9 Agosto 2022, Terça-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaServiço Carris Metropolitana transporta revolta e tristeza pelas cinco freguesias de Almada

Serviço Carris Metropolitana transporta revolta e tristeza pelas cinco freguesias de Almada

Há horários que não são cumpridos, carreiras que falham e outras que, apesar de estruturantes nem estão ainda a percorrer as estradas

- PUB -

O novo sistema de transportes rodoviários prestado pela Transportes Sul do Tejo (TST) no concelho de Almada não agrada à população nem aos autarcas, e nem à Transportes Metropolitanos de Lisboa (TML), empresa responsável pelo contrato e co-gestão com os municípios da Carris Metropolitana. Para a presidente da Câmara Municipal, Inês de Medeiros, o sentimento é de revolta e tristeza.

Há horários que não são cumpridos, carreiras que falham e outras que, apesar de estruturantesnem estão ainda a percorrer as estradas. O próprio mapa da rede, que deveria acrescentar percursos aos que antes existiam, foi amputado e, por exemplo, carreiras que ligavam aos barcos da Transtejo, nem a Cacilhas agora chegam.

“Todos esperávamos que seria necessário fazer ajustes na nova operação, mas assim tantos era inesperado e incompreensível”, comentou Inês de Medeiros após a quinta e última sessão de esclarecimento à população, que decorreu no edifício do poder local do Laranjeiro/Feijó; isto em jeito de balanço dos encontros que começaram na Trafaria, passaram pela Costa de Caparica, Charneca de Caparica e Almada.

- PUB -

Ao mesmo tempo que diz que a participação da população tem sido fundamental para transmitir aos autarcas e TML uma radiografia do serviço que está a ser feito pela TST no concelho, também aponta o dedo à operadora rodoviária que, durante cerca de 40 anos, transportou a população no concelho.

“Um operador que conhece as dinâmicas de movimentação dos utentes esteve de má-fé” quando, na altura de serem propostas carreiras, “não indicou que alguns horários que foram retirados do actual mapa de rede tinham grande afluência”. E a presidente aponta o caso da ligação rodoviária a Porto Brandão em que “uma das carreiras que era feita bastante cedo deixou de se fazer, e passou também a existir um interregno de duas horas sem autocarro”, isto numa localidade que apenas tem uma rua de acesso.

Aliás, entre os vários problemas que se colocam com o novo serviço, um deles é terem deixado de existir carreiras que serviam quem tem horários de trabalho muito cedo, e outras à noite que transportavam, por exemplo, quem trabalha por turnos.

- PUB -

Com a TST a alegar junto da autarquia e da TML ter problemas de falta de motoristas, ambas as entidades mostram descontentamento por a empresa rodoviária não ter avisado sobre estes problemas atempadamente. “Só recebemos os horários 4 dias antes da operação começar (1 de Julho), diz Rui Lopo, da administração da TML”.

Conforme decorreram sessões de esclarecimento com a população em cada localidade, foram detectados vários problemas de cobertura, falta de horários e frequências, e alguns deles entretanto corrigidos. Outro desagrado de Inês de Medeiros é que essas correcções “existiram durante uns dias, mas depois deixaram de ser feitas”, outro caso foi a TST ter “garantido” carreiras estruturantes; mas que “não existem”.

São várias questões transmitidas pelos utentes. “Não existe outra maneira de o saber”, revela Rui Lopo. Segundo este responsável, a operadora deveria ter instalado um sistema informatizado de comunicação com a TML para transmitir o posicionamento de cada autocarro a cada momento. “Estão em incumprimento”, afirma: “talvez no fim deste mês esteja a funcionar”, acredita.

Esta terça-feira, na sessão de esclarecimento, foi notório o descontentamento da população e, tal como tem acontecido noutras sessões, a falta de transportes públicas tem levado alguns munícipes a recearem pelos seus empregos por não conseguirem cumprir com horários de trabalho. “A mobilidade social é um direito do povo”, dizia uma residente no Feijó, enquanto outro munícipe manifestava: “Não acredito que a situação esteja resolvida antes de 2023”.

Antes, já Inês de Medeiros, tinha afirmado: “Estamos revoltados, tristes. Foram três anos de trabalho com base em estudos de mobilidade”; mas por enquanto “nenhum dos envolvidos se revê no que está a acontecer”, acrescentou Rui Lopo, que chegou a pedir “desculpa” aos utentes por parte da TML.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Histórica estação rodoviária na 5 de Outubro vai dar lugar a supermercado Continente

Edifício está a ser alvo de estudos há cerca de uma semana, com o objectivo de abrir espaço do grupo Sonae

Hospital da Luz Setúbal confirma nova clínica no centro da cidade

Dr. José Ferreira Santos, director clínico do estabelecimento, confirma pólo adicional para aproximar clientes do centro hospitalar

João Martins: “Deixo uma casa com bom nome e reconhecida”

Criou, desenvolveu e consolidou a Escola Profissional do Montijo (EPM). Ao fim de 29 anos e uns pozinhos, o professor decidiu passar o testemunho
- PUB -