19 Maio 2024, Domingo

- PUB -
BE aponta Autoeuropa como exemplo mas deve adaptar-se às alterações climáticas

BE aponta Autoeuropa como exemplo mas deve adaptar-se às alterações climáticas

BE aponta Autoeuropa como exemplo mas deve adaptar-se às alterações climáticas

Mariana Mortágua falava após uma reunião com a Coordenadora das Comissões de Trabalhadores do Parque Industrial

 

A coordenadora do BE apontou esta quinta-feira a Autoeuropa como um exemplo de um investimento estruturante para a economia portuguesa e do relacionamento com os trabalhadores, mas que tem de se adaptar às alterações climáticas.

“A Autoeuropa é um exemplo de como o investimento pode ser estruturante, de como se podem criar milhares de postos de trabalho, de como pode arrastar consigo muitas empresas, muita tecnologia, de como é possível multiplicar o trabalho”, disse Mariana Mortágua, após uma reunião com a Coordenadora das Comissões de Trabalhadores do Parque Industrial da Autoeuropa, em Palmela.

“E é um exemplo bem diferente daqueles que temos visto nos últimos tempos a serem promovidos pelo governo: centros de dados que apenas importam tecnologia e são na verdade ataques ao ambiente, com leis feitas, aparentemente, à medida, e que não protegem o interesse público, ou explorações de lítio ou de outro tipo de minérios, que são, na verdade, só uma indústria extractivista que destrói territórios sem deixar nada”, acrescentou.

Há poucos dias, a Autoeuropa viu-se obrigada a sair do consórcio Drivolution, que liderava, por não cumprir os requisitos ambientais, mas a empresa considera que os investimentos que tem previstos na área ambiental lhe deveriam permitir manter a liderança daquele consórcio financiado pelo Programa de Recuperação e Resiliência (PRR).

Para Mariana Mortágua, a Autoeuropa também é importante porque “mostra que quando há comissões de trabalhadores fortes, quando há negociação com os trabalhadores, quando as reivindicações são ouvidas, quando há mecanismos de negociação e contratação colectiva, o país fica melhor, a economia fica melhor e as empresas ficam mais fortes”.

Sobre a construção do TGV, a líder do BE diz tratar-se de um projecto de que o país precisa para não ficar isolado e considera que Portugal já está a pagar o preço de não ter feito esse investimento no passado.

“Quanto ao custo concreto do projecto, só vendo o projecto, só analisando os custos, que neste momento não conhecemos. Penso que é preciso fazer uma avaliação técnica e garantir que é pago o preço justo”, disse.

No que respeita à construção do novo aeroporto, Mariana Mortágua também diz tratar-se de um projecto necessário, mas que tem sido atrasado em função dos interesses da concessionária dos aeroportos portugueses, a multinacional francesa ANA/VINCI.

“Como a ANA/VINCI manda, a decisão nunca foi feita porque todos os decisores políticos ficam na indecisão de ter um operador privado que toma conta das decisões. E a prova disto é o facto de o próprio PSD não ter uma posição sobre o aeroporto. E não tem uma posição porque está a mando da ANA e a ANA é a empresa que toma as decisões estratégicas”, disse Mariana Mortágua, acrescentando que a privatização da empresa, ao tempo do governo PSD/CDS, “lesou o interesse público”.

Partilhe esta notícia
- PUB -

Notícias Relacionadas

- PUB -
- PUB -