1 Março 2024, Sexta-feira
- PUB -
InícioÚltimasSetúbal, Palmela e Sesimbra voltam à luta contra fecho da maternidade no...

Setúbal, Palmela e Sesimbra voltam à luta contra fecho da maternidade no Hospital de S. Bernardo

Autarcas não aceitam prolongamento dos encerramentos alternados das urgências obstétricas entre Setúbal e Barreiro. Na terça-feira vão decidir formas de protesto

 

- PUB -

Os autarcas dos concelhos da área de influência do Hospital de São Bernardo, Setúbal, Palmela e Sesimbra, não aceitam o novo plano da denominada operação “Nascer em Segurança no SNS – Inverno 2023-2024”, que implica o encerramento da urgência de obstetrícia durante uma semana, de 15 em 15 dias, e vão voltar a reunir o Fórum Intermunicipal da Saúde para decidir formas de luta contra a medida.

No convite à imprensa, os presidentes das câmaras municipais de Palmela, Sesimbra e Setúbal, dizem que o Fórum Intermunicipal, marcado para esta terça-feira, às 21 horas, nos Paços do Concelho de Setúbal, vai servir para “avaliar o actual estado do funcionamento da prestação de cuidados de saúde” na área dos três municípios, e, “em particular a instabilidade que tem sido criada, no dia-a-dia, para milhares de utentes, com os constantes encerramentos de urgências no Hospital de São Bernardo”.

O presidente da Câmara de Setúbal, André Martins, diz que as três autarquias decidiram voltar a reunir o Fórum da Saúde “porque continuamos a assistir à degradação dos cuidados de saúde às pessoas da nossa região pelo que é necessário tornar público o descontentamento dos utentes e das populações”.

- PUB -

Em concreto, os autarcas contestam o prolongamento do fecho alternado das urgências. A medida, que supostamente era temporária, motivou um fórum idêntico e uma vigília, no ano passado, e, agora que o Governo aprovou o seu prolongamento, os autarcas não aceitam.

“Há um ano entrámos em contacto com o ministro da Saúde e foi-nos dito que tinham de ser toMadas medidas temporárias para rapidamente controlar a situação e depois haver uma solução definitiva. O que vimos é a situação degradar-se e com o maior espanto ouvimos o primeiro-ministro dizer que esta situação vai prolongar-se pelo menos por mais um ano e se as pessoas tiverem necessidade que liguem para a saúde 24.”, refere André Martins.

“É a decadência do Serviço Nacional de Saúde e nós temos que tomar posição para estancar esta situação e obrigar quem tem obrigação de decidir a procurar outros caminhos que não os que tem vindo a ser trilhados até agora”, acrescenta o autarca.

- PUB -

Do Fórum da Saúde deve sair a marcação de um protesto público, como uma vigília, manifestação ou outro, para envolver as autarquias, comissões de utentes e populações sendo que essa iniciativa só terá lugar em Novembro, uma vez que este mês está quase a terminar.

O novo plano da denominada operação “Nascer em Segurança no SNS – Inverno 2023-2024” determina encerramentos de uma semana, alternados entre o Centro Hospitalar Barreiro-Montijo e o Hospital São Bernardo. Ou seja, de 15 em 15 dias, as maternidades e urgências obstétricas em Setúbal e Barreiro fecham uma semana, de forma desencontrada. Já no Hospital Garcia de Orta os serviços vão funcionar em pleno de segunda a quinta-feira (os encerramentos verificam-se em todos os fins-de-semana).

Desde o início deste mês de Outubro, e até Janeiro do próximo ano, aos sábados e domingos os serviços só estarão disponíveis numa das três unidades hospitalares da região.

- PUB -

Mais populares

Homem encontrado morto em casa no centro de Setúbal [Actualizada]

Cadáver de José, de 66 anos, foi transportado para a morgue do Hospital de São Bernardo para realizar autópsia

PJ investiga cadáver encontrado no interior de uma viatura em Setúbal

Populares alertaram as autoridades pelas 22h30. Homem, de 57 anos, terá morrido por causas naturais

Tribunal condena a 15 anos de prisão homicida de empregado de bar em Setúbal

Fábio Abenta, de 31 anos, deixa uma filha de dois anos de idade e era empregado de balcão há vários anos
- PUB -