8 Maio 2021, Sábado
- PUB -
Início Desporto “O Vitória viu-se obrigado a ir buscar os jovens jogadores e...

“O Vitória viu-se obrigado a ir buscar os jovens jogadores e está a dar resultado”

“Jogadores mais velhos acolheram-nos tão bem que parecia que estávamos lá há anos”

 

- PUB -

Apesar da tristeza que sente por ver o Vitória Futebol Clube na actual situação, após uma decisão administrativa que relegou o clube da I Liga para o Campeonato de Portugal, o médio-ofensivo Bruno Ventura, de 20 anos, não tem dúvidas de que a queda abrupta permitiu que muitos jovens atletas da formação tivessem a sua oportunidade na equipa principal.

“É triste, não só como jogador do Vitória mas como adepto, ver um clube histórico como o nosso descer da I Liga para o Campeonato de Portugal. Não tenho dúvidas que o que aconteceu ajudou os jogadores mais jovens. O Vitória quando estava na I Liga não apostava tanto na formação, fazia-o em parte mas não tanto como este ano”, lembrou.

Na entrevista que concedeu ao programa ‘Sair a jogar’, do Canal 11, o segundo melhor marcador da equipa, com nove golos, que está a ser a principal revelação dos sadinos, considera que a aposta está a surtir efeito. “O clube viu-se obrigado a ir buscar os jovens jogadores e está a dar resultado. Penso que os adeptos podem sonhar com um regresso à I Liga para breve”.

- PUB -

Bruno Ventura, que representa o Vitória desde 2015/16, considera que a forma como os colegas mais experientes acolheram os mais novos foi determinante para a integração. “Os jogadores mais velhos acolheram-nos bem. Tão bem que parecia que estávamos lá há anos quando na realidade só estamos há alguns meses. A integração foi muito boa, a humildade, a boa disposição diária deles, mesmo com as dificuldades que passaram, ajudaram-nos nessa integração”.

A equipa técnica liderada por Alexandre Santana também merece os elogios do médio. “Temos uma equipa técnica que veio connosco dos juniores e facilitou a aproximação das diferentes gerações”, disse, partilhando a sua experiência com o treinador principal. “No início, eu e o mister, nos juniores, ‘batíamos mal’. Fomos começando a falar, eu pedia-lhe a opinião e ele a mim sobre a equipa. Fomo-nos entrosando e hoje damo-nos super bem e considero o melhor treinador com quem já estive”.

Bruno Ventura chegou ao Bonfim para representar os iniciados A e desde então teve uma evolução gigante, garantiu ao Canal 11. “Cheguei ao Vitória com 14 anos e quando olho para trás noto uma diferença abismal tanto como pessoa como jogador. O ambiente de balneário é extraordinário e a disciplina que o futebol nos trás é muito importante”.

- PUB -

Na hora de apontar as suas principais características, o jogador é peremptório. “Considero-me um 10 puro, inteligente. Sei quando tenho de pausar o jogo ou avançar. Considero-me um jogador intenso, com bom ritmo de jogo, bom técnica e tacticamente e com boa bola parada. Sinto que a minha melhor qualidade é a definição que tenho no último terço, seja com passe ou com remate, que nos trazem golos e assistências”.

Subir já à II Liga e representar a Selecção

Em relação aos sonhos que acalenta concretizar na sua carreira, o jovem de 20 anos menciona os objectivos a curto e a médio/longo prazo. “Esta temporada quero ajudar a equipa a subir à II Liga. Queria também representar a Selecção de Sub-20, que agora não é possível por estar parada. O meu sonho maior é representar a Selecção principal, ocupando os grandes palcos com os melhores, e ganhar títulos”.

No momento de eleger o jogador que mais admira, Bruno Ventura não hesita em apontar um internacional espanhol que representa actualmente os ingleses do Liverpool. “Gosto muito do Thiago Alcântara. É um jogador que me enche as medidas, joga sempre de cabeça levantada, já sabe o que vai fazer antes de receber a bola. Identifico-me com em parte com ele, apesar de jogar mais atrás do que eu”.

O jogador do Vitória lembrou o seu percurso até chegar ao emblema setubalense. O primeiro emblema que representou foi o Benfica. “Comecei a jogar futebol com seis anos, na Geração Benfica, no Estádio da Luz. Na altura era chamada turma de talentos porque estavam a preparar a equipa para subir para a competição de benjamins, que veio a acontecer em 2010/11. Estive nessa equipa um ano e no segundo ano de benjamins fui para o Atlético Povoense”.

E continua: “Joguei um ano no Povoense e depois fui para o Belenenses, clube onde estive época e meia. Depois fui para o Sacavenense, tendo jogado aí também época e meia. Quando era do escalão de iniciados A fui para o Vitória, clube onde estou até hoje”. Bruno Ventura explicou ainda no programa a razão pela qual os adeptos sadinos dizem que “o Vitória não é grande, é enorme”. “A história é que como o Vitória não podia ser considerado um grande como o Benfica, Sporting e FC Porto, apesar de ter alguns títulos como Taças de Portugal e da Liga. Como o Vitória não é um clube grande nem pequeno, a cidade chama-o de enorme”.

 

Ricardo Lopes
Jornalista
- PUB -

Mais populares

Barcos da Transtejo/Soflusa param travessia do Tejo a 20 de Maio

Na reunião de hoje com a administração da empresa, e conforme o que tinha sido decidido em plenário de trabalhadores da semana passada, o...

Sindicato não aceita aumentos de salários propostos pela administração da Autoeuropa

Administração da fábrica da Volkswagen em Palmela quer acordo que prevê aumentos salariais a três anos em função da taxa de inflação, sindicato contesta

Empresa dedicada à comercialização de canábis chega a Setúbal com nova unidade no parque BlueBiz

Espaço servirá para pós-colheita da planta medicinal. Produtora escolheu a cidade sadina “por possuir excelentes acessibilidades e oferecer flexibilidade nas suas instalações”   A empresa Clever...
- PUB -