19 Junho 2024, Quarta-feira

- PUB -
“Estamos confiantes mas focados de que ainda há 90 minutos para jogar”

“Estamos confiantes mas focados de que ainda há 90 minutos para jogar”

“Estamos confiantes mas focados de que ainda há 90 minutos para jogar”

Sadinas jogam domingo em Santo Tirso com vantagem de 3-0 na final do campeonato da 3.ª Divisão

 

Considera que o triunfo (3-0) de domingo, no Bonfim, sobre o Tirsense, na primeira mão da final do campeonato nacional da 3.ª Divisão, reflecte o que se passou em campo?

- PUB -

Quem assistiu ao jogo verifica que o resultado foi justo. Vencemos com todo o mérito o Tirsense e já na primeira parte tivemos várias oportunidades que não aproveitámos e, na segunda, voltámos a ter mais ocasiões de golo que desperdiçámos. O 1-0 [marcado por Carolina Santana] teve origem num ressalto, em que a bola enrola, e quem estava no banco de suplentes ficou com a dúvida se a bola tinha entrado na baliza. A partir daí, fizemos mais dois golos [Kika e Maria Correia foram as autoras]. Foi um resultado justo e muito importante para nós nesta final.

A vantagem de três golos dá uma vantagem confortável e deixa a equipa numa situação privilegiada. De que forma perspectiva a partida da segunda mão do próximo domingo, 16 horas, em Santo Tirso? Teme que exista algum relaxamento das jogadoras?

É verdade que estamos numa posição privilegiada, mas, em relação ao relaxamento, não estou preocupado com isso. Garantimos a subida à 2.ª divisão ainda a faltar-nos três jogos e, mesmo assim, entrámos nesses três jogos determinados a manter a invencibilidade. Por isso, sei que vamos focados para o próximo jogo. Lembro que em relação a este jogo no Bonfim, o Tirsense teve duas baixas complicadas: a Joana (Montañana) por lesão, a quem desejo as melhoras, e depois a expulsão de outra atleta do Tirsense na segunda parte. Estamos confiantes para o que aí vem, mas focados de que ainda há 90 minutos para jogar. Queremos ganhar.

- PUB -

A estratégia que delineou para este jogo foi executada como pretendia pelas jogadoras?

Em linhas gerais, sim. Falhámos um ponto ou outro que foi corrigido, mas o plano que tínhamos de impor o nosso jogo e controlá-lo, semelhante ao que tivemos nas outras partidas realizadas ao longo da época, conseguimos executá-lo. A equipa já sabe o que é sempre pedido e o que tem de fazer.

Com o adversário a jogar em casa, perante os seus adeptos, que Tirsense espera encontrar no domingo à tarde no Estádio Abel Alves Figueiredo?

- PUB -

Espero um Tirsense motivado. Como equipa do Norte, espero um adversário muito aguerrido e com garra. Vão ter a vantagem de estar a jogar no estádio, naquele que é o campo principal do clube e que tem muita mística. O facto de terem os seus adeptos ao seu lado vai motivá-las ainda mais a querer muito dar a volta a este jogo.

Alguns adeptos do Vitória estão a mobilizar-se de forma a acompanhar a equipa a Santo Tirso no jogo em que a equipa pode erguer a taça de campeão. Quão importante é ter público nas bancadas a apoiar as jogadoras?

É sempre importante sentirmos que estamos a centenas de quilómetros da nossa casa e, mesmo assim, conseguimos ter adeptos nossos a deslocar-se e a irem gritar por nós. É um sentimento de motivação incrível para elas e nós próprios no banco. Mais uma vez, tenho a certeza de que o adepto vitoriano não nos vai deixar e a prová-lo está o autocarro que está a ser preenchido para marcar presença no jogo. Sejam 20 ou 10, os adeptos vitorianos vão fazer-se ouvir naquele estádio.

Independentemente do que aconteça no último jogo da época, a título individual, que balanço faz da sua experiência de treinar a primeira equipa de futebol feminino da história do Vitória?

É uma enorme Vitória. Desde o primeiro dia que digo que é um orgulho imenso representar o Vitória. Olhamos para este Bonfim [n.d.r.: a entrevista foi realizada junto ao relvado principal do estádio] e qualquer um treme por sentir que está num sítio muito especial. Tem sido muito bom, temos sido sempre muito acarinhado pelos adeptos. A direcção ter-nos permitido jogar aqui foi a cereja no topo do bolo. Foi um ano espectacular, apesar de muito cansativo e de muitos de nós já pensarem que só falta uma semana para irmos de férias (risos). Por outro lado, também muitos de nós não querem que termine porque tem sido uma experiência espectacular e que estamos a adorar.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -