20 Agosto 2022, Sábado
- PUB -
InícioDesportoReacção vitoriana na Luz não impede adeus à Taça de Portugal

Reacção vitoriana na Luz não impede adeus à Taça de Portugal

Sadinos exibiram-se a bom nível no segundo tempo. João Capela não assinalou penálti que poderia repor igualdade

- PUB -

O sonho do Vitória de Setúbal em atingir a 11.ª final da Taça de Portugal de futebol chegou anteontem ao fim no Estádio da Luz ao perder com o Benfica, por 2-0, na quarta eliminatória da competição. Cervi, aos 25 minutos, e Krovinovic, aos 81, fizeram os golos que apuraram as águias para os oitavos-de-final.
Os sadinos terminaram a partida com razões de queixa da arbitragem, uma vez que João Capela, aos 80 minutos, deixou passar em claro uma grande penalidade cometida por Bruno Varela quando o resultado estava 1-0. O guarda-redes derrubou o atacante sadino, mas o juiz lisboeta, nada assinalou, possibilitando o contra-ataque que deu origem ao 2-0 dos lisboetas.
Ainda sem poder contar com o capitão Vasco Fernandes (cumpriu o segundo e último jogo de castigo), Semedo, após paragem devido a lesão, regressou ao onze para forma dupla no eixo da defesa com Pedro Pinto. A pensarem na deslocação ao reduto do CSKA Moscovo, para a Liga dos Campeões, o Benfica também procedeu a várias alterações no onze.
No arranque do encontro, o Vitória foi o primeiro a visar a baliza encarnada. O médio Nenê Bonilha procurou adiantar os sadinos, num pontapé de ‘ressaca’ que saiu perto trave. Na reação encarnada brilhou o guarda-redes Cristiano (substituiu o habitual titular Trigueira), que, em três ocasiões, evitou as tentativas benfiquistas, a primeiras das quais por Krovinovic.
O guardião visitante voltaria a impor-se, à passagem dos 15 minutos, ao negar o 100.º golo de Jonas com a camisola ‘encarnada’, antes de se opor, novamente com eficácia, a um cabeceamento de Luisão. Após os avisos e a superioridade das águias no primeiro tempo, Cristiano pouco poderia fazer para evitar o forte pontapé de Cervi que colocou o conjunto da Luz em vantagem.
Numa das poucas vezes em que o Vitória de Setúbal conseguiu chegar perto da área adversária, João Amaral trabalhou bem sobre Samaris e, por pouco, não conseguia o empate, dando o mote para o que viria a suceder na segunda parte. Os sadinos entraram no segundo tempo determinados em causar danos ao adversário.
Num desses lances, o veloz Arnold foi ganhando terreno na direita e deixou André Sousa em boa posição, mas o jovem sadino não acertou com o alvo. Aos poucos, o Benfica ia concedendo mais espaços para o Vitória atacar, sendo que, por outro lado, praticamente deixava de incomodar Cristiano, excepção feita a uma combinação entre Krovinovic e Grimaldo, que quase permitia que o croata dilatasse a vantagem.
De resto, se na primeira parte Cristiano foi evitando o tento benfiquista, na etapa complementar foi o regressado Bruno Varela a segurar a vantagem, nomeadamente à passagem da hora de jogo, quando teve duas intervenções decisivas no mesmo lance, defendendo o remate de Arnold e a recarga de Semedo.
Com o Vitória a dominar, surgiu, aos 80 minutos, o lance em que o guardião benfiquista derrubou João Amaral no interior da área e em que os sadinos ficaram incrédulos por João Capela não ter assinalado para a marca de grande penalidade que daria a possibilidade de o Vitória tentar repor a igualdade.
No seguimento da jogada, as águias marcaram. Depois de ter inaugurado o marcador, Cervi surgiu pela esquerda e assistiu Krovinovic, que se estreou a marcar pelo Benfica, fechando as contas do apuramento. Antes do apito final, o médio João Teixeira fez uma última tentativa para os sadinos marcaram, mas o remate não acertou o alvo, mantendo-se o placar em 2-0 para os anfitriões.

José Couceiro
«Há grande penalidade sobre João Amaral»
“Em primeiro lugar quero realçar o comportamento e a atitude dos jogadores do Vitória, em particular o Semedo que vem de uma lesão no ligamento.
O jogo teve momentos diferentes. Somos uma equipa mais baixa, sofremos um golo na sequência de um canto. Podíamos ter marcado antes de o Benfica ter feito o 2-0. Parece-me que há grande penalidade sobre o João Amaral. Esse lance decide a eliminatória. O Vitória veio com a intenção clara de passar a eliminatória. Penso que o 2-0 é pesado para nós. Neste momento, vamos recuperar e ver quem é que consegue ter uma recuperação mais rápida para o próximo jogo, por coincidência com o Benfica, aqui no Estádio da Luz, para o campeonato.
Quanto jogamos com as equipas grandes sentimos sempre o mesmo. Os médios são travados em falta e os adversários não são advertidos. Acho que a 18.ª lei do jogo não prevalece, que é o bom senso. Interessa-nos analisar o que de menos bom foi feito. Houve muitas coisas bem feitas. Não adianta mudar o nosso foco.
Daqui uma semana viremos com o mesmo tipo de atitude com a intenção clara de querer ganhar o jogo. As equipas tentam jogar bem e quando isso acontece estão mais perto de vencer.
Estamos tristes porque fomos eliminados, queríamos continuar. Não pretendemos vitórias morais. Tenho de me preocupar com todas as questões que influenciam o rendimento dos jogadores. Nós não podemos controlar as situações externas. Quero manter o foco na equipa. Só jogando bem é que conseguimos manter os nossos objectivos. Agora não adianta estar aqui com lamentações.
Desde o início da segunda parte sentíamos que poderíamos empatar o jogo. O minuto em que Varela faz duas defesas é decisivo no jogo. Se há grande penalidade poderíamos ter empatado, mas o árbitro entendeu que não era falta.
O que mais irritou os jogadores é que houve um jogador que fez uma série de faltas e não foi advertido. Os médios defensivos das equipas maiores travam todos os ataques com falta e as equipas mais pequenas, que têm de sair muitas vezes em transição, são as mais penalizadas. Não vejo que o desequilíbrio seja bom para a competição.
Os ciclos mais negativos são sempre ciclos para vencer. Ninguém entra derrotado para um jogo. Sabemos o que o Benfica tem. Porque não quebrar o ciclo no próximo jogo?”

Comentários

- PUB -

Mais populares

Mulher morre em colisão entre dois veículos em Grândola

Uma colisão frontal entre dois veículos ligeiros na Estrada Nacional 261, no cruzamento do Carvalhal, provocou, esta tarde, um morto e dois feridos graves.

Ana Catarina Gonçalves: A grandolense que arriscou e conseguiu montar um ‘império’ na vertente das explicações

Com apenas 21 anos, começou a acompanhar algumas crianças por brincadeira. Hoje, passados cinco anos, emprega três dezenas de professores

Acidente de viação no Montijo provoca três mortos

Colisão frontal provocou a morte de dois homens, de 26 e 32 anos, e de uma mulher, de 24 anos
- PUB -