6 Outubro 2022, Quinta-feira
- PUB -
Início167º aniversárioMourana Monteiro: Activista pelo ambiente sente que carrega o futuro às costas

Mourana Monteiro: Activista pelo ambiente sente que carrega o futuro às costas

Luta diariamente para “construir um futuro bonito”. Sofreu de ‘Eco Ansiedade’ até descobrir o activismo. Hoje é uma das referências ao nível do activismo ambiental, em Portugal

 

- PUB -

Paleio acelerado, ar decidido e sorriso no rosto. É desta forma que Mourana Monteiro se dá a conhecer. Sentada num banco de jardim, enumera os compromissos que refl etem a agenda preenchida. Aos 25 anos, entre as atividades de escutismo, o voluntariado em associações e os três empregos, a jovem é activista ambiental.

Rodeada de enxadas e oliveiras, no quintal da avó, em Palmela, aprendeu o verdadeiro significado da palavra ‘sustentabilidade’. “A minha ‘avozinha’ era a pessoa mais inteligente que conheço”, revela orgulhosa. “Trabalhava muito no campo e tudo era aproveitado o máximo possível. Fui educada a não ser consumista e a valorizar o que a natureza nos dá”, relembra.

Com as lições da avó presentes, Mourana foi crescendo e fazendo o que estava ao seu alcance para garantir o futuro de todos. Voluntariado, recolhas de lixo e reciclagem já faziam parte da rotina. Chegou mesmo a entrar para Engenharia do Ambiente na Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT), apesar de, após seis meses de curso, ter saído ao perceber que “era mais matemática e física do que preocupação com o ambiente”.

- PUB -

Em 2018, o discurso da activista Greta Thunberg que invalidava as ações sustentáveis individuais trocou-lhe as voltas. “A partir desse momento percebi que o que fi z toda a vida não chegava. É preciso uma mudança política”, afirma.

A estudar Psicologia na Universidade do Algarve, a jovem ativista começou a recear o futuro das próximas gerações, ao ponto de desenvolver o que se encontra atualmente diagnosticado como “Eco Ansiedade”. “Se alguém colocava uma beata no chão, à minha frente, eu tinha de ir apanhar. Depois, vieram os pesadelos. Sonhava com crise nas colheitas, guerra civil, destruição. Acordava mais cansada do que me deitava”, revela.

Uma forma de “construir um futuro bonito”

- PUB -

Mergulhada em sentimentos depressivos, foi nesse período que Mourana conheceu membros da Greve Climática Estudantil (GCE), um coletivo de estudantes responsável pela organização de intervenções sustentáveis, em todo o país, que lhe mostraram uma forma “não formal de fazer política”: o ativismo.

Actualmente, não só integra a GCE e outros movimentos ambientalistas internacionais que a ajudam a “construir um futuro bonito” como é um dos nomes mais sonantes do ativismo ambiental em Portugal. Não se deixa iludir pelas conquistas. Do reconhecimento, só quer a “oportunidade de ser ouvida”.

Lutar por aquilo em que acredita está-lhe no sangue e a jovem não se deixa vergar pelas consequências que essa luta possa criar. Está a ser constituída arguida num processo que condena o bloqueio feito à Rotunda do Relógio, Lisboa, em maio de 2021, por um grupo de ambientalistas, no qual Mourana se encontrava, que protestavam por menos aviação e mais ferrovias.

“Não consigo ficar parada. Parar é deixar que roubem o meu futuro. E eu não vou deixar”, remata. “Nós não vamos deixar”, corrige. A hora arrasta-se e os compromissos não podem esperar. A jovem levanta-se e segue com a urgência de quem carrega o futuro às costas.

Exploração de petróleo
“A Bajouca nunca tinha visto uma ‘manif’ na vida”

“Australis desiste de explorar gás na Bajouca e em Aljubarrota”. É assim que é noticiado o episódio que Mourana guarda no coração e no pódio dos troféus alcançados, enquanto activista.

Em 2012, a empresa australiana ‘Australis Oil & Gas’ e o Estado português assinaram um contrato de exploração de petróleo desde Peniche até à Figueira da Foz. Três anos depois, o terreno na Bajouca, Leiria, estava comprado para se iniciar uma prospeção de gás
natural.

“A empresa financiou muita desinformação junto da população local. Fizeram imensas reuniões a garantir que iriam ter o gás mais barato. E nós [GCE] fomos lá e fi zemos igual. Só que, desta vez, com ciência, com verdade”, admite Mourana.

A atitude dos activistas mobilizou actores locais, associações e autarquia que identificaram lacunas, ao nível do impacto ambiental, no contrato celebrado com a ‘Australis Oil & Gas’.

“Chegámos a fazer uma manifestação. Éramos 400 pessoas a marchar. A Bajouca nunca tinha visto uma ‘manif’ na vida”, conta, animada. Uma vitória para o grupo de manifestantes, pois, ainda em 2019, o Parlamento recomendou a suspensão da prospeção de petróleo em Alcobaça e Pombal e a empresa australiana apresentou a desistência de prosseguimento dos projetos.

 

Mourana Monteiro à queima-roupa

Idade: 25 anos

Naturalidade: Setúbal

Residência: Palmela

Área: Activismo ambiental

Abraça todas as causas como se fossem suas e não desiste de lutar pelo futuro do planeta.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Primeira pedra de construção de empreendimento à beira-rio lançada no município do Barreiro

Novo espaço habitacional pretende atrair famílias locais e jovens a um preço razoável   O lançamento da primeira pedra de construção do novo empreendimento que vai nascer...

Acidente de trabalho com um reboque faz um morto e um ferido

Vitimas estavam a trabalhar debaixo da estrutura que lhes caiu em cima

Polícia Judiciária detém homem em Setúbal suspeito de dezenas de crimes de pedofilia

Suspeito aproveitou-se do facto de coabitar com a jovem de 17 anos para a sujeitar a abusos sexuais, que terão tido início quando a vítima tinha 12 anos
- PUB -