6 Outubro 2022, Quinta-feira
- PUB -
InícioDossiê167º aniversárioRita Patrício: Professora de História sonha ganhar medalha nos Jogos Paralímpicos

Rita Patrício: Professora de História sonha ganhar medalha nos Jogos Paralímpicos

O segredo da jovem de 25 anos, com paralisia cerebral, para conseguir desenvolver as suas duas grandes paixões é simples: dividir bem o tempo

 

- PUB -

Desde cedo que Rita Patrício, natural do Pragal, soube que o seu futuro seria dividido entre as suas duas grandes paixões: o Boccia e a disciplina de História. Nem mesmo a paralisia cerebral se tornou um impedimento para a jovem de 25 anos, que está empenhada em chegar aos Jogos Paralímpicos. “Só tinha duas opções. Ou ficava a lamentar-me porque estou numa cadeira de rodas ou trabalhava para aquilo que quero. Optei pela segunda opção”, conta.

O percurso académico “foi sempre no ensino normal, incluindo na faculdade”. “Estive em turmas regulares. Nunca tive qualquer problema nesse aspecto. A única diferença é que escrevia no computador e tinha mais tempo para realizar os testes”.

Já para o ensino superior, optou pela Licenciatura em História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, onde também se tornou mestre em Ensino de História. “Acabei a faculdade e parei um ano. O ano lectivo passado foi o meu primeiro a dar aulas, a 7.º e 8.º anos, na Escola Básica e Secundária Santo António da Charneca, no Barreiro”.

- PUB -

A experiência, descreve, “foi boa”, até porque está “a fazer aquilo que sempre quis”. “Não podia ter corrido melhor. Obviamente que encontramos sempre desafios, mas foi uma questão de encontrarmos a melhor maneira para os ultrapassarmos”.

Sobre a recção dos alunos, a jovem explica que “ao início estranharam um bocado”. “Acredito que tenham pensado ‘o que é que esta está a aqui a fazer’, até porque não é comum terem um professor com paralisia cerebral. Mas disse-lhes como é que iria acontecer o processo e que eles tinham de se habituar a mim. A partir daí foi tranquilo”.

Na grande estreia enquanto docente, Rita leccionou a disciplina de História, assim como Oferta Curricular, apesar de não ser da sua área. “É uma disciplina mais artística, na qual os miúdos podem realizar peças de teatro, por exemplo”, esclarece.

- PUB -

Ao longo das duas décadas e meia de vida, a jovem, a morar actualmente na Amora, Seixal, garante ter tido “as mesmas experiências que os outros”. “Aprendi desde cedo que podia fazer as mesmas coisas, ainda que de forma diferente e adaptada”.

 

Boccia chegou aos oito anos e conquistou para sempre

 

Sem se aperceber, Rita foi traçando o seu futuro até chegar aos dez anos. “Desde o 5.º ano que digo que quero ser professora. Já o Boccia, pratico desde que tenho oito anos. Soube que havia essa modalidade na Escola Básica 2/3 Dr. º Augusto Louro, fui experimentar e gostei”.

Apesar de “demorar um pouco a aprender a jogar”, revela ter gostado tanto que joga “até hoje”. “É complicado fazer a gestão das duas. É cansativo e tem de haver muito jogo de cintura, mas dá perfeitamente para o fazer. O segredo é dividir bem o tempo”.

A jovem, uma das atletas mais experientes da Associação de Paralisia Cerebral Almada Seixal (APCAS), foi em 2016 chamada “pela primeira vez a jogar pela Selecção Nacional”. “Fiquei nervosa, mas orgulhosa por ter a hipótese de representar Portugal. É um sonho tornado realidade, até porque não é qualquer um que tem a oportunidade”.

Desde então, conta já ter ido a Espanha e ao Brasil vestida com as cores portuguesas. “No nosso país já consegui o 2.º lugar no Campeonato Nacional de Boccia, enquanto em termos internacionais ainda não consegui nenhum”.

