29 Fevereiro 2024, Quinta-feira
- PUB -
Início167º aniversárioTiago Correia: “Sou muito feliz no fado, anda comigo sempre, lado a...

Tiago Correia: “Sou muito feliz no fado, anda comigo sempre, lado a lado”

Artista montijense descobriu o gosto pela música com os avós e desde cedo se interessou pela história do fado. Em 2021, lançou o primeiro trabalho discográfico “E decididamente”

 

- PUB -

Tiago Correia considera que a música chegou a si por herança familiar e confessa que não se lembra de existir “Tiago sem música”. Viveu desde sempre com os seus avós maternos, vindos de Beja, na década de 70, para o Montijo.

“Sempre tiveram um lado muito musical e cantavam muito, desde música tradicional portuguesa a músicas de intervenção. Com cinco anos cantava a ‘Grândola, vila morena’, ‘Uma gaivota voava, voava’ e a ‘Tourada’ com eles”, começa por contar. “Na altura, não percebia a mensagem, mas sempre valorizei tanto a palavra e aquilo parecia-me muito interessante e dinâmico. Quando mais tarde compreendi tornou-se ainda mais especial”, continua.

Estudou piano, entre os oito e os dez anos, na Sociedade Filarmónica 1º de Dezembro no Montijo e haveria de descobrir o fado aos 12 anos. “O meu avô, o meu grande mestre e referência de vida, dá-me a conhecer o Fernando Farinha, fadista da velha guarda, e aquela música soou-me a casa. Perguntei ao meu avô se havia quem fizesse vida do fado e logo afirmei que então eu também queria”, partilha. “Encantei-me por aquela musicalidade antes de conhecer as palavras e compreender a mensagem e senti que aquilo me era muito próprio, que era a minha identidade”, adianta.

- PUB -

Em 2009 destaca-se no programa “Uma canção para ti”, da TVI, e em 2010 com o prémio “Nasci para o fado”, da RTP, que lhe abriu portas à participação no musical “Fado História de um Povo”, de Filipe La Féria. É então depois desta experiência que descobre que esta seria a sua vida profissional “para sempre”.

Aos 16 anos estreou-se nas casas de fado em Lisboa e quase em simultâneo começa a realizar concertos por todo o país. Também nesse tempo conhece referências como Celeste Rodrigues e António Rocha, “que participa no meu álbum, um sonho concretizado, e trabalha ainda no Faia no Bairro Alto, os únicos dois fadistas por quem chorei a ouvir cantar”.

As grandes referências e a história do fado como ponto de partida

- PUB -

Na perspectiva do fadista, “quando pensamos em construir um futuro, temos de perceber onde está a raiz e o que já foi feito para podermos então fazer algo novo”. Sentiu por isso necessidade de estudar os fadistas mais antigos e saber mais sobre a história do fado e decidiu pôr mãos à obra.

No domínio da formação musical, afirma que a sua verdadeira escola “foram as pessoas que me rodearam e as ideias que me transmitiram. É a elas que devo aquilo que tenho vivido até hoje na música”.

Em 2018, licenciou-se em comunicação social no Instituto Politécnico de Setúbal. “Queria descobrir de que forma me poderia posicionar no mundo e tinha uma grande paixão pela comunicação desde que me lembro, sobretudo pelo valor da palavra”, justifica.

Estreia-se a solo, em 2021, com o álbum “E decididamente”, com produção musical de Ângelo Freire, abrindo o seu próprio caminho enquanto fadista, letrista e compositor.

“Tinha 16 anos quando um dos grandes poetas do fado me escreveu um tema chamado ‘E decididamente’, uma abordagem a tudo o que sou que viria a dar nome ao disco”, conta. “As pessoas dizem, prefiro que sejam as pessoas a dizer, mas de facto às vezes sinto algo muito antigo em mim, muito ligado às raízes e aos sentimentos mais bonitos do passado, que não consigo explicar”, revela. Neste poema, pode ler-se “e decididamente não pertenço aqui, não sou dos dias de hoje e de ontem também não. Nem sou um grão de gente que ainda não nasci, só que o futuro foge de mim como um ladrão”.

O disco tem, assim, o objectivo de “contar quem sou, com a certeza de que estudei e compreendo quem foram os outros. É também uma forma de os homenagear e decididamente sou dos fados, desta gente e das raízes”. Tendo os seus amores e saudades como inspiração, sem esquecer o que vê e sente nos sítios por onde passa, conta com o tema “Simples lamento”, que Tiago escreveu, letra e música, para homenagear o avô.

Tem feito, nas suas palavras, a vida toda a cantar. “Com a idade, fui-md profissionalizando no sentido de trabalhar, dedicar e descobrir mais, mas a música esteve permanentemente comigo de forma muito natural. Sou muito feliz no fado, anda comigo sempre, lado a lado”, refere. No que diz respeito ao futuro, confessa que sonha mais do que vive e que já tem na cabeça projectos para seis ou sete discos, “assim como aos 16 tive logo a certeza de que a história do primeiro disco tinha que dizer qual é a minha identidade e a quem devo o que sou”. Está neste momento a apresentar o disco por todo o país, continua a cantar nas casas de fado e a 1 de Novembro pisa o palco da Casa da Música do Porto.

 

Tiago Correia à queima-roupa

Idade: 25 anos

Naturalidade: Montijo

Residência: Montijo

Área: Música

Enquanto fadista canta “quem é, certo de que estudou, compreende e assim homenageia quem foram os outros”

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Grupo distrai funcionários de banco em Palmela e furta dinheiro em caixa

Seis estrangeiros, cinco homens e uma mulher, são procurados pela GNR depois de crime que decorreu pelas 13h30
- PUB -