18 Maio 2022, Quarta-feira
- PUB -
InícioLocalSinesConstrução do primeiro edifício do megacentro de dados Sines 4.0 arrancou hoje

Construção do primeiro edifício do megacentro de dados Sines 4.0 arrancou hoje

Fase inicial do projecto representa um investimento de 130 milhões de euros. Vai criar entre 70 a 100 postos de trabalho directos e 400 indirectos ainda este ano

Arrancou hoje a primeira fase do megacentro de dados Sines 4.0 com a construção do primeiro de nove edifícios do projecto desenvolvido pela empresa Start Campus, na Zona Industrial e Logística de Sines (ZILS).

- PUB -

Baptizado de NEST (New & Emerging Sustainable Technologies), o equipamento terá uma capacidade total de 15MW e deverá estar concluído no primeiro trimestre de 2023. O investimento nesta primeira fase está estimado em 130 milhões de euros e deverá criar entre 70 a 100 novos postos de trabalho directos e cerca de 400 indirectos.

“O NEST é o primeiro edifício do que será um dos maiores campus de data centers da Europa. O projecto Sines 4.0 será 100% verde e quando estiver terminado, em 2027, terá 495MW de capacidade total, sendo composto por nove edifícios (NEST com 15MW e mais oito com 60MW de capacidade cada)”, lê-se num comunicado, enviado à redacção de O SETUBALENSE pela Start Campus, sobre o projecto a ser implantado nos terrenos contíguos à Central Termoeléctrica a Carvão de Sines, recentemente encerrada.

De acordo com a empresa, esta primeira fase do projecto “representa um investimento de 130 milhões de euros”, sendo que desde 2021 foram já injectados 20 milhões. No total, até 2027, o Sines 4.0 deverá ascender aos “3,5 mil milhões de euros”.

- PUB -

Para já, nesta fase inicial, serão criados “70 a 100 novos postos de trabalho directos em Sines”, salienta a empresa, ao mesmo tempo que detalha que as funções são de alta qualificação, como “engenheiros de telecomunicações, mecânicos e electrotécnicos”. A par destes, a empresa prevê ainda durante este ano a criação de “400 postos de trabalho indirectos”.

O edifício NEST terá “um total de 5 mil m2 e será um modelo mais pequeno dos restantes edifícios”. Terá, segundo a Start Campus, disponibilidade “para 1 a 6 clientes (6 salas de 2,5MW) e contará com energia verde e refrigeração sustentável”, além de serviços de suporte.

“O Sines 4.0 começa agora a ser implementado no terreno e isso é um marco importante para este projecto”, considera Afonso Salema, CEO da Start Campus, citado no documento. Para o responsável, o investimento vem responder a uma dupla tendência verificada nos últimos anos: “transformação e sustentabilidade”.

- PUB -

“Queremos fazer a diferença com o que estamos a criar, gerando postos de trabalho qualificados e atraindo mais investimento com impacto positivo para a comunidade de Sines”, conclui, sem deixar de realçar que “existe uma enorme procura, a nível internacional, de centros de dados por parte dos ‘hyperscalers’”.

O Sines 4.0 vem assim dar resposta à “crescente procura de grandes empresas internacionais de tecnologia por espaço para processamento e armazenamento de dados, devido à explosão da procura digital e de soluções 100% verdes a preços competitivos”, adianta o comunicado da empresa.

As infra-estruturas existentes no local bem como os sistemas de refrigeração com água do mar, a grande capilaridade portuguesa na conectividade através da ligação a cabos de fibra óptica internacionais, e o uso potencial de energia 100% verde são algumas das vantagens estratégicas da implantação do projecto na ZILS.

“O projecto alavanca a posição geográfica estratégica de Sines e Portugal na periferia da Europa com a ajuda de novos cabos submarinos: EllaLink e Medusa”, destaca a empresa, a finalizar.

Comentários

- PUB -

Mais populares

Igor Khashin e Yulia Khashina: “O nosso trabalho de 20 anos foi destruído num dia”

Casal russo que está no centro da polémica com o acolhimento de refugiados ucranianos em Setúbal responde a todas as perguntas

“A Judiciária que investigue, não temos nada a esconder”

Igor Khashin e Yulia Khashina falam pela primeira vez após o inicio da polémica

Matias Damásio a abrir com The Gift pelo meio e Dulce Pontes a fechar as Festas de São Pedro

Calendário das três actuações está definido. Depois de dois anos de interregno, a tradição volta a ser o que era
- PUB -