10 Maio 2021, Segunda-feira
- PUB -
Início Desporto Mini-basquetebol do Barreirense deseja competição, mas tem de esperar

Mini-basquetebol do Barreirense deseja competição, mas tem de esperar

O maior desejo dos jogadores do mini-basquetebol do Barreirense é retomar a competição, mas ainda vão ter de esperar até Junho, pelo menos, disseram, na segunda-feira, os responsáveis do clube.

- PUB -

Um a um, os jogadores do escalão sub-12 iam chegando ao ginásio da sede do Barreirense para a retoma dos treinos colectivos da modalidade, considerada de risco médio de transmissão da covid-19, mas, apesar de cumprirem todas as regras de segurança ainda exigidas, não deixaram de pedir mais.

“Jogar muito, aprender mais ‘basket’ e isso”, foi o desejo expressado de imediato pelo pequeno Gonçalo Manaia, de 11 anos, quando questionado sobre o que esperava para os próximos tempos, assim como o companheiro de escalão, Gonçalo Nóbrega, de 10 anos, que quer “jogar contra clubes, jogar fora”.

Ambos já tinham passado pelo controlo da entrada, onde à chegada de cada um dos 16 jovens foi medida e registada a temperatura corporal e onde, instintivamente, e sem que ninguém precisasse de o indicar, praticamente todos lançavam de imediato as mãos ao distribuidor de álcool em gel para desinfetar as mãos.

- PUB -

Sinais de uma ‘nova normalidade’ que mantém o futuro incerto para todos os clubes do distrito, onde a Associação de Basquetebol de Setúbal (ABS) “está à espera que os clubes respondam quantos miúdos retomaram os treinos”, antes de avaliar a possibilidade de haver competições, explicou o coordenador do mini-basquetebol, Jaime Brito Torre.

Ainda assim, o Barreirense planeia levar avante o torneio Neemias Queta e tem duas datas em cima da mesa: 12 e 13 de Junho é a primeira opção, mas, se houver constrangimentos pandémicos, a competição passará para 10 e 11 de Julho. Até porque, neste momento, ninguém tem certezas sobre o futuro.

“Não tenho a certeza. Isto, crenças… Eu gostava muito que não houvesse mais paragens. Vamos ver, isso depende do desenvolvimento da pandemia. Esperemos que não haja”, disse o coordenador que também exerce a profissão de médico.

- PUB -

Também por isso, o vice-presidente para o basquetebol do Barreirense considera que “nem tão cedo vai ser possível” retomar as competições, pelo menos, até a situação “estabilizar em termos de vacinação”, mas mantém a esperança na realização do torneio apadrinhado pelo jogador formado no clube, que este ano se apresenta ao ‘draft’ da NBA.

“Estamos a falar de um torneio que será em Junho. Temos a esperança de que as coisas também estejam mais calmas. Já tivemos o ‘OK’ da Federação [Portuguesa de Basquetebol], mas depois temos de ver se será possível ou não. Temos duas datas, junho e julho, se for permitido. Senão, teremos de ver”, explicou Alexandre Almeida.

Para já, a preocupação passa por perceber quantos jovens atletas poderão ter sido ‘perdidos’ devido à interrupção que durou desde janeiro, apesar de, conforme sublinhou o dirigente, os treinadores terem tido a preocupação de estar “sempre em contacto e com treinos através do Zoom”, uma plataforma de videoconferência que permite múltiplos utilizadores.

A missão, aparentemente, foi bem-sucedida e o coordenador do ‘mini basket’ do Barreirense acredita que podem ter apenas “perdido três ou quatro” de cerca de 50 crianças que o clube movimenta nos escalões mais jovens.

“Este é o primeiro trino de sub-12. Apesar de estarem aqui só 12 jogadores, os outros oito são miúdos que hoje [segunda-feira], normalmente, não podem vir. Vamos ver, desses oito que faltam, se perdi um ou dois destes sub-12. Dos outros, temos de esperar, porque não há nada como ver mesmo quem é que vem aos treinos, ainda é cedo para ver”, disse Jaime Brito da Torre, enquanto ‘varria’ o pavilhão com o olhar.

Pelo menos, quatro dos jovens que faltavam não foram “perdidos” e juntaram-se ao treino já depois de o coordenador ter falado com a Lusa, entre os quais Caetano Machado, que tem também um irmão nos sub-16, revelou o pai à porta do pavilhão, já depois de assinar, à chegada, a folha que reconfirma a tomada de conhecimento das normas covid-19 em vigor e que o seu descendente não teve sintomatologia da doença desde a última presença.

Ricardo Machado esforçou-se, durante a paragem que durou desde Janeiro, para “arranjar alguma alternativa” aos treinos por Zoom, levando os filhos “até a algum campo ao ar livre”, mas admitiu que “foi complicado” manter a motivação.

“Os miúdos estavam ansiosos por este regresso” e a atividade física, “ainda por cima de um desporto coletivo”, é também “muito importante para a formação deles”, disse à agência Lusa.

Quanto à segurança, o encarregado de educação não teve dúvidas em concluir que os treinos de basquetebol são seguros, “se calhar até mais do que com a escola”.

“Se fizermos o comparativo com as escolas, eu acho que aqui as condições são melhores. É um número limitado de miúdos, o espaço é arejado e grande. Eles também não fazem treino de contacto, para já, fazem treino individual, portanto sinto-me seguro”, garantiu Ricardo Machado.

SYL // VR // Lusa

- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Sindicato não aceita aumentos de salários propostos pela administração da Autoeuropa

Administração da fábrica da Volkswagen em Palmela quer acordo que prevê aumentos salariais a três anos em função da taxa de inflação, sindicato contesta

Empresa dedicada à comercialização de canábis chega a Setúbal com nova unidade no parque BlueBiz

Espaço servirá para pós-colheita da planta medicinal. Produtora escolheu a cidade sadina “por possuir excelentes acessibilidades e oferecer flexibilidade nas suas instalações”   A empresa Clever...
- PUB -