No entanto, é precisamente para alcançar esse objectivo que a almadense diz treinar quatro dias por semana. “Espero conseguir participar nos Jogos Paralímpicos e, se conseguir de lá trazer uma medalha, tanto melhor. Sei que com trabalho, esforço e dedicação, um dia hei-de conseguir. A prática faz a perfeição. Estou a caminhar para lá”.

Para tal, a preparação física passa também por levantar pesos e sessões de fisioterapia. “Em casa gosto de levantar pesos, porque me ajuda bastante a ganhar força para as jogadas. Além disso, tenho acompanhamento de uma fisioterapeuta, em que fazemos planos de treino personalizados”.

Já como passatempo, a jovem está igualmente na dança inclusiva. “É também na Augusto Louro, uma vez por semana. Adoro porque acredito que é através da música e da dança que a pessoa consegue-se expressar totalmente”.

 

Família tem “papel central” na vida da pessoa com deficiência

 

Sobre a importância da família na vida da pessoa com deficiência, Rita é directa: “tem o papel central”. No caso da jovem, os dois irmãos gémeos e os pais “sempre fomentaram tudo o que fosse independência e ajudaram a alcançar os sonhos que tinha”. “Sempre me disseram que se não conseguia da forma A, para fazer da B ou C, mas que ia conseguir fazer. A família tem muita influência”.

Além disso, Rita faz questão de agradecer aos pais a ajuda que lhe darem. “Se não fossem eles, não teria ido para o ensino superior. Os transportes em Lisboa não são adaptados, assim como a cidade universitária não o é. Eles levavam-me todos os dias às seis da manhã e iam-me buscar ao final do dia, muitas vezes por volta das 20 horas”.

Hoje, conta também com o apoio de uma assistente pessoal, no âmbito do projecto CAVI. “Tenho assistente há cerca de quatro anos. Basicamente ajuda-me nas tarefas que não consigo fazer sozinha, como tomar banho e levar-me para a escola, onde fica comigo para me ajudar a ir à casa-de-banho”.

 

Futuro passa pelo doutoramento, com segundo mestrado na mente

 

Ambiciosa e trabalhadora por natureza, “em todas as áreas” da sua vida, e teimosa de feitio, Rita explica ter uma “vontade constante” de estar a aprender. Para o futuro, são já vários os objectivos que tem traçados. “No Boccia é chegar aos Paralímpicos. No ensino, é tirar o doutoramento, ou em História Antiga ou Contemporânea, e ter a experiência de dar aulas ao secundário”.

Antes, não exclui a hipótese de tirar um segundo mestrado em História Antiga. “Ainda não tenho bem definido como vai ser, mas tenho a certeza de que quero voltar para a faculdade. Sempre fui extremamente estudiosa. Adoro aprofundar temas sobre os quais ainda não sei muito”.

 

Rita Patrício à queima-roupa

Idade 25 anos

Naturalidade Almada

Residência Seixal

Área História e Boccia

Ambiciosa por natureza e teimosa de feitio, próximos objectivos passam por tirar doutoramento e trazer uma medalha olímpica para Portugal

Comentários

- PUB -

Mais populares

Primeira pedra de construção de empreendimento à beira-rio lançada no município do Barreiro

Novo espaço habitacional pretende atrair famílias locais e jovens a um preço razoável   O lançamento da primeira pedra de construção do novo empreendimento que vai nascer...

Acidente de trabalho com um reboque faz um morto e um ferido

Vitimas estavam a trabalhar debaixo da estrutura que lhes caiu em cima

Polícia Judiciária detém homem em Setúbal suspeito de dezenas de crimes de pedofilia

Suspeito aproveitou-se do facto de coabitar com a jovem de 17 anos para a sujeitar a abusos sexuais, que terão tido início quando a vítima tinha 12 anos
- PUB -