27 Junho 2022, Segunda-feira
- PUB -
InícioLocalAlmadaFestival de Almada volta ao formato original e aos espaços ao ar-livre

Festival de Almada volta ao formato original e aos espaços ao ar-livre

Maior festa do teatro no País volta a ter estreias em palco e grandes nomes do teatro nacional e estrangeiro. De 4 a 18 de Julho

- PUB -

O Festival de Almada regressa este ano ao formato tradicional, de 4 a 18 de Julho, e também com actuações em espaços ao ar-livre. “Há dois anos assumimos o compromisso com o público de voltarmos a [este modelo]”, lembrou Francisco Rodrigo, director artístico do festival, na apresentação da maior festa do teatro no País, que decorreu na Casa da Cerca, em Almada Velha, na passada quarta-feira. Para trás ficou o espartilho da pandemia que, mesmo assim, nunca travou a realização do Festival.

A 39.ª edição proporciona ao público 20 produções, sendo sete delas espectáculos portugueses e 13 estrangeiras, que vão passar por nove palcos. Em Almada: Teatro Municipal Joaquim Benite, Palco Grande da Escola D. António da Costa, Fórum Romeu Correia, Teatro-Estúdio António Assunção e Incrível Almadense. Em Lisboa: Centro Cultural de Belém e Teatro Nacional D. Maria.

Entre as produções estrangeiras, destacam-se os espectáculos de criadores como o norte-americano Robert Wilson, que traz ao Festival de Almada uma nova versão da peça “I was sitting on my patio this guy appeared I thought I was hallucinating”, que se estreou em 1977 com Lucinda Childs, e o suíço Christoph Marthaler que conta com quatro presenças no Festival de Almada e abre a edição deste ano com a peça “Aucune Idée” na Escola D. António da Costa, a 4 de Julho.

- PUB -

Destaque ainda para o alemão Thomas Ostermeier, com o espectáculo “ödipus” que revisita o mito de Édipo numa versão da dramaturga Maja Zade passada na Atenas contemporânea, e o espectáculo do belga Wim Vandekeybu com “Hands do not touch your precious Me” no qual o coreografo colabora com o artista visual francês Olivier de Sagazan, onde se tece um conto mítico de confronto e transformação, luz e escuridão.

De sublinhar também as encenadoras Dorothée Munyaneza, do Ruanda e Nadège Prugnard, de França, que assinam duas criações no âmbito da Temporada Cruzada Portugal-França 2022.

Por parte da Companhia de Teatro de Almada, onde “todos se envolvem na organização do Festival de Almada”, como comentou a presidente da Câmara de Almada, Inês de Medeiros, vai estar em estreia “Noite de Reis”, de Shakespeare, com encenação de Peter Kleinert.

- PUB -

A 39.ª edição integra ainda dois espectáculos do chamado novo circo, com a apresentação da trupe francesa Baro d’Evel e dos ingleses Gandini Juggling”.

Quanto a espectáculos nacionais, estes “representativos de várias gerações de criadores e companhias”, salientou Rodrigo Francisco, é de realçar “Se eu fosse Nina”, com encenação e texto de Rita Calçada Bastos, um espectáculo que, devido à pandemia, apenas teve uma representação online, portanto estreia agora ao vivo, e “Eu sou a minha própria mulher” encenado por Carlos Avilez, do Teatro Experimental de Cascais.

O Teatro dos Aloés vai estar em palco com “Em casa, no zoo”, encenação de Jorge Silva, o Teatro do Bairro traz “Sonho”, encenado por António Pires, o Arena Ensemble apresenta “Selvagem” encenado por Marco Martins, e a companhia Artistas Unidos leva a palco “Taco a Taco” com encenação de Pedro Carraca.

O espectáculo de Honra é “Miguel de Molina al desnudo”, encenado por Félix Estaire. Esta é uma peça que esteve em palco na edição anterior, e que agora regressa por votação do público, apesar de ter sido a segunda preferência uma vez que não foi possível trazer “Quem Matou o Meu Pai”.

A figura homenageada este ano é José Manuel Castanheira, cenógrafo, arquitecto e doutorado em cenografia. É responsável pela acção “Sentido dos Mestres”, que integra os festivais de Almada. “Um amigo de Almada e do teatro”, disse Inês de Medeiros.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

“Queremos ser uma das maiores potências desportivas do distrito de Setúbal”

Tiago Fernandes, presidente do Juventude Sarilhense

Avó e mãe de Jéssica cantaram em programa da TVI enquanto menina estava sequestrada

Família materna da vítima marcou presença em caravana de “Uma Canção Para Ti” na véspera da morte da criança

Menina de três anos morre em caso suspeito de maus tratos pela ama

Criança apresentava ferimentos na boca e nariz e hematomas no corpo. Ama disse que tinha caído de uma cadeira no dia anterior
- PUB -