1 Outubro 2022, Sábado
- PUB -
InícioDesportoMinistério Público acusa antigos dirigentes e SAD do Vitória de Setúbal de...

Ministério Público acusa antigos dirigentes e SAD do Vitória de Setúbal de burla de quase 600 mil euros

Vítor Valente e José Condeças acusados de “obterem de empresários empréstimos monetários de valor elevado”, que não foram posteriormente pagos

 

- PUB -

O Ministério Público (MP) confirmou hoje que o SAD do Vitória de Setúbal, o ex-presidente Vítor Hugo Valente e o ex-vice-presidente José Condeças são acusados de burla qualificada de 595 mil euros.

Em comunicado, a Procuradoria da República da Comarca de Setúbal explicou que “o Ministério Público deduziu, no dia 9 de Maio, acusação contra três arguidos, um deles pessoa colectiva, pela prática de um crime de burla qualificada”.

O caso, que remonta a 2018, “resulta da acusação que os arguidos gizaram entre si um plano que consistia em obterem junto de empresários empréstimos monetários de valor consideravelmente elevado”.

- PUB -

Isto porque “os arguidos pretendiam fazer face às dificuldades financeiras e de tesouraria que a sociedade arguida atravessava, as quais não lhes permitiam, além do mais, pagar salários e inscrever jogadores na liga de futebol, o que implicaria a descida de divisão de futebol, de forma a beneficiarem economicamente com tal conduta”.

Na altura, António Rosário cedeu 300 mil euros, pedindo em troca um juro de 50 mil euros. O montante foi entregue em mãos, em dinheiro vivo. A propósito deste episódio, circularam imagens dos dois dirigentes a contarem o dinheiro e a colocarem-no em sacos pretos.

Passados quatro dias de fechado o contrato com o empresário emigrado no Luxemburgo, assinado em Junho de 2018, foi celebrado um novo contrato de empréstimo, com a Soccer Features, representada por Paulo Teixeira, na quantia de 295 mil euros.

- PUB -

Em ambas as situações, a garantia dada foi o passe de Frederico Venâncio, transferido para o Vitório de Guimarães em Julho do mesmo ano, por 400 mil euros.

No entanto, o Vitória de Setúbal nunca terá entregado a verba a nenhum dos credores. Nos meses que se seguiram também não pagou as prestações previstas, de forma a reembolsar os créditos, tendo em Janeiro de 2019 celebrado novos contratos de cessão de créditos da transferência do jogador.

Na referida data, os dois dirigentes já tinham conhecimento de que a SAD do Vitória de Setúbal era alvo de processos de execução fiscal sobre todos os rendimentos.

“Após receberem as quantias monetárias que pretendiam, Vítor Hugo Valente e José Condeças deram entrada em juízo de um novo Processo Especial de Revitalização (PER), no qual relacionaram os créditos dos ofendidos, visando não lhes pagarem os montantes devidos”.

A investigação foi dirigida pelo Departamento de Investigação e Acção Penal de Setúbal, coadjuvado pela Polícia Judiciária de Setúbal.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Transportes em Setúbal: “Isto não está mau. Está péssimo!”

Reuniões com a população expõem drama de grandes dimensões contado em testemunhos trágico-cómicos

Alsa Todi não verá mais um cêntimo de Palmela se não cumprir o contrato

Município está indisponível para continuar a financiar o sistema e reclama à TML a aplicação de penalidades à operadora

Bombeira grávida de sete meses diz-se ‘injustamente dispensada’ de serviço

Autoridade para as Condições do Trabalho esteve no quartel da associação
- PUB -