30 Novembro 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioÚltimasHomicídio: Como três jovens traçaram o plano macabro para a morte de...

Homicídio: Como três jovens traçaram o plano macabro para a morte de um deles

Depois de asfixiarem o amigo, perduraram o corpo num sobreiro, para simular suicídio. Foram traídos pela força da gravidade

 

- PUB -

Lucas Miranda, 15 anos, foi asfixiado até à morte e enforcado, para simular o suicídio, por dois colegas do centro de acolhimento Jovem Tabor, onde estavam institucionalizados, em Algeruz, num plano gizado entre os três. A investigação acredita que os arguidos, Leandro e Ricardo, que na altura tinham 16 anos, cometeram o crime pelo prazer de ver a vítima em agonia e de matar, aproveitando o estado depressivo de Lucas Miranda que tinha pedido para que o matassem.

Os suspeitos foram detidos em Março de 2021, mas o tribunal libertou-os, contra a vontade do Ministério Público (MP), e considerou que em causa estava o crime de morte a pedido da vítima. O Ministério Público acusou-os agora de homicídio qualificado. Ainda assim, não vai pedir a revisão das medidas de coação.

O crime ocorreu a 15 de Outubro de 2020 e o corpo foi descoberto mais de quatro meses depois, em Fevereiro de 2021 dentro de um poço junto ao Centro de Acolhimento de Jovens Tabor, em Algeruz.

- PUB -

O plano traçado pelos jovens passava por asfixiar Lucas até à morte, a seu pedido, e enforcá-lo para simular o suicídio aos olhos da polícia, mas a força da gravidade traiu os suspeitos.

O ramo da árvore que segurava o corpo, um sobreiro, cedeu e este já estava com os joelhos no chão um dia depois do crime. Os dois arguidos decidiram então retirá-lo da árvore, enrolar o cadáver num lençol da instituição e atirá-lo a um poço, tapando-o, nos dias seguintes, com terra e galhos de árvores para disfarçar o cheiro de decomposição.

O crime foi planeado no início de Outubro, quando Lucas Miranda foi institucionalizado, e já depois de uma primeira tentativa. A vítima queixava-se de estar farto da vida e pediu aos colegas para o matarem. Leandro e Ricardo acederam.

- PUB -

Dois dias antes, Leandro asfixiou Lucas até este perder os sentidos, a pedido deste, para simular a sensação de morrer. Quando recuperou os sentidos, Lucas pediu para que o matasse dessa forma. No dia anterior ao crime, os três dirigiram-se para a zona de mato junto ao centro Tabor, mas, por estar escuro, decidiram adiar para o dia seguinte. Foi a vítima que recuou nesse momento.

Logo na manhã do dia seguinte, cometeram o crime. Os três saíram do centro e Leandro asfixiou Lucas, mas desta vez até à morte. Assegurou-se que já não respirava e, com a ajuda de Ricardo, enforcou Lucas, já morto, num sobreiro. Para tal usaram uma corda utilizada na horta do centro Tabor.

Cometido o crime, regressaram à instituição. No dia seguinte, voltaram ao local e repararam que o ramo do sobreiro tinha cedido e Lucas já tinha os joelhos no chão. Assim, assumindo que a polícia não ia acreditar no suicídio, decidiram enrolar o corpo num lençol e atiraram-no a um poço, onde o corpo viria a ser descoberto meses depois, em Fevereiro de 2021, pela Polícia Judiciária de Setúbal.

A mãe de Lucas Miranda avançou com um pedido de indemnização contra o Estado, o centro de acolhimento, o Ministério da Segurança Social e os dois jovens acusados do homicídio. Pede uma indeminização de 200 mil por perda do direito à vida, 100 mil euros a título de danos não patrimoniais sofridos pela vítima e 100 mil euros a título de danos não patrimoniais sofridos pela mãe.

 

Comentários

- PUB -

Mais populares

Jovem morre esfaqueado em cilada durante convívio 

Vitima, na casa dos 20 anos, era estudante e trabalhador na Autoeuropa

Corpo do chefe dos Bombeiros Sapadores de Setúbal encontrado na Praia da Torre em Grândola

Identificação do corpo terá sido feita por familiares na morgue, onde será realizada a autópsia, não havendo, até ao momento, indícios de crime 

Acidente na A2 junto a Palmela faz um morto e dois feridos ligeiros

Colisão entre dois veículos ligeiros ocorreu ao quilómetro 24.9 da Autoestrada 2. Vítima mortal tinha 42 anos
- PUB -