5 Dezembro 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalAlcácer do SalQuercus contra “dimensão preocupante” de projecto agro-florestal em Alcácer do Sal

Quercus contra “dimensão preocupante” de projecto agro-florestal em Alcácer do Sal

Em causa está uma área de intervenção de cerca de 615 hectares “integralmente na Zona Especial de Conservação (ZEC) Comporta-Galé, da Rede Natura 2000”

 

- PUB -

A associação ambientalista Quercus manifestou-se ontem preocupada com as dimensões de um projecto agro-florestal previsto para a Herdade da Batalha, em Alcácer do Sal (Setúbal), alertando para o aumento das ameaças e destruição da floresta autóctone.

Em comunicado enviado à agência Lusa, a Quercus revelou que o projecto agro-florestal da Herdade da Batalha, em Alcácer do Sal, cuja consulta pública do estudo de Avaliação de Impacte Ambiental (AIA) terminou ontem, tem uma “dimensão preocupante”.

Em causa, indicou, está uma área de intervenção de cerca de 615 hectares “integralmente na Zona Especial de Conservação (ZEC) Comporta-Galé, da Rede Natura 2000”. Segundo a associação, este “alegado projecto agro-florestal não é mais do que uma agro-indústria a céu aberto, com impactes elevadíssimos sobre a floresta”.

- PUB -

O projecto prevê a criação de uma área agrícola para produção de tangerinas que terão como destino um centro de distribuição em Valência (Espanha) para embalamento, distribuição e comercialização, pode ler-se na documentação sobre a Herdade da Batalha disponível na página de Internet do portal Participa, consultado pela Lusa.

No documento é referido que o promotor do projecto, a empresa Azul Empírico, do grupo Aquaterra, prevê investir 45 milhões de euros para a plantação de tangerinas numa área de 543,95 hectares e na instalação das estruturas e infra-estruturas de apoio em 71,25 hectares de terreno.

Segundo os ambientalistas, a área agrícola será implantada num território “dominado [por] pinhal-manso autóctone com interesse na produção de pinhão e uma grande diversidade de habitats”, que poderá ser “convertido” caso seja aprovado pelo Governo.

- PUB -

O projecto prevê igualmente a realização de um total de “26 furos de captação de água para rega, a preparação do solo (desmatação, gradagem, limpeza de material lenhoso, lavoura e correcção do solo) numa área total de cerca de 543,95 hectares”.

“O consumo de água do aquífero é enorme, cerca de 3,57 milhões de metros cúbicos, o que vai comprometer outras captações, incluindo a disponibilidade para consumo público entre Alcácer do Sal e Grândola, assim como favorecer a intrusão salina com a degradação do aquífero”, argumentaram os ambientalistas.

No Dia da Floresta Autóctone, que se assinala hoje, a Quercus apelou ao Governo para “não aprovar este e outros projectos insustentáveis”, sublinhando que contribuem para a “destruição” das áreas florestais.

No mesmo comunicado, a associação manifestou-se também contra o recente abate de cerca de 300 sobreiros no monte de Santa Catarina, em Vila Nova de Famalicão, no âmbito do projecto de instalação de uma central fotovoltaica, em 80 hectares de espaço florestal, “sem que tenha sido sujeito” a AIA.

E defendeu “a aposta na produção descentralizada, nomeadamente o autoconsumo”.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Homem morre em confrontos num café na Avenida Bento de Jesus Caraça

Causa da morte não é clara. PJ está a investigar

Primeira loja Lidl num campus universitário já abriu em Almada

Rede de supermercados alemã investe 10 milhões de euros no novo edifício situado no Monte da Caparica
- PUB -