarnação, presidente da Associação do Carnaval de Sines e natural da terra que viu nascer Vasco da Gama.

O número de carros aumentou, o de participantes também. Mudou o sítio, mudaram-se os materiais da confecção dos factos. O Carnaval de Sines foi até o primeiro a fazer um desfile nocturno. Apesar de todas as alterações registadas ao longo dos anos, Rui diz que se manteve inalterado “o voluntariado e o gosto das pessoas em fazer o Carnaval. Ninguém recebe e todos ajudam para a construção do seu fato, do seu carro, da sua escola”.

Para Rui, “quem nasce em Sines está sempre ligado ao Carnaval” e o gosto em fazer e participar no Carnaval passa de pais para filhos. “Todos os anos temos grávidas a desfilar e no ano seguinte já desfilam com os seus bebés”, partilha.

- PUB -

O Carnaval de Sines passou a ser também, especialmente nos anos 90, uma atracção turística. “Começou a ter nessa altura uma grande visibilidade”, afirma. A comissão de Carnaval deu, mais tarde, em 2008, origem à associação “Siga a festa”. O nome foi alterado em 2018 para Associação do Carnaval de Sines, que é hoje responsável por organizar um dos maiores carnavais do país, em parceria com a Câmara Municipal de Sines e a Junta de Freguesia de Sines. Como? “Um grupo de pessoas, no mínimo 10, dirige-se à associação e inscreve o grupo. Neste momento já temos carros alegóricos para cada grupo. Cada grupo que se inscreve na associação, paga as quotas anuais e tem um plafon, que é o apoio que podemos dar para a realização dos fatos e dos carros alegóricos”, explica. “Imaginando que o grupo é composto por 100 pessoas, a associação apoia 50, também para que haja uma diversificação dos temas e dos grupos. Cada grupo escolhe o seu tema, não há tema fixo”, adianta, reforçando a importância da diversidade e da criatividade neste sentido.

A vida são dois dias e a magia do Carnaval de Sines são três

17 carros alegóricos, 30 grupos, entre 400 e 500 voluntários e cerca de dois mil participantes. Assim se costumam fazer as contas dos carnavais em Sines. “Até tem vindo a aumentar, mas costuma rondar estes números”, refere o organizador, para depois acrescentar que o que distingue a folia carnavalesca sineense “é a interacção com o público, que também pode participar de forma organizada. É só juntar-se ao desfile e sentir a magia do Carnaval de Sines”.

Dinâmica da associação estende-se a outras actividades

Depois do Carnaval, a associação de Sines costuma ainda realizar as marchas populares, acções de angariação de fundos e a festa de passagem de ano. Este ano, devido à pandemia de Covid-19, não foi possível realizar as marchas, mas os trabalhos acabaram por nunca parar. Em conjunto com 50 costureiras e ajudantes produziu e distribuiu cerca de dez mil equipamentos de protecção individual por diversas entidades, empresas e famílias dos concelhos de Sines, Santiago do Cacém e Odemira.

Planos para o desfile do próximo ano

Para a edição do próximo ano, a realizar-se entre 12 e 17 de Fevereiro, se a conjuntura actual o permitir, os trabalhos serão iniciados entre Setembro e Outubro.

A criação de uma linha de produtos para os visitantes do Carnaval de Sines e a perspectiva de aumentar o recinto do corso e os lugares da bancada que voltaram a existir na edição deste ano são alguns dos planos para o futuro, ainda que este se apresente por agora incerto. Para manter é o sempre presente objectivo de “elevar o Carnaval de Sines” a cada ano que passa. Neste sentido, foi recentemente realizado investimento no website da associação para dar, de acordo com Rui Encarnação, “mais visibilidade ao Carnaval, tornando-o mais inovador e próximo de todos, mostrando a mais pessoas toda a alegria que se vive em três dias magníficos de folia”.

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Pedro Catarino já é goleador-mor dos sadinos na 1.ª Divisão da AF Setúbal

Com cinco golos no Vitória B, avançado do plantel principal volta a ser decisivo
- PUB -